20/08/2018
Login
Entrar

Internacional

08/06/2018

China mira América do Sul e África para exportações

País já sente efeito de taxa dos EUA
Reuters
Email
A-   A+
Vendas dos produtores chineses para os principais compradores, como Vietnã e Coreia do Sul, recuaram dois dígitos desde 2017/Thomas Peters/Reuters
Manila/Pequim - Produtores de aço na China estão buscando novos destinos de exportação na África e América do Sul, uma vez que os embarques para seus maiores clientes internacionais no sudeste da Ásia caem a taxas de dois dígitos, com novas ações comerciais tomadas pelos Estados Unidos (EUA) ameaçando excluir alguns mercados totalmente.

A China, maior produtora, consumidora e exportadora de aço do mundo, está ficando com menos destinos para vendas externas. Na semana passada, Washington impôs tarifa de 25% sobre grandes exportadores de aço para os Estados Unidos - Canadá, México e União Europeia -, o que disparou medidas retaliatórias.

As tarifas que os EUA passaram a cobrar de outros países em março foram destinadas principalmente a reduzir importações de aço da China, que siderúrgicas norte-americanas acreditam que estão sendo direcionadas ao país por meio de outras nações.

No mês passado, o Departamento de Comércio dos EUA criou pesadas tarifas de importação contra produtos siderúrgicos do Vietnã que afirma se originarem na China. A medida atingiu o segundo maior destino de exportação da China, depois da Coreia do Sul.
“Está cada vez mais aparente que as oportunidades de exportação para a China estão se tornando limitadas”, disse Chris Jackson, analista da consultoria britânica MEPS International.

Apesar de as exportações chinesas de aço terem atingido pico em oito meses em abril, os embarques acumulados dos primeiros quatro meses do ano caíram 20%, recuando 2,5% em valor.

As exportações da China para os principais mercados, incluindo Vietnã e Coreia do Sul, caíram dois dígitos desde o ano passado, refletindo um ambiente competitivo mais duro gerado por rivais como a Rússia. Tarifas antidumping criadas por compradores do sudeste asiático como Tailândia, Vietnã, Indonésia e Malásia sobre exportações de aço da China também pressionaram as vendas externas da liga produzida no país.

“O mercado do sudeste asiático está ficando lotado. Mais e mais pessoas estão buscando novos mercados, especialmente em países sul-americanos e da África”, disse Steven Yue, diretor comercial na Hebei Huayang Pipeline, uma exportadora de tubos de aço na China. “Planejamos trabalhar mais duro para desenvolvermos mercados sul-americanos e africanos a partir do segundo semestre deste ano”, acrescentou.

Leia também:
Chineses podem perder mercados tradicionais

Mercados em alta -
A América do Sul e a África foram responsáveis por 8% das exportações chinesas de aço no ano passado e os embarques para alguns países desses continentes dispararam este ano.

Exportações para a Nigéria, maior economia da África e maior compradora de aço da China, subiram 15% no primeiro trimestre, e os embarques para a Argélia, quarta maior economia do continente, quase triplicaram.

Na América do Sul, as exportações de aço da China para o Brasil subiram 40% e cresceram quase dez vezes para a Bolívia, segundo dados da empresa de acompanhamento MEPS.
Em relação à Ásia, há menos países na América do Sul e na África com tarifas antidumping e medidas de salvaguarda contra produtos siderúrgicos chineses, incluindo Brasil, Colômbia, Chile e África do Sul, segundo dados da Organização Mundial de Comércio.

Em janeiro, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) do Brasil decidiu não aplicar imediatamente medidas antidumping, como sobretaxas contra a importação de aços laminados a quente de quatro grandes grupos siderúrgicos da China e um da Rússia. Em maio, a Camex também decidiu não aplicar de imediato medidas compensatórias sobre importações de aços planos da China.

As exportações de aço da China caíram de um recorde de 112,4 milhões de toneladas em 2015 para 75,4 milhões de toneladas no ano passado, em parte apoiadas em medidas do país para aumento da demanda interna.

Apesar disso, a Associação de Ferro e Aço da China (Cisa) afirma que o impacto da disputa comercial entre EUA e China sobre as exportações siderúrgicas chinesas “não deve ser subestimado”.

“Se as exportações caírem de novo este ano, então os produtos siderúrgicos vão fluir para o mercado doméstico e isso vai piorar a situação em nosso próprio mercado”, disse a Cisa, no mês passado.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
Crise argentina prejudica acerto de acordo entre blocos
Fragilidade de país vizinho vem desestabilizando negociações comerciais
18/08/2018
Pentágono diz que China treina para atacar os EUA
Washington - Os militares da China ampliaram suas operações de bombardeiros nos últimos anos, porque “provavelmente estão treinando para atacar” os Estados...
17/08/2018
China e EUA acertam rodada de negociações para o fim deste mês
Reunião pode significar progresso na solução de conflito
17/08/2018
Itália e UE trocam acusações por queda de ponte
Roma - A atribuição de culpa alheia pelo colapso fatal da ponte Morandi, na Itália, se intensificou ontem com autoridades italianas e da União Europeia (UE) buscando...
15/08/2018
EUA ameaça com novas sanções e Turquia promete retaliar
Pressão americana é para que turcos libertem pastor
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.