Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

DC Mais

09/09/2014

Comissão vai convocar empresas

Email
A-   A+
A Comissão Nacional da Verdade anunciou ontem que vai convocar empresas que colaboraram com a ditadura militar (1964-85) para prestarem esclarecimentos.

Um dos focos de investigação do grupo, a colaboração de companhias nacionais e estrangeiras com a repressão será tema de uma audiência que deve ser realizada no próximo mês, segundo a advogada Rosa Cardoso, uma das comissárias.

"Ainda vamos estudar as várias formas de responsabilização dessas empresas, mas há tratados e entendimentos internacionais que dizem que, em situações como a da ditadura brasileira, a responsabilização das empresas e dos empresários não pode ser esquecida", ressaltou Cardoso.

Dezenas de companhias, nacionais e estrangeiras, ajudaram os órgãos da repressão denunciando trabalhadores engajados na resistência e repassando informações sobre a atuação deles, sobretudo nos sindicatos, entre o final dos anos 1970 e o início da década de 1980. Há casos de companhias que repassaram fichas funcionais dos empregados aos órgãos de segurança.

Com a ajuda de similares municipais e estaduais ou com foco no setor sindical, a Comissão Nacional da Verdade já tem uma lista inicial de pelo menos 20 empresas que constam em documentos dos órgãos de repressão como colaboradoras. São elas: Monark, Caterpillar, Confab, Engesa, Embraer, Avibras, Rhodia, Ford, Ericsson, FNV, General Motors, Petrobras, Johnson, Kodak, Philips, Telesp, Villares, Embrape, Vibasa e Volkswagen.

Leia também

José Maria Alkmim, um mineiro na vice-presidência da República
Curtas CD Mais 20/01
Agenda Cultural 20/01
Presidente da EMC é vítima fatal da febre amarela em MG
Curtas DC Mais 19/01

Recusa - Convocado para depor nesta segunda-feira (8) na Comissão Nacional da Verdade para tratar do período da ditadura militar (1964-1985), o tenente da reserva José Conegundes do Nascimento respondeu que não iria comparecer porque "não (colaborava) com o inimigo". Em resposta escrita, Conegundes afirmou ainda para os integrantes da Comissão: "se virem".

Conegundes combateu esquerdistas na Guerrilha do Araguaia (1972-1974), implantada pelo PC do B com o objetivo de formar, com a infiltração gradual de militantes armados e integrados à comunidade local, uma área militarizada na região que hoje abrange o norte do Tocantins e o sudeste do Pará.

Ele era um dos cinco militares esperados na Comissão da Verdade em depoimentos marcados para esta segunda. Três apresentaram atestados médicos, incluindo o coronel da reserva Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos chefes da repressão aos esquerdistas na Guerrilha do Araguaia. (FP)





Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
José Maria Alkmim, um mineiro na vice-presidência da República
Formado em Jornalismo pela PUC Minas, em 1995, tive como colegas de turma profissionais que hoje honram a sua geração, como Adriana Costa Muls, Alessandra Melo, Fred Melo Paiva,...
20/01/2018
Curtas CD Mais 20/01
Cidade do Circo O governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), anuncia R$ 200 mil para implantação do projeto “Cidade do Circo“,...
20/01/2018
Agenda Cultural 20/01
Orquestra Atípica de Lhamas Single - O ano chegou a plenos vapores para a Orquestra Atípica de Lhamas. Depois de dividir o palco com a cantora Maria Alcina, lotando o Grande...
19/01/2018
Presidente da EMC é vítima fatal da febre amarela em MG
O presidente da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), Flávio Henrique Alves de Oliveira, de 49 anos, morreu às 7h30 de ontem, em Belo Horizonte. Músico, produtor...
19/01/2018
Curtas DC Mais 19/01
Prevenção no Inhotim A partir de terça-feira (23), visitantes devem apresentar o cartão de vacinação ao entrar no Instituto Inhotim (Rua B, 20,...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.