Publicidade

Internacional

10/01/2017

China aposta em expansão de 6,7%

Meta de crescimento econômico da potência asiática para 2016 estava entre 6,5% e 7%
Email
A-   A+
Vice-ministro de Finanças da China, Zhu Guangyao está certo de que a meta foi atingida/World Economic Forum/Sikarin Thanachaiary
Xangai, China - A China está confiante de ter alcançado um crescimento econômico de 6,7% em 2016, dentro da meta determinada para o ano, afirmou no domingo o vice-ministro de Finanças, Zhu Guangyao.

A economia da China expandiu 6,7% nos três primeiros trimestres do ano passado, e Zhu afirmou estar confiante de que a taxa de crescimento alcançou o mesmo nível ou mais no quarto trimestre de 2016. As declarações de Zhu foram dadas em um fórum da Universidade Tsinghua, em Pequim.

A China, que buscava crescimento econômico entre 6,5% e 7% para 2016, aumentou os gastos governamentais, viu uma alta do setor imobiliário e níveis recordes de empréstimo bancário no ano passado, o que, entretanto, também levou a um forte aumento da dívida.

Muitos analistas acreditam que o crescimento foi mais baixo do que os dados oficiais sugerem, mas reconhecem que o boom da construção sustentou de forma significativa a economia.

Leia também
Jornal alerta Trump sobre Taiwan
Alibaba planeja 1 milhão de vagas nos EUA


Reservas estrangeiras - O declínio nas reservas estrangeiras da China é uma boa notícia no longo prazo, considerou ontem o assessor do banco central, Fan Gang, afirmando que o yuan está em um “ponto de virada”, depois de ter possivelmente sido sobrevalorizado nos últimos anos.

Fang disse em uma entrevista que as medidas do governo para restringir as saídas de capital, que têm alimentado uma depreciação do yuan, são para evitar flutuações rápidas nas reservas, que atingiram a mínima de quase seis anos em dezembro.

“O yuan talvez tenha estado sobrevalorizado nos últimos três ou quatro anos. Chegamos a um ponto de virada. Isso deve ser corrigido”, apontou Fan.

“Temos falado sobre a ineficiência de US$ 4 trilhões em reservas externas e o ridículo de um país em desenvolvimento financiar um país desenvolvido”, acrescentou Fan.

O governo não gosta de ver mudanças rápidas nas reservas estrangeiras do país, emendou Fan, e embora a China não vá descartar totalmente medidas de controle de capital, é improvável que o país vá intensificá-las.

As reservas da China caíram US$ 41 bilhões, para US$ 3,011 trilhões em dezembro, registrando o sexto mês consecutivo de quedas, segundo dados divulgados no sábado, depois de uma semana em que Pequim agiu de forma agressiva para punir as apostas contra a moeda e dificultar a obtenção de dinheiro fora do país.

A inclusão do yuan na cesta SDR tornou a moeda chinesa uma moeda internacional, o que significa que a China precisa deter menos reservas estrangeiras para fins de crédito internacional, disse Fan. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/02/2017
Era Trump: acordos com o Brasil também serão revistos
Secretário de Imprensa dos EUA afirma que nova administração vai reavaliar cada contrato comercial
22/02/2017
Presidente faz críticas legítimas, aponta FMI
Berlim - As críticas feitas pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à política comercial de alguns países têm certo grau de legitimidade e...
22/02/2017
País amplia a lista dos 'deportáveis'
Brasília - O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (United States Department of Homeland Security – DHS, na sigla em inglês) ampliou ontem o número...
21/02/2017
Argentina cortará taxa de 35% sobre laptops e tablets
Ministério da Produção vai reverter protecionismo para computadores
21/02/2017
Vice de Trump promete compromisso 'firme' à UE
Bruxelas, Bélgica - O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, afirmou ontem que o compromisso da Casa Branca com a União Europeia é “firme e duradouro”, dando...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.