Publicidade

Economia

27/03/2014

Cemig reivindica reajuste tarifário de 29,7% à Aneel

Concessionária alega custo maior com compra de energia de termelétricas
Tatiana Lagôa
Email
A-   A+
Raimundo Batista Neto/Emmanuel Duarte
Os mineiros poderão ter o maior reajuste nas contas de energia na comparação com os consumidores atendidos por distribuidoras de outros estados que também contam com alteração tarifária em 8 de abril. A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) pediu à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) um aumento de 29,7% na tarifa, valor que será votado pelo órgão em 1º de abril.

Outras três distribuidoras terão reajuste definido na mesma data e apresentaram propostas para a agência. São elas: a Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (Enersul), que pediu 16,19%; a CPFL Paulista, com 26,05%; e a Centrais Elétricas Matogrossenses S.A (Cemat), com 24,82%. Ou seja, todos valores menores que os da concessionária mineira.

Saiba mais:
TCU investigará impacto da MP 579 sobre a CDE
Coelce, do Ceará, foi a melhor distribuidora do país em 2013

Em nota, a Cemig explica que o maior impacto incidente sobre o percentual vem da necessidade de compra de energia gerada em termelétricas, que é mais cara do que as provenientes de fontes hidráulicas. Esses gastos estão incluídos na chamada Parcela A, que representa 69% do peso final do reajuste. Somente nessa parcela, há uma necessidade de elevação apurada pela companhia mineira de 29%.

Já a Parcela B, que se refere às despesas operacionais e a remuneração dos investimentos realizados, necessitaria de um reajuste de 7%. "Ou seja, na parte que cabe à Cemig gerenciar, houve ganho de eficiência da empresa para os clientes", afirma em nota. Por fim, o item que trata dos componentes financeiros teve uma variação de 9,6%. Dessa forma, a empresa pediu 29,74% de reajuste.

Ainda segundo a empresa, do valor cobrado na tarifa, 27% ficam com a Cemig Distribuição e se destinariam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação e o custeio da concessionária. Os demais 73% são repassados para cobrir encargos setoriais, tributos e encargos, energia comprada e encargos de transmissão. Porém, os percentuais ainda serão avaliados pela Aneel que, posteriormente, realizará uma audiência pública antes da decisão final.

Para o sócio-diretor da Enecel Energia, Raimundo de Paula Batista Neto, pedir um percentual tão alto pode ser uma estratégia da empresa. Isso porque, geralmente, a Aneel tende a votar por um percentual abaixo do esperado pelas concessionárias. "A Aneel geralmente joga para baixo o percentual. Então é papel da Cemig apresentar todas as contas. Mas nem todas elas a agência reconhece como parte do cálculo", afirma.

Leia também

Banco Central diz que pretende alcançar meta de inflação em 2017
SPC Brasil aponta alta de 13% no número de empresas inadimplentes
KPMG identifica três maiores fatores de risco
Economia informal cresceu no País e gerou R$ 956 bilhões no ano passado
Balança comercial brasileira registra superávit de US$ 1,1 bilhão na 4ª semana

Ano eleitoral - O analista de energia da consultora Lopes Filho, Alexandre Furtado Montes, concorda que dificilmente seria aprovado um reajuste desse patamar. "Em época de eleição e depois de tanto esforço do governo para reduzir a energia, em vão, acho difícil uma alta desse nível. O governo certamente vai optar por subsidiar parte da conta", afirma.

No ano passado, a Cemig teve um reajuste médio de 2,99%. Os consumidores de baixa tensão, que incluem residências e pequenos estabelecimentos comerciais, ficaram com alta média de 6,98%, sendo somente os residenciais uma elevação de 4,99%. A classe de consumo da alta tensão, que abrange a indústria e grandes estabelecimentos, teve uma redução de 4,83% aprovada na época.




Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

28/06/2016
Banco Central diz que pretende alcançar meta de inflação em 2017
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse hoje (28) que alcançar o centro da meta de inflação, em 4,5%, em 2017 é uma expectativa ambiciosa e...
28/06/2016
SPC Brasil aponta alta de 13% no número de empresas inadimplentes
São Paulo - O número de empresas inadimplentes cresceu 13,01% em maio, na comparação com o mesmo período de 2015, segundo levantamento do Serviço de...
28/06/2016
KPMG identifica três maiores fatores de risco
São Paulo - Um levantamento da KPMG com 235 empresas abertas brasileiras listadas na Bovespa revela que a ação da concorrência, o não pagamento de dividendos e...
28/06/2016
Economia informal cresceu no País e gerou R$ 956 bilhões no ano passado
São Paulo - Impulsionada pela crise, a participação da economia informal no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro voltou a crescer em 2015, depois de 11 anos de quedas...
28/06/2016
Balança comercial brasileira registra superávit de US$ 1,1 bilhão na 4ª semana
Brasília - A balança comercial registrou superávit de US$ 1,100 bilhão na quarta semana de junho, informou ontem o Ministério da Indústria,...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.