Publicidade

Economia

27/03/2014

Cemig reivindica reajuste tarifário de 29,7% à Aneel

Concessionária alega custo maior com compra de energia de termelétricas
Tatiana Lagôa
A-   A+
Raimundo Batista Neto/Emmanuel Duarte
Os mineiros poderão ter o maior reajuste nas contas de energia na comparação com os consumidores atendidos por distribuidoras de outros estados que também contam com alteração tarifária em 8 de abril. A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) pediu à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) um aumento de 29,7% na tarifa, valor que será votado pelo órgão em 1º de abril.

Outras três distribuidoras terão reajuste definido na mesma data e apresentaram propostas para a agência. São elas: a Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (Enersul), que pediu 16,19%; a CPFL Paulista, com 26,05%; e a Centrais Elétricas Matogrossenses S.A (Cemat), com 24,82%. Ou seja, todos valores menores que os da concessionária mineira.

Saiba mais:
TCU investigará impacto da MP 579 sobre a CDE
Coelce, do Ceará, foi a melhor distribuidora do país em 2013

Em nota, a Cemig explica que o maior impacto incidente sobre o percentual vem da necessidade de compra de energia gerada em termelétricas, que é mais cara do que as provenientes de fontes hidráulicas. Esses gastos estão incluídos na chamada Parcela A, que representa 69% do peso final do reajuste. Somente nessa parcela, há uma necessidade de elevação apurada pela companhia mineira de 29%.

Já a Parcela B, que se refere às despesas operacionais e a remuneração dos investimentos realizados, necessitaria de um reajuste de 7%. "Ou seja, na parte que cabe à Cemig gerenciar, houve ganho de eficiência da empresa para os clientes", afirma em nota. Por fim, o item que trata dos componentes financeiros teve uma variação de 9,6%. Dessa forma, a empresa pediu 29,74% de reajuste.

Ainda segundo a empresa, do valor cobrado na tarifa, 27% ficam com a Cemig Distribuição e se destinariam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação e o custeio da concessionária. Os demais 73% são repassados para cobrir encargos setoriais, tributos e encargos, energia comprada e encargos de transmissão. Porém, os percentuais ainda serão avaliados pela Aneel que, posteriormente, realizará uma audiência pública antes da decisão final.

Para o sócio-diretor da Enecel Energia, Raimundo de Paula Batista Neto, pedir um percentual tão alto pode ser uma estratégia da empresa. Isso porque, geralmente, a Aneel tende a votar por um percentual abaixo do esperado pelas concessionárias. "A Aneel geralmente joga para baixo o percentual. Então é papel da Cemig apresentar todas as contas. Mas nem todas elas a agência reconhece como parte do cálculo", afirma.

Leia também

Leilão de transmissão será revisado
Venda de geradores amplia faturamento da Cummins em 24%
Concorrência dos chineses preocupa CNI
Produção industrial registra retração de 1,5% em julho
Segmento de bens duráveis do País reverte queda

Ano eleitoral - O analista de energia da consultora Lopes Filho, Alexandre Furtado Montes, concorda que dificilmente seria aprovado um reajuste desse patamar. "Em época de eleição e depois de tanto esforço do governo para reduzir a energia, em vão, acho difícil uma alta desse nível. O governo certamente vai optar por subsidiar parte da conta", afirma.

No ano passado, a Cemig teve um reajuste médio de 2,99%. Os consumidores de baixa tensão, que incluem residências e pequenos estabelecimentos comerciais, ficaram com alta média de 6,98%, sendo somente os residenciais uma elevação de 4,99%. A classe de consumo da alta tensão, que abrange a indústria e grandes estabelecimentos, teve uma redução de 4,83% aprovada na época.




Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

03/09/2015
Leilão de transmissão será revisado
Brasília - Depois do fracasso do leilão de linhas de transmissão na semana passada, o governo vai rever o modelo das licitações do setor e vai buscar novos...
03/09/2015
Venda de geradores amplia faturamento da Cummins em 24%
Demanda é puxada pelo agronegócio e mineração
03/09/2015
Concorrência dos chineses preocupa CNI
São Paulo - Cresceu nos últimos anos o número de empresas brasileiras perdendo espaço para a concorrência chinesa no mercado doméstico, segundo um novo...
03/09/2015
Produção industrial registra retração de 1,5% em julho
Maior queda para o mês em dois anos
03/09/2015
Segmento de bens duráveis do País reverte queda
De acordo com a pesquisa industrial divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografira e Estatística (IBGE), a única categoria que obteve resultado positivo foi a de bens de...
› Mais Lidas
Compras no cartão crescem 10% no semestre
Nova ameaça ao Vale da Eletrônica
Shopping centers precisam rever modelo de negócio para sobreviver
Fiemg pode tirar centro de convenções do papel
Biorrefinaria deve ser instalada em Minas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Auto
Modelo chega ao mercado com escassos itens de série
Honda Civic Si: vida longa aos verdadeiros esportivos
Wolfsburg: a cidade natal do Volkswagen
A guerra mudando os destinos do Fusca
O passaporte da Lamborghini para o mundo
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
R$ 39,88/mês
› Edição Impressa


03 de setembro de 2015
Conteúdo exclusivo para assinantes
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› DC no Facebook
 
© 2014 Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.