Publicidade
24/11/2017
Login
Entrar

Internacional

08/11/2017

Da vizinha Seul, Trump faz alerta à Coreia do Norte

Reuters
Email
A-   A+
Seul - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou a Coreia do Norte ontem que está preparado para usar todo o poder militar de seu país para deter qualquer ataque, mas fez seu apelo mais conciliador até então, pedindo que Pyongyang “faça um acordo” para encerrar o impasse nuclear.

Falando às portas da Coreia do Norte, durante uma visita a Seul, Trump disse que, embora “reze a Deus” para não ter que usar todo o poderio militar norte-americano, está pronto para fazer o que for necessário para evitar que o “ditador norte-coreano” ameace milhões de vidas.

“Não podemos permitir que a Coreia do Norte ameace tudo que construímos”, frisou Trump depois de conversar com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que apoia contatos diplomáticos com Pyongyang.

Mas em alguns momentos Trump adotou um tom mais ponderado e menos combativo, também pedindo que a Coreia do Norte “faça a coisa certa”, e falou: “De fato vejo alguma movimentação”, embora não tenha desejado elaborar.

“Realmente, faz sentido os norte-coreanos se sentarem à mesa e fazerem um acordo”, disse Trump aos repórteres em uma coletiva de imprensa conjunta com Moon.
Apesar das ameaças reiteradas de Trump contra a Coreia do Norte, suas declarações ficaram longe da abordagem mais estridente que ele demonstrou nos últimos meses, incluindo sua rejeição prévia de quaisquer esforços diplomáticos com Pyongyang por vê-los como uma perda de tempo.

Leia também:
Presidente promete notícia surpresa na China


Tensão - Depois de pousarem na base aérea de Osan, nos arredores de Seul, o presidente e a primeira-dama, Melania Trump, desceram do Força Aérea Um para iniciarem uma visita que pode agravar a tensão com a Coreia do Norte.

Mais tarde, Trump voou de helicóptero ao Campo Humphreys, a maior base militar dos EUA no país, e se encontrou com tropas norte-americanas e sul-coreanas ao lado de Moon.
A Casa Branca informou que a viagem presidencial pretende demonstrar a determinação dos EUA com uma abordagem rígida diante das ameaças nucleares e de mísseis do regime norte-coreano – mas muitos na região expressaram o temor de que sua retórica beligerante com Pyongyang possa aumentar o potencial de um conflito militar devastador na Península Coreana.

Após se encontrar com comandantes militares para tratar da questão, Trump disse aos repórteres: “No final das contas tudo dará certo, sempre dá certo, tem que dar certo”, sem entrar em detalhes.

Ele elogiou Moon por sua “grande cooperação” apesar das diferenças sobre como confrontar a Coreia do Norte e um pacto comercial entre Washington e Seul.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/11/2017
Investimentos corporativos elevarão PIB global em 3,8%
Dependência não será mais de emprego e consumo
24/11/2017
Amazon pode ter primeira greve na Itália
Milão, Itália - Funcionários do maior centro de distribuição da Amazon na Itália estão planejando realizar sua primeira greve hoje, informaram...
24/11/2017
Geração digital mergulha na economia
São Paulo - O ano que vem deve marcar a entrada definitiva dos “millennials” - a geração que já nasceu na era digital - como agentes relevantes na economia...
23/11/2017
Governos investigam Uber por encobrir violação de dados
Empresa pagou a hackers para destruírem informações roubadas
23/11/2017
Mulheres ganham 16,3% menos que os homens
A igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres é um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável para o mundo, a ser alcançado até 2030. No entanto, ainda...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.