Publicidade

Economia

27/03/2014

Cemig reivindica reajuste tarifário de 29,7% à Aneel

Concessionária alega custo maior com compra de energia de termelétricas
Tatiana Lagôa
Email
A-   A+
Raimundo Batista Neto/Emmanuel Duarte
Os mineiros poderão ter o maior reajuste nas contas de energia na comparação com os consumidores atendidos por distribuidoras de outros estados que também contam com alteração tarifária em 8 de abril. A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) pediu à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) um aumento de 29,7% na tarifa, valor que será votado pelo órgão em 1º de abril.

Outras três distribuidoras terão reajuste definido na mesma data e apresentaram propostas para a agência. São elas: a Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (Enersul), que pediu 16,19%; a CPFL Paulista, com 26,05%; e a Centrais Elétricas Matogrossenses S.A (Cemat), com 24,82%. Ou seja, todos valores menores que os da concessionária mineira.

Saiba mais:
TCU investigará impacto da MP 579 sobre a CDE
Coelce, do Ceará, foi a melhor distribuidora do país em 2013

Em nota, a Cemig explica que o maior impacto incidente sobre o percentual vem da necessidade de compra de energia gerada em termelétricas, que é mais cara do que as provenientes de fontes hidráulicas. Esses gastos estão incluídos na chamada Parcela A, que representa 69% do peso final do reajuste. Somente nessa parcela, há uma necessidade de elevação apurada pela companhia mineira de 29%.

Já a Parcela B, que se refere às despesas operacionais e a remuneração dos investimentos realizados, necessitaria de um reajuste de 7%. "Ou seja, na parte que cabe à Cemig gerenciar, houve ganho de eficiência da empresa para os clientes", afirma em nota. Por fim, o item que trata dos componentes financeiros teve uma variação de 9,6%. Dessa forma, a empresa pediu 29,74% de reajuste.

Ainda segundo a empresa, do valor cobrado na tarifa, 27% ficam com a Cemig Distribuição e se destinariam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação e o custeio da concessionária. Os demais 73% são repassados para cobrir encargos setoriais, tributos e encargos, energia comprada e encargos de transmissão. Porém, os percentuais ainda serão avaliados pela Aneel que, posteriormente, realizará uma audiência pública antes da decisão final.

Para o sócio-diretor da Enecel Energia, Raimundo de Paula Batista Neto, pedir um percentual tão alto pode ser uma estratégia da empresa. Isso porque, geralmente, a Aneel tende a votar por um percentual abaixo do esperado pelas concessionárias. "A Aneel geralmente joga para baixo o percentual. Então é papel da Cemig apresentar todas as contas. Mas nem todas elas a agência reconhece como parte do cálculo", afirma.

Leia também

Sociedade liderada pela Odebrecht pode entregar concessão de gasoduto no Peru
Saldo de empregos negativo em MG
BB vai oferecer consórcios para indústria
Produção do polo de Santo Antônio do Monte recua 50%
Heineken confirma negociações com holding para compra da Brasil Kirin

Ano eleitoral - O analista de energia da consultora Lopes Filho, Alexandre Furtado Montes, concorda que dificilmente seria aprovado um reajuste desse patamar. "Em época de eleição e depois de tanto esforço do governo para reduzir a energia, em vão, acho difícil uma alta desse nível. O governo certamente vai optar por subsidiar parte da conta", afirma.

No ano passado, a Cemig teve um reajuste médio de 2,99%. Os consumidores de baixa tensão, que incluem residências e pequenos estabelecimentos comerciais, ficaram com alta média de 6,98%, sendo somente os residenciais uma elevação de 4,99%. A classe de consumo da alta tensão, que abrange a indústria e grandes estabelecimentos, teve uma redução de 4,83% aprovada na época.




Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/01/2017
Sociedade liderada pela Odebrecht pode entregar concessão de gasoduto no Peru
Lima - O consórcio Gasoduto Sur Peruano, controlado pela Odebrecht, disse na sexta-feira ser possível que se declare encerrada a concessão do projeto ante a “iminente...
21/01/2017
Saldo de empregos negativo em MG
Foram eliminados 117.943 postos de trabalho no Estado em 2016, segundo Caged
21/01/2017
BB vai oferecer consórcios para indústria
O Banco do Brasil (BB) assinou na sexta-feira com a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) um convênio que prevê a oferta de...
21/01/2017
Produção do polo de Santo Antônio do Monte recua 50%
Queda de 40% na demanda impactou o setor em 2016
21/01/2017
Heineken confirma negociações com holding para compra da Brasil Kirin
Bruxelas - A Heineken, segunda maior cervejaria do mundo, disse na sexta-feira que está discutindo sobre a possibilidade de um acordo para as operações brasileiras da...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.