Publicidade
21/04/2018
Login
Entrar

DC Mais

11/01/2017

Consumo de tabaco custa mais de US$ 1 trilhão ao ano

Email
A-   A+
Brasília - As despesas de saúde e perda de produtividade econômica em decorrência do uso de tabaco podem custar aos países mais de US$ 1 trilhão por ano. O custo estimado supera amplamente as receitas globais com os impostos sobre o fumo que, segundo a OMS, foram de cerca de US$ 269 bilhões em 2013 e 2014. A informação foi divulgada ontem pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos da América (NCI), que elaboraram relatório que trata dos impactos do fumo na economia dos países e na saúde da população.

O documento mostra que, se ignorada, a indústria do tabaco traz enormes prejuízos ao sistema de saúde e às famílias. Atualmente, seis milhões de pessoas morrem prematuramente por ano em decorrência do fumo. A maioria das vítimas está em países em desenvolvimento. Em todo o mundo, 1,1 bilhão de fumantes têm até 15 anos de idade e 226 milhões são pobres.

Por outro lado, investimentos em políticas de controle do uso do tabaco, como aumento de preços e impostos, podem proteger as pessoas das doenças que mais matam no mundo (câncer e problemas cardíacos) e ainda ser para os governos uma fonte de receitas para saúde e desenvolvimento.

Marketing e impostos - De acordo com o estudo, se os países banissem o marketing que incentiva o uso do tabaco e aumentassem os impostos de cigarros em US$ 0,80 por pacote, poderiam gerar um aumento em suas receitas em 47% ou US$ 140 bilhões. O aumento das taxas elevaria em 42% os preços de venda dos cigarros e estimularia o declínio do hábito de fumar para pelo menos 66 milhões de fumantes adultos.

De acordo com o estudo, as mortes relacionadas ao tabagismo devem aumentar de 6 milhões para 8 milhões por ano em 2030. Mais de 80% das mortes devem ocorrer em países de baixa e média renda, onde vivem a maioria dos fumantes.

Segundo os especialistas, o tabaco é a maior causa evitável de morte no mundo, sendo responsável pelos casos de câncer e doenças do coração. Atualmente, 6 milhões de pessoas morrem por ano no mundo em função do cigarro.

“A indústria do tabaco produz e vende produtos que matam milhões de pessoas prematuramente, retira das famílias recursos que poderiam ser usados para comida e educação e impõe um imenso custo de saúde às famílias, comunidades e países”, considerou Oleg Chestnov, diretor da OMS. (ABr/AE)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/04/2018
Vacinação de 54,4 milhões contra a gripe começa 2ª
São Paulo - A partir de segunda-feira (23), postos de saúde de todo o País vão dar início à vacinação contra o vírus da gripe para...
21/04/2018
Curtas DC Mais 21/04
Presidência da FJFA O professor Emerson de Almeida, cofundador da Fundação Dom Cabral (FDC), é o novo presidente da Fundação José Fernandes de...
21/04/2018
Agenda Cultural 21/04
Comédia Personagens - No monólogo “Show Riso Jeca Brasil”, Leo Araújo interpreta sete personagens da cultura brasileira, com sotaques e trejeitos peculiares....
20/04/2018
A vida é aqui e agora, urge valorizar o presente
É impressionante como é difícil aceitar a morte, a única certeza que se tem na vida. Ela assusta, assombra, amedronta, intimida... É, no entanto, a...
20/04/2018
Curtas DC Mais 20/04
Minas Náutico O Pavilhão de Esportes e Eventos, com 19 mil metros quadrados, concretiza a segunda fase do Plano Diretor do Minas Náutico, controlado pelo Minas...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.