Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

DMEP - Cegueira das Organizações

11/10/2017

Como vender a minha empresa? - Parte 3

Flávio de Aguiar Araújo*
Email
A-   A+
Nesta série de ensaios sobre “Como vender a minha empresa”, publicados em 13/06/2017 e 16/08/2017, abordamos passos importantes sobre quando estamos preparando empresas para serem vendidas, parcial ou totalmente, além de falar sobre os principais documentos que são utilizados ao longo do processo. Neste ensaio vamos focar em um aspecto muito relevante para o processo de negociação, o motivo da venda da empresa.

A venda do negócio pode ser motivada por diversos fatores, aqui vamos destacar três: vender todo o negócio para desinvestir saindo totalmente do negócio; captar recursos para crescer; ou participar de um movimento de consolidação se tornando parte de uma empresa maior.

No primeiro caso, venda de todo o negócio visando desinvestir e sair do negócio, é bem provável que os investidores interessados neste tipo de transação já conheçam o mercado e/ou tenham uma estratégia onde esta aquisição faça sentido. É o que chamamos de investidor estratégico, que adquire o negócio pois o mesmo agrega um diferencial competitivo ou porque está consolidando um mercado. É o caso da aquisição realizada nos anos 2000 da Sucos Mais pela Coca-Cola. Este é um caso típico onde a negociação é conduzida com investidores que reúnem um bom conhecimento daquele mercado e que já sabem ou vão procurar entender todas as variáveis que afetam o valor do negócio, especialmente considerando os dados históricos e diferenciais competitivos já demonstrados pelo negócio.

Já quando o motivo da venda é captar recursos para crescer a situação muda um pouco. O investidor precisará entender o plano de crescimento do negócio e qual a capacidade do empreendedor e de sua equipe em executar. Nesta situação geralmente o investidor é um fundo de investimento ou até mesmo um investidor qualificado com maior propensão ao risco. O foco da negociação não estará tanto no histórico, mas principalmente nas perspectivas de crescimento do negócio e no planejamento. A negociação será conduzida muito no sentido de demonstrar uma visão clara de crescimento e de ressaltar a capacidade de execução da equipe. Um exemplo é o investimento realizado em 2017 pelo fundo Criatec 2 na Epitrack, empresa especializada em epidemiologia e que desenvolve soluções de tecnologia da informação para o setor de saúde.

Por fim, quando o motivo da venda é participar de uma consolidação se tornando parte de uma empresa maior, será uma típica situação que combina os dois primeiros motivos descritos acima. Ao mesmo tempo em que o objetivo é adquirir o controle do negócio, em muitos casos em até 100%, também envolve investimentos posteriores e uma estratégia de crescimento. Processos de consolidação de mercado geralmente são conduzidos por investidores estratégicos em conjunto com gestores de recursos através de fundos de investimento. No processo de consolidação é importante ter um planejamento e também a capacidade de investimento para realizar as aquisições. Um exemplo é o caso que temos acompanhado no setor de saúde onde o Pátria vem realizando um processo de consolidação de clínicas e hospitais de olhos. Nestas situações a negociação terá características que podem ser um misto das situações acima.

Com podemos observar o motivo da venda da empresa influencia não só no perfil do investidor, mas também em quais variáveis e informações são mais relevantes no processo de negociação.

*Sócio-diretor da DMEP

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

06/02/2018
Estratégia setorial como indução do crescimento da cadeia de produção
O último ensaio publicado em 27 dezembro de 2017 trouxe para discussão o tema gestão da cadeia de suprimentos, destacando a importância das empresas identificarem o seu...
30/01/2018
Como vender a minha empresa? Parte 5
Nas edições anteriores desta série de ensaios sobre “Como vender a minha empresa”, publicados entre junho e dezembro de 2017 , abordamos passos importantes...
23/01/2018
Corporate venture - utopia ou caminho possível?
No ensaio publicado em 28/11/2017 discutimos um pouco sobre os conceitos básicos de corporate venture. Definimos que esta abordagem nada mais é que a estruturação...
16/01/2018
Matriz Ansoff: posicionamento estratégico guiado pelos vetores mercado e produto
Investigar o êxito de empreendimentos especiais e definir modelos que explicam seu sucesso são desafios enfrentados por empreendedores e cientistas organizacionais há anos....
09/01/2018
Desvendando o BSC - Parte 1: gerar valor ou estruturar competências?
O método BSC ou Balanced Scorecard é bastante difundido e utilizado pelas empresas para conduzir seu planejamento estratégico. Mas nossa experiência junto a diferentes...
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Sondagem revela retomada do otimismo na construção civil
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.