Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

DC Turismo

16/12/2017

Cidades do interior investem em festas

Municípios de pequeno porte apostam nas comemorações para atrair visitantes e agradar moradores
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Fogos de artifícios e shows de bandas locais estão entre as atrações no interior do Estado/Pixabay/Divulgação
A queima de fogos e os shows em espaços públicos no Réveillon não são privilégios das grandes cidades. No interior de Minas Gerais, muitas pequenas cidades, com economia baseada nas atividades agropecuárias se esmeram em oferecer para moradores e visitantes uma programação voltada para as famílias e que contemplem música de qualidade, alegria e boa comida.

É certo que as dificuldades econômicas que assombram quase todos os municípios brasileiros fizeram com que várias festas fossem canceladas e outras se tornassem mais modestas, porém, quem visitar o Estado ou voltar para a terra natal poderá se divertir e conhecer um pouco das tradições mineiras sem gastar com ingressos ou fazer grandes investimentos.

Em Leandro Ferreira, na região Centro-Oeste, a realização da festa de Réveillon é esperada com ansiedade. A queima de fogos e a apresentação de bandas locais volta a ser realizada depois de alguns anos de interrupção. De acordo com a dirigente do Departamento de Educação, Cultura, Esporte, Lazer e Turismo de Leandro Ferreira, Maria Auxiliadora de Souza, a festa é uma oportunidade para que turistas conheçam as belezas da cidade, de 3 mil habitantes, que faz parte do Circuito Verde - Trilha dos Bandeirantes.

“A cidade fica bastante cheia nessa época. Percebemos pelo movimento no comércio. Aos poucos temos despertado a nossa vocação turística, especialmente no turismo religioso.

Leandro Ferreira guarda os restos mortais de Padre Libério, que está em processo de beatificação no Vaticano. São vários eventos ao longo do ano ligados à memória dele. A cavalgada que acontece em honra ao nascimento do padre, em junho, reúne cerca de 10 mil pessoas. Os romeiros que vêm para as celebrações referentes à data de morte, em 22 de dezembro, se juntam aos que vêm para as festividades de fim de ano”, explica Maria Auxiliadora de Souza.

No Sul de Minas, Luminárias, que faz parte do Circuito Turístico Vale Verde – Quedas D’água, deve ter a população acrescida em 50% durante a festa de passagem de ano, pulando de 5,8 mil habitantes, para 8,7 mil pessoas, lotando as pousadas e dando uma nova dinâmica ao comércio de modo geral. Foram investidos R$ 20 mil na realização do evento.

O município, que tem a base da economia na agropecuária e na extração de quartzito, tem no patrimônio natural bem preservado, com cachoeiras, picos e grutas o maior atrativo turístico. Segundo o secretário de Turismo e Cultura de Luminárias, Lincoln Daniel de Souza, a cidade é vocacionada para o turismo e a população tem percebido a atividade como uma oportunidade de diversificação da base econômica de toda a região.

“Temos como ponto forte o ecoturismo e os eventos. Estamos trabalhando as festas para que atraiam pessoas de outras cidades. O turismo é um setor que arrecada de forma descentralizada. O viajante gasta pequenas quantias em vários lugares ao longo do dia. Isso fomenta o desenvolvimento. Hoje Luminárias já oferece boas opções de hospedagem e alimentação. Trabalhamos para tornar o turismo uma das nossas forças na economia”, afirma Souza

Zona da Mata - A apresentação de artistas locais e o brilho dos fogos também devem iluminar a noite de quem se dirigir à praça principal de São Francisco do Glória, na Zona da Mata. 20% dos 5 mil habitantes devem comparecer ao evento e se juntar aos visitantes que começam a descobrir o turismo de experiência na cidade, especialmente ligado à produção de café e peixes ornamentais.

O diretor de Patrimônio Cultural de São Francisco do Glória, Rayque de Oliveira Lanes, observa que a festa não é exatamente para atrair turistas, mas sim para ser uma opção que agrade moradores e visitantes e seja capaz de deixar boas lembranças. “Somos um município pequeno, sem muitos recursos. Não inventamos um evento fora da nossa realidade, buscamos fazer algo bem-feito que agrade a todos. Temos trabalhado na política pública para o turismo no intuito de fomentar o segmento. Algumas propriedades já estão abrindo as portas para os visitantes. Aos poucos os nossos meios de hospedagem também estão ficando mais qualificados”, pontua Lanes.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Trade turístico contrata temporários e intermitentes
Só a Gi Group Brasil fechou 2017 com mais de 5 mil recolocações
20/01/2018
Grutas da Rota Peter Lund ganham nova iluminação
A pré-história de Minas Gerais já pode ser vista sob um novo olhar. As grutas da Rota Lund, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), ganharam novo projeto de...
13/01/2018
12 municípios ganham "portais de entrada"
Convênios, no valor de R$ 360 mil, têm como foco incentivar o turismo, transmitindo boas-vindas a quem chega
13/01/2018
Grupo Rio Quente, controlado pela Algar, conclui aquisição da Costa do Sauípe
O Grupo Rio Quente, que administra o complexo turístico Rio Quente, na cidade de mesmo nome, em Goiás - pertencente à holding Algar, sediada em Uberlândia, no...
06/01/2018
Codemig assume Thermas Antônio Carlos
Expectativa é de que o empreendimento possa ser concedido para exploração pela iniciativa privada
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.