Publicidade
24/07/2017
Login
Entrar

Internacional

16/03/2017

Confiança faz Fed aumentar juros

Decisão de elevar meta em 0,25 ponto percentual, para faixa de 0,75% e 1%, era esperada
Email
A-   A+
Janet Yellen, chair do banco central dos EUA, ao centro, permanece no cargo até 2018/Federal Reserve/Divulgação
Washington - O Federal Reserve elevou nessa quarta-feira (15) a taxa de juros dos Estados Unidos pela segunda vez em três meses, movimento impulsionado pelo crescimento econômico estável, ganhos de emprego fortes e confiança de que a inflação está subindo para o alvo do banco central norte-americano.

A decisão de elevar a meta de juros em 0,25 ponto percentual, para a faixa entre 0,75% e 1%, marca uma das decisões mais convincentes do Fed até agora no esforço de retornar a política monetária para uma posição mais normal.

O Fed também havia elevado os juros em 0,25 ponto em dezembro.

Entretanto, o comitê de política monetária do Fed não indicou qualquer plano de acelerar o ritmo do aperto monetário. Embora a inflação esteja «perto» da meta de 2% do Fed, o banco central destacou que a meta é “simétrica”, indicando uma possível disposição para permitir que os preços subam a um ritmo ligeiramente mais rápido.

Mais aumentos dos juros seriam apenas “graduais”, informou o Fed no comunicado, com as autoridades mantendo seu cenário de mais duas altas neste ano e três mais em 2018. O Fed elevou os juros uma vez em 2016.

O investimento empresarial “parece ter se firmado um pouco”, destacou o Fed em uma linguagem que reflete um senso mais forte do ímpeto da economia.

Novas previsões econômicas divulgadas com o comunicado mostraram pouca mudança em relação às de dezembro e deram poucas indicações de que o Fed tem uma visão clara de como as políticas da administração Trump podem impactar a economia em 2017 e depois.
“Com ajustes graduais na postura de política monetária, a atividade econômica vai se expandir a um ritmo moderado”, apontou o Fed, mantendo a linguagem que usou nos comunicados anteriores.

Leia também
Atividade industrial de Nova York cai
Estoques de petróleo do país recuam


Cenário benigno - Os mercados acionários ampliaram os ganhos e os rendimentos dos Treasuries caíram diante do cenário econômico benigno e a trajetória estável contínua dos aumentos dos juros sinalizada pelo Fed.

“Alivia alguns dos temores que tínhamos de que talvez o Fed iria elevar os juros mais rápido no futuro. Eles escolheram não sinalizar isso”, ponderou o chefe de investimentos do Commonwealth Financial Brad McMillan.

As projeções do Fed mostram expectativa de que a economia crescerá 2,1% em 2017, previsão inalterada sobre dezembro. A mediana para os juros no longo prazo, onde se julgaria que a política monetária tem efeito neutro sobre a economia, permaneceu em 3%.

A taxa de desemprego que as autoridades do Fed esperam até o fim do ano continuou em 4,5%, enquanto o núcleo da inflação foi estimado em 1,9% sobre 1,8% antes.

O aumento dos juros acontece em meio a uma melhora generalizada no cenário econômico mundial e uma noção entre as autoridades do banco central de que a economia dos EUA está perto das metas de emprego e inflação.

O presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, foi o único dissidente na decisão de ontem, afirmando que preferia manter os juros. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/07/2017
Acordo com a FAO objetiva proteger agricultura no bloco
Ao impulsionar ações contra a fome, pacto quer tonificar setor agrícola
22/07/2017
Tarifa de importação com a Colômbia vai a zero
Brasília - Mercosul e Colômbia assinaram na sexta-feira (21) um acordo que reduzirá a zero as tarifas de importação de 97% dos itens da pauta comercial a...
21/07/2017
Mais rigor na inspeção de voos para os EUA
Brasil está entre os 105 países cujos passageiros já têm suas bagagens de mão revistadas com cautela
20/07/2017
Chanceleres começam reunião hoje
hile, Peru, Equador, Colômbia, Suriname, Guiana e Bolívia,
20/07/2017
Incertezas políticas e eleições tornam avanço econômico da AL mais lento
Brasília - As economias latino-americanas provavelmente estão crescendo mais lentamente do que o esperado neste ano, diante das incertezas políticas antes de uma série...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.