Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Internacional

11/10/2017

China: país é o mais atrativo para se investir em energia limpa

Reuters
Email
A-   A+
Londres - A China é o país mais atrativo para investimentos em energia renovável no mundo, de acordo com um ranking da consultoria EY divulgado ontem.

A Índia fica em segundo lugar na lista, que inclui 40 mercados, mas o país tem visto crescerem riscos de perder essa posição após o cancelamento de contratos eólicos e reduções de tarifas, segundo o relatório da EY.

Os Estados Unidos estão em terceiro lugar, devido ao retrocesso em algumas políticas de mudanças climáticas e a uma conclusão preliminar da Comissão Internacional de Comércio dos EUA de que as crescentes importações de painéis solares pelo país podem prejudicar o mercado doméstico.

Sem regulação - O chefe da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) disse na segunda-feira que vai assinar uma proposta para que o país deixe um plano de energia limpa (Clean Power Plan) lançado pelo ex-presidente Barack Obama, a principal regulação do país para combater as mudanças climáticas.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
UE vai insistir em acordo com o Mercosul
Conversas serão mantidas, apesar das reservas da França em relação às importações agrícolas
21/10/2017
China prepara emissão de bônus em dólar
Pequim - A China selecionou dez bancos, incluindo quatro estrangeiros, para coordenar uma emissão de bônus denominado em dólares no valor de US$ 2 bilhões, que...
21/10/2017
Trump anuncia três candidatos para assumir o Fed
Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que tem três candidatos preferidos para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) a partir de...
21/10/2017
Setor imobiliário está desacelerando neste ano
Pequim - A China registrou um crescimento econômico relativamente sólido no terceiro trimestre impulsionado por uma atividade de serviços mais forte, embora haja sinais de...
20/10/2017
Brasil seria país mais alinhado para conquistar vaga na OCDE
Adesão foi solicitada em junho, mas aprovação pode levar 4 anos
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.