Publicidade
21/05/2018
Login
Entrar

Internacional

12/05/2018

Crise argentina pode impactar setor automotivo e investimentos no Brasil

AE
Email
A-   A+
São Paulo - A crise na Argentina pode ter impacto negativo no Brasil, mas a dimensão deve ser “limitada” e restrita a poucos setores, avalia o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita. “Acho que o impacto na economia brasileira é mais setorial, em cadeias produtivas que são integradas, notadamente no setor automotivo”, disse o ex-diretor do Banco Central, na sexta-feira (11), em conversa com jornalistas.

Mesquita ressalta que a economia do país vizinho começou o ano em um bom ritmo, melhor que o do Brasil. Uma eventual desaceleração da atividade argentina não será uma notícia boa para os setores em que há integração comercial maior com o Brasil, como o de veículos. “O sinal do impacto, claro que é negativo, mas de dimensão limitada e setorialmente concentrada”.

Fuga de investidores - As notícias negativas sobre a Argentina podem ainda ter outro impacto, o de fazer investidores estrangeiros retirarem recursos alocados em emergentes. “Isso nos afeta de forma indireta. Não é que o sujeito vai tirar dinheiro no Brasil porque a Argentina está ruim, com problemas. Todas as classes de ativos de emergentes sofrem quando você tem esse tipo de noticiário”, disse o economista do Itaú.

A pressão sobre o peso, o real e outras moedas de emergentes deve continuar pela frente, avalia o economista. A recente alta do dólar na economia mundial, observa ele, reflete as expectativas dos agentes sobre os rumos da política monetária dos Estados Unidos, de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) pode ter de elevar os juros mais vezes que o esperado.

“Como esse processo tende a prosseguir, podemos continuar a ver pressão em algumas moedas de emergentes, notadamente aquelas que têm desequilíbrios mais intensos no balanço de pagamentos”.

Na América Latina, a pressão maior tem sido sobre a Argentina justamente porque o país tem um dos níveis mais altos de déficit de conta corrente, de quase 5% do Produto Interno Bruto (PIB), destaca Mesquita. No Brasil, essa relação está em cerca de 0,5%. Quanto maior o percentual, maior a necessidade de capital estrangeiro para financiar a dívida. “As pressões podem continuar, em nossa visão”, disse ele.

Na sexta-feira (11), o Itaú Unibanco revisou seu cenário para a economia brasileira e aumentou a projeção para o dólar, de R$ 3,25 para R$ 3,50.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/05/2018
OMS alerta Brasil sobre surtos de doenças
Diretor-geral de entidade diz que País corre grande risco com alto fluxo de pessoas que circulam nas fronteiras
19/05/2018
Programa de resgate vai focar em redução da dívida pública da Argentina
Washington - A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou, na sexta-feira (18), que o objetivo do programa de resgate à Argentina...
18/05/2018
Tensões começam a afetar comércio
Segundo entidade internacional, protecionismo pode prejudicar avanço do setor no mundo
18/05/2018
Detalhes de apoio do FMI já estão em discussão
Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera fornecer à Argentina um programa de apoio de alto acesso, mas detalhes precisos sobre o que ele irá abranger ainda...
18/05/2018
Norte exige concessões do Sul para seguir conversas
Seul - A Coreia do Norte criticou ontem a Coreia do Sul, advertindo que encerraria definitivamente as conversas intercoreanas, a menos que Seul fizesse concessões em relação...
› últimas notícias
Minas Gerais cria 23.563 vagas em abril
Two-Flex Aviação transporta cargas entre Varginha e BH
Governo fala que estuda redução de impostos
Caminhoneiros anunciam greve contra preço do diesel
Sigma aporta R$ 230 mi na produção de lítio
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.