Publicidade
16/01/2018
Login
Entrar

Finanças

13/01/2018

Corte do rating surte pouco efeito na bolsa

Índice Bovespa registrou leve recuo de 0,02% um dia após a S&P Global rebaixar a nota do Brasil
AE
Email
A-   A+
Bolsa paulista continuou acima dos 79 mil pontos e o giro financeiro somou R$ 9,2 bilhões no pregão de sexta-feira/Saulo Cruz/MME/Divulgação
São Paulo – O Ibovespa reagiu com um movimento contido de perdas ao rebaixamento da nota de crédito do Brasil. Além dos bons ventos externos, que parecem se perpetuar neste mês de janeiro, pesou favoravelmente na sexta-feira a força das ações de Petrobras e Vale, empresas que escaparam da má avaliação da S&P Global Ratings.

Prova de que o reflexo foi ameno, conforme já projetavam analistas ouvidos na quinta à noite pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, o índice à vista fechou praticamente estável em queda de 0,02%, mantendo o suporte dos 79 mil pontos, aos 79.349,11 pontos. E ainda encerrou a semana com ganhos de 0,35%. O giro financeiro, de R$ 9,2 bilhões, foi alto para a média de meses de janeiro.

“Hoje se a bolsa caísse 1,5% justificaria fácil porque, apesar de ter suportado muito bem durante boa parte do dia, a notícia sobre o rebaixamento não é nada favorável”, disse Marco Tulli Siqueira, gestor de renda variável da Coinvalores.

Durante o pregão, os papéis de Vale e Petrobras sustentaram alta, impedindo que o índice à vista aprofundasse as perdas. Segundo Siqueira, dois motivos contribuíram para esse suporte: o fluxo de recursos de investidores não-residentes, que já ingressaram com R$ 2,7 bilhões na B3 no acumulado de dez pregões, e o fato de a S&P não ter rebaixado as notas das duas companhias na esteira do downgrade soberano.

No setor financeiro ocorreu justamente o contrário. As ações dos bancos foram penalizadas de maneira generalizada uma vez que seus ratings foram reclassificados para baixo. Mas, ao final do pregão, apresentaram sinais mistos, com Banco do Brasil em alta de 0,23%, ItauUnibanco cedendo 0,09%%, Bradesco estável e as ‘units’ do Santander recuando 0,49%.

Para Roberto Indech, analista-chefe da Rico Investimentos, muito embora o mercado sempre repercuta com volatilidade as incertezas que envolvem a situação do País, neste momento, economia e política estão praticamente desconectadas. “Hoje vivemos um cenário de incertezas no campo político, mas, no econômico, estamos com crescimento contratado, inflação baixa e juros em queda”, disse. “Além disso, uma série de circunstâncias no ambiente global, que está bastante favorável, traz otimismo e tem impulsionado a bolsa aqui.”

Segundo ele, as incertezas que rondam o mercado agora estão bastante relacionadas ao que ocorrerá ao processo eleitoral brasileiro após o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dia 24 próximo.

Leia também:
ATG se prepara para competir com a B3 no País

Dólar -
Após rondar a estabilidade, o dólar firmou-se no campo negativo na reta final do pregão de sexta-feira, acompanhando a aceleração das perdas da moeda americana no exterior. A divisa chegou a ficar abaixo dos R$ 3,20, mas acabou fechando nesse patamar, o mais baixo em quase três meses, apesar da decisão da S&P Global Ratings de rebaixar o rating soberano do Brasil. Na avaliação de profissionais do mercado, além de esse rebaixamento já ser esperado, o corte da nota pode servir de pressão para que o Congresso Nacional aprove a reforma da Previdência ainda neste ano.

O dólar à vista fechou em baixa de 0,27%, a R$ 3,2068, no menor valor desde 20 de outubro de 2017 (R$ 3,1898). O giro foi de US$ 1,283 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,1998 (-0,49%) e na máxima, R$ 3,2295 (+0,43%). Na semana, acumulou perda de 0,83%.

No exterior, o dólar, que já vinha fraco, ampliou as perdas e o petróleo passou a subir mais com a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação ao acordo nuclear com o Irã. Apesar de se manter no tratado nuclear das potências mundiais com a república islâmica, a administração Trump impôs sanções contra autoridades e empresas ligadas a “violações de direitos humanos” no país, e também informou que vai trabalhar com autoridades europeias para modificar termos do acordo.

Quanto à decisão da S&P de rebaixar o rating brasileiro, a leitura é de que isso não afeta o interesse dos investidores pelo País. “O mercado está vendo melhora dos dados econômicos do País, as commodities passam por um bom momento, então vai atrás daquilo que é palpável”, avaliou Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Para José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, além de o rebaixamento já ter sido precificado pelos investidores, outra interpretação é de que a medida pode servir de pressão para que o Congresso aprove a reforma da Previdência neste ano. “Além disso, há as captações externas de empresas, e o humor externo é favorável ao real”, acrescentou.

Taxas de juros - A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou em 6,925%, ante 6,890% na quinta no ajuste e a do DI para janeiro de 2020 passou de 8,04% para 8,06%. A taxa do DI para janeiro de 2021 fechou em 8,89%, de 8,88% na quinta, e a do DI para janeiro de 2023 caiu de 9,69% para 9,64%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/01/2018
Indicadores econômicos impulsionam o Ibovespa
São Paulo - Sem o norte dado pelos mercados acionários de Wall Street, em razão do feriado de Martin Luther King, o Ibovespa navegou ao sabor das perspectivas mais...
16/01/2018
Inflação deve ficar em 3,95%
Brasília - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) do ano de 2018 deve ficar em 3,95%. A projeção é de...
16/01/2018
Indicador da Serasa aponta crescimento na economia
São Paulo - O indicador de atividade econômica da Serasa Experian, calculado mensalmente, registrou crescimento de 2,1% em novembro ante igual mês do ano anterior, mostra...
16/01/2018
"Prévia do PIB" tem alta de 0,49%
IBC-Br ganhou força em novembro do ano passado, de acordo com o Banco Central
13/01/2018
Fundos não poderão investir em criptomoedas
São Paulo - As criptomoedas, que hoje estão na carteira de muitos investidores, não poderão constar no portfólio dos fundos de investimento, conforme...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.