Publicidade
21/11/2017
Login
Entrar

Internacional

31/08/2017

China deve incrementar parceria com Brasil

Chanceler chinês avisa que tem "boas notícias" para Temer em todas as áreas, inclusive na econômica
ABr
Email
A-   A+
Wang Yi disse que China injetará ímpeto a parceria com Brasil/Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Brasília - O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse ontem que o governo chinês terá “boas notícias” para o Brasil durante a visita de Estado do presidente Michel Temer ao país asiático. Ele deu a declaração ao ser perguntado sobre os investimentos brasileiros que Temer apresentará às autoridades e aos empresários chineses.

“Em todas as áreas, incluindo o setor econômico, haverá resultados frutíferos que injetarão novo ímpeto à parceria estratégica entre o Brasil e a China. Tenho certeza de que a visita será um sucesso e teremos boas notícias para o Brasil”, falou Wang Yi, em entrevista coletiva sobre a 9ª Cúpula do Brics, grupo que reúne o Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul, entre 3 e 5 de setembro, na cidade chinesa de Xiamen.

Em relação à situação interna do Brasil, o ministro chinês considerou que o país é uma economia emergente que vai superar as dificuldades. “O Brasil está enfrentando algumas dificuldades domésticas temporárias, mas estamos confiantes de que haverá consenso e esforços para superar essas dificuldades. A vitalidade do Brasil será reenergizada”, afirmou o ministro. E completou: “A China espera e acredita que, no cenário internacional, o Brasil vai desempenhar seu papel”.

Antes de participar da cúpula do Brics, Temer apresentará, amanhã, aos principais líderes chineses o pacote de concessões e privatizações de aeroportos, portos, rodovias e linhas de transmissão lançado na semana passada pelo governo, que inclui a venda de parte da Eletrobras. Sábado (2), Temer vai participar do Seminário Empresarial Brasil-China, organizado pela Apex-Brasil, que reunirá empresários chineses que já investem ou têm interesse em investir no Brasil.

O chanceler chinês também comentou a saída, no início da semana, de tropas indianas de uma área em disputa entre a China e a Índia, em uma região fronteiriça montanhosa conhecida como Doklam, que é motivo de tensão para a relação bilateral. “A questão da fronteira [em Doklam] já foi acertada entre China e Índia”.

Ele reconheceu que há problemas na interação entre os dois vizinhos, mas que os países estão trabalhando para superar as diferenças. “Há imenso espaço e potencial para maior cooperação entre China e Índia”, afirmou Wang Yi.

Cooperação Sul-Sul - Neste ano, a China, que ocupa a presidência rotativa do bloco, convidou para a cúpula em Xiamen os presidentes do México, da Tailândia, Guiné, do Tajiquistão e Egito para participar de uma sessão intitulada “Diálogo das Economias de Mercados Emergentes e dos Países em Desenvolvimento”.

Em anos anteriores, o país anfitrião da cúpula convidou apenas os líderes dos países da sua região. O chanceler chinês explicou que a ideia de chamar nações de diferentes continentes é reforçar a cooperação Sul-Sul em temas como governança global e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. “O Brics não é um clube fechado. O propósito é fortalecer a cooperação, o que ajuda a aumentar a influência global do grupo”, frisou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/11/2017
Sem apoio, Merkel fala em novas eleições
Mesmo com o fracasso da coalizão que daria suporte ao seu governo, chanceler não pretende renunciar
21/11/2017
Queda na produção da Venezuela é preenchida por outros países
Houston/Dubai - Agora que o dilapidado setor energético da Venezuela está tendo dificuldades de cumprir a meta nacional de produção de petróleo estipulada pela...
21/11/2017
Presidente do Fed, Janet Yellen, renunciará ao conselho em fevereiro
São Paulo - A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Janet Yellen, adiantou ontem que renunciaria ao cargo no conselho de dirigentes do BC, assim que seu...
18/11/2017
Comitê do Senado dos EUA aprova reforma fiscal
Texto é diferente do acatado pela Câmara de Representantes, mas tem a mesma meta, de cortar impostos
18/11/2017
VW aprova investimento de US$ 40 bi
Wolfsburg/Hamburgo - A Volkswagen aprovou na sexta-feira (17) um plano de investimento de 34 bilhões de euros (US$ 40 bilhões) para acelerar esforços para se tornar um...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.