Publicidade
20/04/2018
Login
Entrar

Legislação

14/04/2017

Central sindical se opõe à prevalência de acordo

Email
A-   A+
São Paulo - O membro da secretaria-executiva da central sindical CSP-Conlutas, Paulo Barela, tem uma posição contrária sobre a proposta da reforma trabalhista de dar valor de lei aos acordos entre empregadores e trabalhadores. “Nós somos a favor de negociações, mas com mobilização dos trabalhadores. Infelizmente, no nosso País, as organizações sindicais mantêm ainda, dada a pressão dos patrões, a forma discriminatória como os trabalhadores são tratados e se caracterizam por um nível muito alto de burocracia sindical. Os trabalhadores, em sua maioria, não têm organizações sindicais saudáveis a ponto de impor negociações que tragam vantagens”, ponderou o sindicalista.

De maneira geral, a central sindical se opõe ao projeto. “Nós não achamos que o problema quanto ao nível de emprego no País tem a ver com as leis trabalhistas. Não achamos que a produção, o desenvolvimento econômico tem a ver com leis retrógradas”, apontou Barela.
Barela defende mudanças que não estão sendo discutidas no projeto atual em tramitação na Câmara, como a redução das jornadas de trabalho. “Tem que estabelecer o máximo de 40 horas semanais. Para o serviço público, 30 horas semanais é mais do que suficiente: dois turnos de seis horas. Portanto, você amplia o atendimento ao público e à população mais carente”, argumentou.

Contribuição - O sindicalista se posicionou ainda contra qualquer forma de contribuição obrigatória às entidades que representam os trabalhadores. “Nós achamos que o imposto sindical é uma imposição estatal que fabrica burocracia e sindicatos fantasmas que não servem aos interesses dos trabalhadores. Nós achamos que a atividade sindical tem que ser financiada espontaneamente por meio das contribuições mensais aos sindicatos”, disse.
No parecer, o relator propõe que a contribuição sindical fique restrita aos trabalhadores e empregadores sindicalizados. O desconto do pagamento da contribuição, segundo o substitutivo, deve ser feito somente depois de manifestação favorável do trabalhador ou empresa.

O tributo é recolhido anualmente e corresponde a um dia de trabalho, para os empregados, e a um percentual do capital social da empresa, no caso dos empregadores. Segundo o deputado autor do texto, o País tem 17 mil sindicatos que recolhem R$ 3,6 bilhões em tributos anualmente.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/04/2018
Multa poderá ser convertida em serviços
Governo de Minas permitirá ao infrator destinar recursos de penalidade para projetos de preservação
20/04/2018
PEA deve ser entregue até o dia 24
O prazo final para os empreendimentos, que têm processos de licenciamento ambiental em análise no Estado, apresentarem o Programa de Educação Ambiental (PEA) para o...
19/04/2018
Tabela do IRPF está defasada em 22,16%
Última correção foi em 2015, com reajuste diferenciado por faixas de rendimento, de 5,6% em média
19/04/2018
Venda de imóvel para quitar financiamento é isenta
Brasília - A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou que é isento de Imposto de Renda (IR) o ganho de capital resultante da venda de imóvel...
19/04/2018
IPVA para servidores vence hoje
Vence hoje o prazo para os servidores públicos do Executivo estadual - ativos, inativos e pensionistas - quitarem o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2018 e o...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.