Publicidade

DC Mais

11/01/2017

Consumo de tabaco custa mais de US$ 1 trilhão ao ano

Email
A-   A+
Brasília - As despesas de saúde e perda de produtividade econômica em decorrência do uso de tabaco podem custar aos países mais de US$ 1 trilhão por ano. O custo estimado supera amplamente as receitas globais com os impostos sobre o fumo que, segundo a OMS, foram de cerca de US$ 269 bilhões em 2013 e 2014. A informação foi divulgada ontem pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos da América (NCI), que elaboraram relatório que trata dos impactos do fumo na economia dos países e na saúde da população.

O documento mostra que, se ignorada, a indústria do tabaco traz enormes prejuízos ao sistema de saúde e às famílias. Atualmente, seis milhões de pessoas morrem prematuramente por ano em decorrência do fumo. A maioria das vítimas está em países em desenvolvimento. Em todo o mundo, 1,1 bilhão de fumantes têm até 15 anos de idade e 226 milhões são pobres.

Por outro lado, investimentos em políticas de controle do uso do tabaco, como aumento de preços e impostos, podem proteger as pessoas das doenças que mais matam no mundo (câncer e problemas cardíacos) e ainda ser para os governos uma fonte de receitas para saúde e desenvolvimento.

Marketing e impostos - De acordo com o estudo, se os países banissem o marketing que incentiva o uso do tabaco e aumentassem os impostos de cigarros em US$ 0,80 por pacote, poderiam gerar um aumento em suas receitas em 47% ou US$ 140 bilhões. O aumento das taxas elevaria em 42% os preços de venda dos cigarros e estimularia o declínio do hábito de fumar para pelo menos 66 milhões de fumantes adultos.

De acordo com o estudo, as mortes relacionadas ao tabagismo devem aumentar de 6 milhões para 8 milhões por ano em 2030. Mais de 80% das mortes devem ocorrer em países de baixa e média renda, onde vivem a maioria dos fumantes.

Segundo os especialistas, o tabaco é a maior causa evitável de morte no mundo, sendo responsável pelos casos de câncer e doenças do coração. Atualmente, 6 milhões de pessoas morrem por ano no mundo em função do cigarro.

“A indústria do tabaco produz e vende produtos que matam milhões de pessoas prematuramente, retira das famílias recursos que poderiam ser usados para comida e educação e impõe um imenso custo de saúde às famílias, comunidades e países”, considerou Oleg Chestnov, diretor da OMS. (ABr/AE)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

28/03/2017
CRCMG faz 70 anos focado em educação e interiorização
Ao completar 70 anos, o Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais (CRCMG) enfrenta os desafios de uma era de inovações tecnológicas aceleradas e da burocracia...
28/03/2017
Curtas DC MAIS
Reunião na ACMinas “Licenciamento ambiental, buscando soluções” é o tema do diálogo que o Conselho Empresarial de Sustentabilidade da ACMinas...
27/03/2017
Agenda Cultural
Livro Contos - Com quatro obras no currículo, Everaldo Chrispim lança a coletânea de contos “Como se Tudo Brilhasse”. As narrativas que compõem o...
25/03/2017
MG é 'campeão' na lista do trabalho escravo
São Paulo - Depois de meses de disputa judicial, o Ministério do Trabalho e Emprego divulgou a chamada “lista suja” do trabalho escravo, informa a coluna Direto da Fonte...
25/03/2017
Curtas DC MAIS
Porto de Antuérpia A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), por intermédio de seu Centro Internacional de Negócios, juntamente...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.