16/07/2018
Login
Entrar

DC Mais

20/09/2017

Crise econômica impacta o financiamento estudantil

Email
A-   A+
Brasília - As mudanças propostas pelo governo federal para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) mobilizam o Congresso. Apresentada em 7 de julho, a Medida Provisória 785/2017, que reforma o Fies, recebeu 278 emendas de deputados e senadores.
A comissão mista que analisa a MP já fez quatro das cinco audiências públicas programadas, discutindo o assunto com representantes de faculdades, estudantes, instituições financeiras e governo.

O presidente da comissão mista, senador Dalírio Beber (PSDB-SC), explicou que as novas regras vão adequar o programa à situação econômica. “Sabemos das dificuldades que tem o País. Existe uma profunda crise fiscal. E o Fies está inserido nesse contexto. É necessário que reconheçamos que algumas coisas deverão ser acertadas no programa”, avalia.

A questão fiscal é a principal preocupação do governo. A MP foi antecedida pela divulgação de um diagnóstico do Ministério da Fazenda que descreve o impacto do Fies sobre as contas públicas e aponta causas para a falta de sustentabilidade fiscal do modelo vigente. O ministério assinala que o número de contratos do Fies em vigor passou de 182 mil em 2009 para 1,9 milhão em 2015, um acréscimo de 280 mil matrículas em média por ano. A maior parte do aumento ocorreu a partir de 2012. Em relação às matrículas na rede privada, os contratos passaram de 5% em 2009 para 39% em 2015.

A causa desse forte aumento, segundo a Fazenda, foi a oferta de condições financeiras mais benéficas ao estudante, trazida por mudanças no programa feitas em 2010. Segundo o relatório, essas condições mais favoráveis “permitiram crescimento em ritmo incompatível com a disponibilidade de recursos no médio e longo prazo, bem como a transferência de parcela dos riscos de financiamento ao setor público”.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, afirma que as regras propostas possibilitarão uma governança austera e gestão sustentável do Fies. “Tínhamos um rombo fiscal sem controle e imprevisível, com inadimplência elevada na carteira de 46,4%, ante previsão de 10%. O risco do crédito era totalmente concentrado no Tesouro”, observa.

A MP muda as formas de concessão e pagamento do financiamento, altera o modelo de gestão, criando o Comitê Gestor do Fundo de Financiamento Estudantil, e inclui como fontes de recursos para o Fies os fundos constitucionais do Centro-Oeste, do Nordeste e do Norte.

Modalidades - Pela proposta do governo, a partir de 2018 a concessão de financiamentos pelo Fies terá três modalidades. Na primeira, serão até 100 mil vagas para estudantes com renda familiar de no máximo três salários mínimos. As mensalidades serão isentas de taxa de juros real e o financiamento, bancado com recursos do Tesouro.

Para as outras duas modalidades, voltadas a estudantes com renda familiar entre três e cinco salários mínimos, as taxas de juros serão de 3%, mais correção. Nessas modalidades serão oferecidas 150 mil vagas para Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com recursos dos fundos constitucionais, e outras 60 mil para o restante do País, com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou de bancos privados. As taxas de juros anunciadas pelo governo, no entanto, não constam da MP sob a justificativa de que isso tornaria mais difíceis mudanças na regra diante de novos cenários econômicos.

O início da amortização será imediato após a conclusão do curso. O governo propõe que o desconto das prestações possa ser feito diretamente no contracheque do beneficiário, logo que ele adquirir seu primeiro emprego formal. O desconto direto será limitado a 10% dos rendimentos. Caso a pessoa não tenha renda formal após a conclusão do curso, ela continuará pagando a taxa de coparticipação que já era paga ao longo dos anos de estudo. As informações são da Agência Senado.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/07/2018
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Pessoas e instituições que prestam contribuições relevantes ao desenvolvimento da agricultura, pecuária e silvicultura de Minas Gerais foram agraciadas, no dia 6...
14/07/2018
AGENDA CULTURAL 13/07
Dois na Quinta Chilena e mineiro - A chilena Claudia Manzo está em BH há algum tempo. Sua alma carnavalesca se comprova no bloco “Bruta Flor”, que desfila pela...
14/07/2018
Fitas de gentileza
De 10 a 12 de agosto, pelo terceiro ano consecutivo, BH abrigará o Festival Verbogentileza , que tem como uma de suas marcas registradas uma instalação de fitas coloridas: o...
14/07/2018
12ª CineBH
Professores e educadores da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) podem inscrever seus alunos para participar do programa Cine-Expressão – A Escola vai ao cinema, no...
13/07/2018
Inovação ambiental
A próxima reunião Quinzenal d a Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas) – Futuro, já! Para viver à frente do seu tempo –...
› últimas notícias
JPMorgan encerra trimestre com receita 6,5% maior e lucro acima das expectativas
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Mercado de eventos dribla a crise em Belo Horizonte
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


14 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.