17/07/2018
Login
Entrar




Internacional

06/04/2018

China aciona OMC contra tarifas dos EUA

Ministério do Comércio chinês afirma que medidas norte-americanas caracterizam protecionismo comercial
Reuters
Email
A-   A+
Estados Unidos anunciaram em março sobretaxa de 25% ao aço/Arquivo DC
Xangai/ Washington - O Ministério do Comércio da China informou ontem que iniciou procedimento de resolução de disputas na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre tarifas dos Estados Unidos (EUA) sobre importações de aço e alumínio.

A medida segue a rivalidade entre os dois países sobre livre comércio, que passou de investigação norte-americana sobre práticas de propriedade intelectual da China para imposição de tarifas sobre importações.

Em março, os EUA impuseram sobretaxas de 25% e 10% sobre as importações de aço e alumínio, respectivamente, mas concederam isenções temporárias para alguns países, como o Brasil e integrantes da União Europeia.

O Ministério do Comércio chinês disse que as medidas dos Estados Unidos contra o aço e o alumínio não visam manter a segurança nacional, são protecionismo comercial.

Leia também:
Brasil acredita que obterá isenção em produtos

Violação às regras
- O ministério disse em um comunicado publicado em seu site que a ação dos EUA foi uma “grave violação do princípio de não discriminação do sistema multilateral de comércio” e violou seus compromissos de redução de tarifas sob a OMC.
Após os Estados Unidos não conseguirem negociar uma compensação, a China teve que iniciar o processo de solução de controvérsias para defender seus direitos e interesses, disse o ministério.

O escritório do Representante de Comércio dos EUA disse anteriormente que as tarifas foram colocadas em prática por razões de segurança nacional e as objeções eram “infundadas”.

As regras da OMC incluem uma isenção para medidas relacionadas à segurança nacional.

Culpa de Pequim - As recentes ações comerciais do governo de Donald Trump em relação à China não pretendem penalizar nenhuma indústria ou os mercados, mas Pequim deve assumir a culpa por qualquer impacto na economia norte-americana, disse ontem o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow.

“Nossa intenção não é penalizar ninguém. Nossa intenção é abrir mercados e investimentos e reduzir barreiras: esse é o acordo”, disse Kudlow a repórteres na Casa Branca. “Qualquer dano à nossa economia vem das práticas restritivas da China. Culpem a China, não culpem Trump”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/07/2018
Tecnologia e parceria em aviação devem pautar debates dos Brics
Reunião será no fim de julho, na África do Sul
17/07/2018
Trump e Putin destacam diálogo e propõe reforço à cooperação bilateral
São Paulo - Após uma reunião em Helsinque, os presidentes dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin , elogiaram o “diálogo...
14/07/2018
Trump quer acordo com Reino Unido
Após criticar premiê britânica em entrevista, presidente dos EUA voltou atrás em plano
14/07/2018
Fed mantém expectativa de altas de juros
Pequim - O superávit comercial da China com os Estados Unidos (EUA) atingiu um recorde em junho, quando as suas exportações totais cresceram a um ritmo sólido,...
14/07/2018
Fed mantém expectativa de altas de juros
Washington - O crescimento econômico dos Estados Unidos foi sólido durante o primeiro semestre do ano e o Federal Reserve (Fed) continua a esperar altas graduais dos juros, afirmou...
› últimas notícias
Prado Shopping não deve ser inaugurado até 2020
MPF pede cassação de fase 3 do Minas-Rio
Arrecadação estadual registra redução de 13,4%
Produção de minério de ferro da Vale recua em Minas Gerais
Vale D'ouro investe R$ 15 mi para atender mercado externo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.