Publicidade
26/07/2017
Login
Entrar

Economia

17/02/2017

Confiança da indústria mineira registra alta

Icei é o maior desde maio de 2013
Gabriela Pedroso
Email
A-   A+
Percepção dos empresários em relação ao ambiente de negócios evoluiu/Divulgação
Após um longo período com a confiança em baixa em função das crises econômica e política do País, o ano de 2017 parece começar a consolidar o otimismo que vinha faltando à indústria mineira. Em fevereiro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) de Minas Gerais subiu 3,9 pontos e fechou em 53,3 pontos, apontando satisfação por parte do setor. O valor foi o maior apurado desde maio de 2013. No Brasil, o índice ficou em 53,1 pontos.

Na comparação com os últimos três anos, 2017 já apresenta o melhor início de ano em termos de confiança da indústria local, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), responsável pela elaboração do indicador. O sentimento de maior credibilidade apurado entre os empresários das grandes e médias empresas ajuda a explicar a evolução do Icei.

A economista da Fiemg, Annelise Fonseca, avalia que o otimismo é reflexo das medidas que vêm sendo adotadas pelo governo federal na tentativa de impulsionar a retomada do crescimento econômico do País. As ações, na percepção da especialista, têm influenciado no componente de expectativas, que apontou satisfação pelo segundo mês consecutivo (56,6 pontos) e alavancou a confiança da indústria em fevereiro. Na pesquisa, os índices variam de 0 a 100 pontos, sendo que valores acima de 50 pontos indicam empresários otimistas e abaixo pessimistas.

Entre os principais estímulos econômicos, Annelise cita a queda da inflação, os cortes efetuados na taxa básica de juros – Selic –, além do encaminhamento de propostas de reformas, como a da Previdência e a trabalhista, ao Poder Legislativo.

“Apesar de não perguntarmos na pesquisa a motivação, podemos dizer que o que pode ter influenciado para que o índice de expectativas fosse positivo foram as reduções recentes na taxa Selic, a ancoragem da inflação, agora estabilizada próximo da meta, e as propostas de reforma que já estão no Congresso. Esses três fatores podem estar influenciando para dar mais confiança ao empresário”, analisa a economista.

Os empresários se mostram com boas expectativas para os próximos seis meses tanto em relação à própria empresa (58,7 pontos) quanto à economia nacional (54,0 pontos). No que diz respeito à economia mineira (49,5 pontos), o indicador registrado ainda sinaliza cautela por parte do setor. Na análise por porte, todas as indústrias apresentam-se otimistas, com destaque para as grandes (59,2 pontos).

O outro componente do Icei, o indicador de condições atuais de negócio, ainda permaneceu em patamar pessimista em fevereiro, com 45,6 pontos, mas, no confronto com janeiro, teve considerável alta de 4,2 pontos. A percepção dos empresários em relação ao ambiente de negócios registrou evolução em todos os aspectos: economia brasileira (44,7 pontos), economia do Estado (40,1 pontos) e empresa (47,0 pontos).

Leia também
Indicador do CNI já sinaliza um otimismo
Fiesp aponta criação de 6,5 mil vagas


Cautela - A economista da Fiemg adota cautela ao comentar a melhora dos indicadores e pondera que, até mesmo pelo comportamento do Icei nos últimos meses, ainda não dá para se afirmar que há uma retomada da confiança no Estado.

“Como o Icei ficou bem oscilante nos últimos meses, ainda acho arriscado falar em retomada da confiança. Vamos dizer que em fevereiro os empresários mostraram confiança, mas não posso dizer que isso é uma tendência. De fato, o indicador é positivo, mas a gente ainda não pode dizer se ele vai se sustentar diante do histórico de oscilações”, destaca.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/07/2017
MRV planeja atingir marca de 500 mil unidades em 10 anos
Meta da empresa é chegar à 2ª posição mundial
26/07/2017
Cemig se esforça para impedir leilão de suas usinas
A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) não está medindo esforços para impedir que suas usinas sejam leiloadas pelo governo federal. Depois de reunir com a...
26/07/2017
AGU rebate argumentos de juiz do DF
Grace Mendonça disse que o governo vai recorrer da liminar que suspendeu decreto que elevou o PIS/Cofins
26/07/2017
TCU adverte Dyogo Oliveira sobre meta fiscal
Brasília - Em meio a questionamentos sobre a capacidade da área econômica de entregar a meta fiscal deste ano, de déficit de R$ 139 bilhões, o ministro do...
26/07/2017
Temer não considera a possibilidade de mexer no déficit deste ano
Brasília e São Paulo - Apesar da dificuldade do governo para fechar as contas, o presidente Michel Temer não admite a possibilidade de mexer na meta do déficit...
› últimas notícias
MRV planeja atingir marca de 500 mil unidades em 10 anos
Cemig se esforça para impedir leilão de suas usinas
AGU rebate argumentos de juiz do DF
TCU adverte Dyogo Oliveira sobre meta fiscal
Temer não considera a possibilidade de mexer no déficit deste ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Mineração: Setor ganha hoje novo marco regulatório
Drogarias e cosméticos têm expansão em BH
Festival apresentará iguarias de sete regiões do Estado
Precon recebe certificação inédita no País
MRV planeja atingir marca de 500 mil unidades em 10 anos
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC RH
Reforma 'é benéfica', avaliam especialistas
'Jornada intermitente é polêmica'
10 mudanças importantes para o mercado
Gestão de carreira: Cuidar da imagem pessoal abre oportunidades
TI e RH: entenda os benefícios dessa união
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


26 de July de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.