19/07/2018
Login
Entrar




Finanças

12/07/2018

CPI dos Cartões de Crédito aprova relatório final

Parecer sugere melhorias ao setor
Agência Estado
Email
A-   A+
Documento propõe, entre outros, mudança na forma como é cobrado atualmente o cheque especial e o crédito rotativo/MARCOS SANTOS / USP IMAGENS
Brasília - A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões de Crédito no Senado aprovou ontem, em votação simbólica, o relatório final do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). O relatório traz uma série de sugestões ao Banco Central (BC) e ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para aperfeiçoar o setor, fomentar a concorrência e reduzir os custos ao consumidor final.

Entre as medidas sugeridas no relatório de Bezerra Coelho estão a transformação de recebíveis em títulos negociáveis dentro e fora do mercado financeiro e a alteração da forma de cobrança do cheque especial.

Atualmente, um estabelecimento comercial, ao fazer a venda via cartão, recebe o pagamento cerca de 30 dias após a transação. A proposta, conforme o relatório, é que o recebível se transforme em ativo financeiro, que possa ser transacionado em qualquer mercado e não apenas no financeiro.

“Dessa forma, os lojistas poderiam, por exemplo, oferecer os recebíveis em garantia para fornecedores ou vender os títulos para fundos de direito creditório”, registra o relatório. Com o documento aprovado pela comissão, uma proposta que autoriza a transação desses títulos, anexada ao documento, deve passar a ser projeto de lei da comissão.

Cheque especial - No caso do cheque especial, o relatório sugere a alteração da cobrança atual, que corresponde a um percentual sobre o saldo negativo, para uma combinação de tarifa fixa e montante variável, proporcional ao valor do empréstimo.

O relatório de Bezerra Coelho, que consolida uma série de sugestões apresentadas por senadores ao longo dos trabalhos da CPI, também sugere a cobrança de uma combinação de tarifa fixa e juros no caso do crédito rotativo. No Brasil, a cobrança é apenas de juros sobre o montante devido.

“É prática comum em outras jurisdições, como Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia e outras, a cobrança de tarifa de abertura de crédito rotativo quando não é pago o valor mínimo exigido da fatura”, pontuou o relatório. “Como no Brasil essa prática não é comum, a comparação internacional entre as taxas de juros praticadas nas operações com cartão de crédito e cheque especial é dificultada”.

Há recomendações ainda para que o BC imponha um teto para a tarifa de intercâmbio na função crédito e para a autoridade monetária e o Cade estudarem medidas de desverticalização do mercado.

“A verticalização do mercado de cartões, com os maiores bancos se tornando importantes emissores e controladores de adquirentes e bandeiras permite que se crie uma série de subsídios cruzados, distorcendo os preços relevantes (tarifa de intercâmbio, tarifa de desconto, anuidade dos cartões, etc), com o objetivo de afastar a concorrência”, registrou o relatório.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/07/2018
Operações devem desacelerar antes da eleição
Para bancos, volatilidade do mercado e incertezas quanto à economia nacional vão afetar geração de negócios
19/07/2018
Ibovespa interrompe avanço e volta a fechar em baixa; dólar tem nova queda
São Paulo – O Ibovespa encerrou em baixa ontem, após quatro altas seguidas, pressionado principalmente pelo declínio das ações de bancos e da Ambev,...
19/07/2018
CVM suspende negociações de fundo imobiliário por suspeita de fraude
Rio de Janeiro - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) suspendeu a negociação de cotas do Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Mérito...
18/07/2018
Itaú entra na disputa no micronegócio
Com POP Credicard, banco espera atingir segmento com grande potencial de expansão
18/07/2018
Toro lança corretora própria e inova no mercado
São Paulo - Depois de receber uma injeção de capital de R$ 46 milhões no ano passado, com a venda de uma fatia minoritária, a Toro Investimentos lançou...
› últimas notícias
Indústria pode recorrer à Justiça por repasse de verbas
Antecipação do abono anima CDL-BH
Em Minas, setor automotivo espera impulso com o Rota 2030
PBH cumpre 1ª etapa de auditoria
Demanda por cães de guarda cresce em BH
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.