19/06/2018
Login
Entrar




Política

12/06/2018

Celso de Mello arquiva inquérito sobre doação para Aloysio Nunes

AE
Email
A-   A+
Aloysio Nunes foi acusado de receber R$ 200 mil da UTC, em espécie, via ?caixa dois?/Ueslei Marcelino
Brasília - O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) atendeu ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou o arquivamento de um inquérito que investigava as suspeitas de que o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), teria cometido os crimes de falsidade ideológica eleitoral (caixa 2) e lavagem de dinheiro por doação não contabilizada da empreiteira UTC na campanha ao Senado, em 2010.

O executivo Ricardo Pessoa fechou delação premiada com a Operação Lava Jato em 2014. Em troca de benefícios, como redução de pena, o ex-presidente da UTC contou o que sabia sobre o esquema de corrupção instalado na Petrobras e também sobre supostas irregularidades envolvendo políticos, entre eles Aloysio Nunes.

As suspeitas envolviam a acusação de Pessoa, de quem teriam sido doados R$ 500 mil para a campanha do tucano ao Senado em 2010, dos quais R$ 300 mil teriam sido doação oficial e o restante, R$ 200 mil, em espécie, via “caixa dois”.

Depois de dois anos e oito meses de investigação, cumpridas todas as diligências requeridas pelo Ministério Público Federal, a PGR concluiu que não foram encontradas provas que justifiquem o prosseguimento do inquérito.

“Sendo esse o contexto, passo a examinar a proposta de arquivamento formulada pelo Ministério Público Federal. E, ao fazê-lo, tenho-a por acolhível, pois o Supremo Tribunal Federal não pode recusar pedido de arquivamento, sempre que deduzido pela própria Procuradora-Geral da República”, explicou o decano da Corte, em decisão assinada na última sexta-feira (dia 8).

Celso de Mello também ressalvou a possibilidade de reabertura das investigações penais, “desde que haja provas substancialmente novas”.

Em nota, o chanceler brasileiro informou que “finalmente, após dois anos e nove meses, foi determinado arquivamento do inquérito por uma acusação que não se comprovou”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/06/2018
Valério é condenado a mais 16 anos
Ex-empresário já cumpre pena de 37 anos por envolvimento em esquema do PT
19/06/2018
Geddel e Luiz Estevão são alvo de buscas
São Paulo - A Polícia Civil, no Distrito Federal, fez buscas nas celas onde estão presos o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-senador Luiz Estevão, na...
19/06/2018
STF retomará julgamento sobre delação premiada
Brasília - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para amanhã a retomada do julgamento de uma ação que discute a...
19/06/2018
Sistema prisional precisa de agenda
Brasília - A procuradora-geral da República e presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), Raquel Dodge, apontou ontem algumas das principais...
16/06/2018
Moro avalia conexão sítio-Petrobras
Juiz apura suposta propina de empreiteiras com reformas em imóvel de Atibaia
› últimas notícias
Preço do diesel recua R$ 0,41 em Minas
Mais de 40% das empresas usam planilhas ao contratar
Inadimplência recua na Capital
TCU vai apurar se cobrança por despacho de bagagem reduziu preços das passagens
Governo espera movimentar a economia com liberação de saques
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.