23/07/2018
Login
Entrar




Negócios

20/12/2017

Cestas de Natal devem alavancar as vendas

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Casa Rio Verde estima crescimento de até 20% nas vendas de cestas/Divulgação
Entre as tradições de fim de ano, presentear amigos e parceiros comerciais com cestas de Natal é uma das mais interessantes para comerciantes de diferentes perfis. Desde kits com alguns itens natalinos em caixas simples até produções sofisticadas, com bebidas e petiscos importados em embalagens trabalhadas, elas prometem aumentar o faturamento em supermercados, padarias e casas especializadas em bebidas.

Na Casa do Vinho - Famiglia Martini, são 12 modelos de cestas, com valores entre R$ 99,95 (Kit de Natal) e R$ 4.395,00 (Baú Diamante). A expectativa é que o volume de vendas cresça 10% em relação ao Natal do ano passado.

De acordo com o sócio e proprietário da Casa do Vinho – Famiglia Martini, André Martini, as cestas são pensadas como algo exclusivo para o Natal. “A cesta não é um simples presente. Ela é pensada para ser compartilhada, usufruída por muitos, conforme diz o espírito natalino. Fizemos uma compra antecipada dos produtos e fizemos um número limitado de cada modelo de cesta. Assim, garantimos que há troca de produtos por similares como acontece em muitos lugares”, explica Martini.

A Casa do Vinho atende clientes corporativos e pessoas físicas nas lojas do Barro Preto (região Oeste) e Mangabeiras (Centro-Sul), além das vendas on-line. Os clientes corporativos costumam ser os primeiros a fecharem os pedidos, mesmo assim muita gente deixa para comprar na última hora. O perigo é não ter mais a quantidade necessária do modelo de cesta desejado ou não ser possível fazer a entrega em tempo da festa.

No Decisão Atacarejo, a expectativa é que as vendas cresçam 8% em relação ao ano passado. São oferecidas três opções, com preços entre R$ 29,90 e R$ 99,90. As cestas têm de 16 a 24 itens. A rede, que tem cinco lojas, sendo, duas em Belo Horizonte, (Centro e Venda Nova), duas em Santa Luzia e uma em Lagoa Santa (ambas na Região Metropolitana de Belo Horizonte), além de televendas e da loja virtual (www.decisaoentrega.com.br), aposta na praticidade.

Segundo a diretora de Marketing e RH do Decisão, Valéria Vilaça Bax, se o consumidor resolvesse ele mesmo comprar os itens e a embalagem e montar a cesta, não haveria uma diferença de preço significativa. “A cesta é um produto prático, a seleção de produtos e a embalagem já estão feitas. O mix é pensado para agradar os diferentes membros de uma família. O que não pode faltar é o espumante e os itens natalinos como o panetone”, pontua Valéria Bax.

O supermercado também oferece o serviço de cestas personalizadas, mas apenas para compras acima de 20 unidades. O volume de consultas e pedidos já aumentou nessa semana, fazendo com que os retardatários corram risco de não encontrarem a versão desejada nas vésperas da festa.

Bebidas - Na Casa Rio Verde – com lojas nos bairros Santa Efigênia, Gutierrez, Lourdes, Savassi e Sion, todos na região Centro-Sul, além do e-commerce -, o foco são as cestas de vinhos. A empresa também tem opções com alimentos. As compras foram antecipadas para garantir preços mais baixos. O crescimento previsto, de acordo com o gerente de Varejo da Casa Rio Verde, Renato Vinhal, ficará entre 15% e 20% na comparação com o Natal passado.

“A estratégia foi segurar o preço e manter a qualidade dos produtos, mesmo que para isso tenha sido necessário diminuir a margem de lucro. Também nos esmeramos na entrega, afinal um presente não pode chegar amassado. Além disso, a nossa entrega é própria, com profissionais uniformizados, garantindo a segurança de quem vai receber o produto. O movimento já está crescendo mas, mesmo assim, sempre temos os clientes que deixam pra última hora. Normalmente conseguimos nas cestas de vinhos fazer trocas pontuais de produtos, mas quem chegar atrasado corre o risco de não encontrar o que quer”, destaca Vinhal.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.