Publicidade
21/10/2017
Login
Entrar

Negócios

12/10/2017

Conjunto da Pampulha já pode virar grife

TerraTile, a primeira a atender as exigências do edital, vai produzir - sob demanda - azulejos
Daniela Maciel
Email
A-   A+
A cerâmica, inspirada nos azulejos que adornam o Conjunto Arquitetônico, será produzida em pequenos volumes/Pedro Gontijo/Divulgação
A beleza e importância histórica do Conjunto Arquitetônico da Pampulha, reconhecidos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 2016, como Patrimônio Cultural da Humanidade, já pode se transformar em uma grife para uma série de produtos.

O primeiro que atendeu as exigências do edital de licenciamento do uso da marca Pampulha em breve poderá ser encontrado em casas, apartamentos e edificações públicas de todo o mundo: uma série de azulejos, desenvolvidos pelo designer Gustavo Greco e produzidas e comercializadas pela TerraTile.

A cerâmica, inspirada nos azulejos que adornam o Conjunto Arquitetônico, será produzida em pequenos volumes, sob encomenda, em Belo Horizonte. De acordo com o diretor da TerraTile, João Grillo, esse é um projeto que pretende revalorizar a tradição do uso dos azulejos como revestimento de fachada.

“O Gustavo (Greco) nos procurou porque sabia da nossa capacidade produtiva para pequenos volumes. Essa é uma proposta inteligente porque resgata um pouco da azulejaria que foi muito usada naquele período da Capital. A cidade pode usar mais isso na atualidade. Vamos agora fazer um trabalho de apresentação e sensibilização junto aos escritórios de arquitetura”, explica Grillo.

A TerraTile, instalada no Carmo, na região Centro-Sul, está no mercado há 32 anos, trabalhando com revestimentos de materiais diversos, selecionados em diferentes lugares. “Buscamos trabalhar com produtos que somem design e qualidade. Todo objeto que trabalha com o conceito de arte é feito para durar. Esse projeto cabe nesse conceito. O azulejo passou a ser usado nas fachadas no Brasil. Em Portugal só era usado internamente. Esse novo uso é uma invenção e uma contribuição brasileira que hoje é repetido em todo o mundo. Podemos reavivar essa tradição aqui em Minas”, avalia o empresário.

De acordo com o presidente da Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur), Aluizer Malab, o licenciamento da marca é um importante mecanismo de fomento ao setor, possibilitando maior projeção à marca da cidade, por meio da Pampulha. “Produtos comerciais com esta marca vão fortalecer ainda mais a imagem de Belo Horizonte, por meio de um dos nossos principais atrativos turísticos, o Conjunto Moderno da Pampulha. Além disso, gera negócios e fomenta a cadeia produtiva da cidade. Nossos atrativos têm muito potencial de exploração comercial. Licenciando nossas marcas, divulgamos e geramos receita através dos royalties. Temos muito a avançar neste sentido”, afirma Malab.

A marca poderá também ser utilizada em produtos de diversos segmentos como vestuário, calçadista e acessórios, materiais de escritório, souvenir, artigos para recreação, literário e impressos, eletrodomésticos e eletrônicos, bijuterias e joias, roupa de cama, mesa e banho, mobiliário e decoração, aplicativos e jogos eletrônicos, alimentos e bebidas, entre outros. A Marca Pampulha tem em seu conceito a relação das formas geométricas presentes em seus equipamentos e que compõem os três principais elementos do Conjunto Moderno: a arquitetura de Niemeyer, o paisagismo de Burle Marx e o espelho d’água da Lagoa da Pampulha. O resultado dessa integração foi a criação de uma tipografia, revelando a palavra Pampulha quando aplicada em conjunto, unindo arquitetura (quadrado), paisagismo (círculo) e espelho d’água (um quarto de círculo).

O edital será mantido aberto até o dia 29 de dezembro. Os interessados podem solicitar o documento pelo e-mail licitações.belotur@pbh.gov.br ou pessoalmente junto à Comissão Permanente de Licitação da Belotur (Rua da Bahia, 888, 6º andar).

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/10/2017
Empresários apostam em lojas temporárias
Casa Maia prevê vendas 30% maiores
21/10/2017
Alteração de cobrança do ISSQN gera polêmica
Para o prefeito, adequação traz benefícios para o município, como o ?aspecto espacial do imposto?
21/10/2017
Contagem sedia Semana da Economia Criativa
No Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Minas Gerais aparece em sétimo lugar...
21/10/2017
Congresso vai reunir mais de mil profissionais em BH
Minas Gerais possui 6.300 empresas do ramo
21/10/2017
Modelo não dispensa exigências legais
Ao contrário do que se imagina, as lojas temporárias não dispensam as exigências legais, segundo o especialista em legislação empresarial e analista do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.