Publicidade
13/12/2017
Login
Entrar

Finanças

06/12/2017

Copom encerra hoje a reunião para decidir se cortará novamente a taxa básica de juros

ABr/AE
Email
A-   A+
Brasília - A última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) neste ano começou na manhã de ontem, com expectativa de redução da taxa básica de juros, a Selic. Hoje, será divulgada decisão da diretoria do BC.

A taxa básica de juros, a Selic, poderá chegar ao menor nível da história. Com a inflação mais baixa, a expectativa de instituições financeiras é que a taxa básica seja reduzida de 7,5% ao ano para 7% ao ano.

Se a expectativa se confirmar, será o décimo corte seguido na taxa básica. Em outubro, o Copom reduziu, por unanimidade, a Selic em 0,75 ponto percentual, de 8,25% ao ano para 7,5% ao ano. Com essa redução, a taxa se igualou ao nível de maio de 2013.

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano, no menor nível da história, e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015, patamar mantido nos meses seguintes. Somente em outubro do ano passado, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

A expectativa do mercado financeiro é que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), termine este ano em 3,03%, quase no piso da meta (3%). Essa meta tem como centro 4,5%. Para 2018, a previsão é que a inflação fique um pouco maior, mas ainda abaixo do centro da meta, em 4,02%.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustar a Selic para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, a tendência do Copom é baratear o crédito e incentivar a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Santander - O Santander vai reduzir as taxas de juros das suas principais linhas de crédito do varejo a partir da próxima segunda-feira, 11. O banco informou que a decisão está em linha com a expectativa do anúncio de redução da taxa básica de juros pelo Copom.

A taxa mínima do crédito pessoal cairá de 1,69% para 1,59% ao mês. Já a taxa mínima dos juros para financiamento de veículos será reduzida de 1,12% para 1,08% ao mês. No cheque especial, a taxa mínima passará de 2,29% ao mês para 2,25% ao mês. As condições valem para todos os canais de relacionamento do banco: Internet Banking, APP Santander, caixas eletrônicos e agências.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/12/2017
PIB do Brasil deve crescer acima do esperado neste ano
Entidades revisaram para cima suas projeções
12/12/2017
Cautela ainda dita o ritmo na bolsa de valores
São Paulo - A valorização de ativos no mercado externo foi essencial para a leve alta do Índice Bovespa ontem, que avançou 0,09%, aos 72.800,04 pontos....
12/12/2017
Inflação deverá ficar abaixo da meta
São Paulo - O mercado voltou a ver a inflação abaixo do piso da meta neste ano e ainda elevou a expectativa para o crescimento da economia, mostrou a pesquisa Focus do Banco...
12/12/2017
IGP-M avança 0,73% na 1ª semana
Rio - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,73% na primeira prévia de dezembro, após ter recuado 0,02% na primeira prévia de novembro. A...
08/12/2017
Indústria de fundos acumula patrimônio de R$ 4,1 trilhões
Resultado líquido reflete captação recorde em 2017, aponta Anbima
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.