Publicidade
21/01/2018
Login
Entrar

DC Turismo

22/07/2017

Crianças ganham espaço vip no Mercado Central

Com um investimento de R$ 400 mil, o espaço foi montado no estacionamento do prédio para atender a demanda dos clientes que vão ao mercado acompanhado dos filhos
Thaíne Belissa
Email
A-   A+
Expectativa dos sócios é de que o Mercado Kids fature R$ 1 milhão nos primeiros 12 meses/Giovani Bessa/ Divulgação
Um dos pontos turísticos mais importantes da Capital, o Mercado Central de Belo Horizonte inaugura, neste sábado, o Mercado Kids, espaço voltado para recreação de crianças. Com um investimento de R$ 400 mil, o espaço foi montado no estacionamento do prédio para atender a demanda dos clientes que vão ao mercado acompanhado dos filhos e não encontram opções de entretenimento para as crianças. Além da recreação, o espaço ainda oferece uma área para comemoração de aniversários, que estará a disposição do público fora do horário de funcionamento do Mercado. A expectativa dos sócios é de que o Mercado Kids fature R$ 1 milhão nos primeiros 12 meses.

Um dos sócios do empreendimento, William Araújo, afirma que a demanda de espaços de lazer para as crianças no Mercado Central foi comprovada por uma pesquisa realizada com os clientes. O levantamento mostrou que 75% dos pais e responsáveis que vão ao local levam os filhos. Ao todo, o Mercado recebe 3 milhões de pessoas por mês, sendo que 20 mil são crianças. “Os pais e responsáveis levavam as crianças, mas eles não encontravam espaços de lazer apropriados para elas. Agora com o Mercado Kids os adultos terão mais tranquilidade e facilidade para fazer compras”, afirma. O espaço foi aberto sexta-feira para teste, mas a inauguração oficial é neste sábado.

De acordo com ele, o espaço foi montado no estacionamento em uma área de 300 metros quadrados. O investimento de R$ 400 mil foi aplicado na obra e na compra de mais de 20 brinquedos. Segundo Araújo, o espaço tem um conceito bem diversificado, que abrange as brincadeiras tradicionais e também o moderno, com brinquedos eletrônicos. Entre os brinquedos de destaque está o Hug Me, que é educativo e ajuda as crianças de até cinco anos a aprender inglês.

O Mercado Kids é aberto para crianças de até 14 anos, mas a presença de um responsável é exigida no caso de crianças de até 3 anos. Ao todo, são 10 monitoras que ficam o tempo todo com as crianças. Na entrada, cada criança recebe uma pulseira com identificação por radiofrequência e com os dados dos responsáveis. O espaço cobra de acordo com o tempo de permanência da criança, sendo R$ 10 por 15 minutos, R$ 20 por 30 minutos e R$ 30 por uma hora. Até o fim do ano, os pais que forem ao Mercado para uma compra rápida e permanecerem, no máximo, 15 minutos no estabelecimento, ganharão um passe-livre.

A expectativa do sócio é receber cerca de 2 mil crianças por mês, com um tíquete médio de R$ 35 a R$ 40. Além disso, o espaço também receberá grupos escolares. Segundo ele, o Mercado Central já recebe visitas de escolas, que levam seus alunos para conhecer o centro turístico de Belo Horizonte. A partir de agora, elas terão a chance de oferecer um tempo de lazer no Mercado Kids. “Normalmente as crianças vêm, assistem a um vídeo institucional e passeiam pelos corredores do Mercado. Agora elas também podem passar um período no Mercado Kids, onde vamos oferecer atividades educativas direcionadas para esse público”, diz.

Aniversários - Outra fonte de receita prevista no Mercado Kids é o espaço “Castelo”. Trata-se de uma área para comemoração de aniversários para até 60 convidados. Segundo Araújo, o espaço tem potencial de ocupação só com a demanda dos próprios funcionários do Mercado Central. “Fizemos uma pesquisa interna e perguntamos se os lojistas aprovavam a construção de um espaço para comemoração de aniversários de crianças e pré-adolescentes. Descobrimos que 70% deles têm filhos ou netos entre 3 e 10 anos e que 70% dos lojistas aprovam o espaço”, disse.

A expectativa do empresário é de que, a partir de todos esses canais de receita, o Mercado Kids gere faturamento de R$ 1 milhão nos 12 primeiros meses de operação. Ele também destaca que o espaço será importante para o próprio Mercado, pois passará atrair famílias que deixavam de ir pela falta de lazer para crianças.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Trade turístico contrata temporários e intermitentes
Só a Gi Group Brasil fechou 2017 com mais de 5 mil recolocações
20/01/2018
Grutas da Rota Peter Lund ganham nova iluminação
A pré-história de Minas Gerais já pode ser vista sob um novo olhar. As grutas da Rota Lund, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), ganharam novo projeto de...
13/01/2018
12 municípios ganham "portais de entrada"
Convênios, no valor de R$ 360 mil, têm como foco incentivar o turismo, transmitindo boas-vindas a quem chega
13/01/2018
Grupo Rio Quente, controlado pela Algar, conclui aquisição da Costa do Sauípe
O Grupo Rio Quente, que administra o complexo turístico Rio Quente, na cidade de mesmo nome, em Goiás - pertencente à holding Algar, sediada em Uberlândia, no...
06/01/2018
Codemig assume Thermas Antônio Carlos
Expectativa é de que o empreendimento possa ser concedido para exploração pela iniciativa privada
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.