Publicidade
23 de June de 2017
Login
Entrar

Economia

17/05/2017

Cemig avalia captação de até US$ 1,5 bilhão no exterior

Companhia deve emitir debêntures
Mara Bianchetti
Email
A-   A+
Empresa pretende alongar o prazo das dívidas em sete anos com a captação de até US$ 1,5 bilhão/Cemig/Divulgação
Com uma dívida líquida total de R$ 13 bilhões, com prazo médio de vencimento de dois anos e meio, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) segue firme com o projeto de desalavancagem que vem sendo adotado desde o início do ano passado. Além das ações de desinvestimento, pelas quais a estatal abre mão dos empreendimentos que não possui o controle acionário ou que não integrem seu core business, agora a empresa estuda a emissão de cerca de US$ 1 bilhão em debêntures no mercado internacional.

De acordo com o diretor financeiro da Cemig, Adézio de Almeida Lima, num primeiro momento houve a apresentação da companhia ao mercado internacional, já que há 22 anos a empresa não realizava nenhuma captação no exterior. Segundo ele, investidores de metrópoles como Londres, Nova York, Los Angeles e Boston se mostraram bastante interessados no portfólio da estatal e em, no máximo, dois meses já haverá um resultado da operação.

“Se nesse meio tempo não ocorrer nenhum imprevisto, seja econômico, financeiro ou político, deveremos conseguir um alongamento dos prazos das dívidas em sete anos, com a captação de US$ 1 bilhão a US$ 1,5 bilhão. O objetivo principal da atual gestão é alongar o perfil das dívidas e, para isso, estamos adotando vários recursos”, explicou o diretor financeiro.

Ainda dentro deste contexto, o superintendente de Relações com Investidores da Cemig, Antônio Carlos Vélez, confirmou que a associada Renova Energia S.A., está em negociação para assinar o contrato de compra e venda das ações que a companhia detém na empresa norte-americana Terra Form Global para a Brookfield Asset Management. “Ainda não há nenhuma decisão concreta neste sentido e a própria Renova emitiu comunicado ao mercado confirmando isso”, disse.

Há alguns dias, a imprensa vem veiculando a venda controle da Renova Energia, empresa de geração renovável controlada pela Cemig e pela Light. Conforme divulgado, o negócio envolveria a aquisição pela Brookfield de toda a participação da Light na Renova, além da injeção de R$ 800 milhões na companhia.

 No entanto, ontem, a Light informou que não recebeu qualquer oferta da gestora canadense para a compra de sua participação na Renova Energia. “Cumpre destacar ainda que a administração da Light está sempre atenta às oportunidades que possam gerar valor para seus acionistas”, informou a empresa, em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Leia também:
Aneel define cotas mensais de hidrelétricas
Fatia na Santo Antônio deve ser desfeita

 
Lucro líquido - A Cemig encerrou o primeiro trimestre de 2017 com lucro líquido de R$ 343 milhões, resultado bem superior aos R$ 5 milhões apurados nos primeiros três meses de 2016. A companhia registrou, ainda, receita líquida de R$ 4,81 bilhões, representando um avanço de 8,1% sobre a mesma época do ano anterior.

Na mesma base de comparação, o Lajida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 1,1 bilhão no período de janeiro a março, o que representa um crescimento de 70,5% na comparação com os primeiros três meses de 2016.
De acordo com o diretor financeiro, a receita foi fortemente impactada pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD). Isso porque, enquanto no primeiro trimestre a energia estava sendo comercializada no mercado livre ao preço de R$ 34,69, nos primeiros meses deste exercício, o valor negociação saltou para 151,67.

“Influenciaram ainda no desempenho o melhor resultado apurado no que se refere à equivalência patrimonial, a redução de despesas operacionais, com pessoal, materiais e outros”, afirmou Lima em entrevista coletiva para divulgação dos resultados.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/06/2017
Legislação de Minas é mais restritiva
A legislação estadual, na avaliação do gerente de Meio Ambiente da Fiemg, Wagner Soares Costa, agrava ainda mais a situação relativa à...
23/06/2017
Indústria quer mais tempo para o Dia do Rio
Decisão da ANA, de proibir captações no São Francisco todas as quartas-feiras, preocupa a Fiemg
23/06/2017
MPEs não pretendem tomar crédito
São Paulo - A demanda por crédito das micro e pequenas empresas (MPEs) atingiu 13,1 pontos em maio, ficando um pouco acima dos 12,4 pontos registrados em abril, o que representa...
23/06/2017
Lama ainda traz riscos para a área costeira
Instituto Chico Mendes alerta para necessidade de monitoramento dos rejeitos da barragem de Fundão
23/06/2017
Geradoras do País estão preparadas para a seca
Brasília - As geradoras de energia estão mais bem preparadas para enfrentar os efeitos da seca neste ano, avalia a Moody’s. Ainda que o período seco traga dificuldades...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.