Publicidade
21/11/2017
Login
Entrar

Finanças

24/08/2017

Déficit chegou a US$ 3,4 bilhões em julho

AE
Email
A-   A+
Brasília - O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Renato Baldini, afirmou ontem que o principal destaque do setor externo brasileiro segue sendo a balança comercial. Em julho, o saldo comercial foi de US$ 6,056 bilhões, o maior para o mês na série histórica, destacou.

No caso da conta corrente, porém, os dados divulgados ontem pelo BC mostraram déficit de US$ 3,404 bilhões, o que representa o primeiro resultado negativo após quatro meses de superávit.

“O déficit em conta em julho foi causado por um fator sazonal, que é o pagamento de juros. Foram pagos US$ 4,5 bilhões em juros em julho, mas isso não se repetirá em agosto”, disse Baldini. Ainda assim, ele pontuou que o déficit em conta em julho foi o menor para o mês desde 2009.

Viagens internacionais - O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central afirmou que a apreciação do real justifica a alta das despesas com viagens internacionais em 2017. “Observamos, em relação a viagens internacionais, que elas tendem a responder à evolução do câmbio e ao nível da atividade econômica”, afirmou. “E temos observado apreciação do real, o que justifica o aumento das despesas.”

As despesas líquidas com viagens internacionais em julho somaram US$ 1,439 bilhão. No ano, até julho, já chegam a US$ 7,185 bilhões, conforme os números divulgados pelo BC.

Projeções - Baldini afirmou que a projeção da instituição para a conta corrente em agosto é de déficit de US$ 1,2 bilhão. Já no caso do Investimento Direto no País (IDP), a projeção para o mês é de US$ 6,5 bilhões. Em agosto, até o dia 21, já ocorreram entradas de US$ 4,7 bilhões de IDP.

Na conta de viagens internacionais, as saídas líquidas do País em agosto, até o dia 21, somam US$ 909 milhões. Isso é resultado de despesas de brasileiros no exterior de US$ 1,199 bilhão e de gastos de estrangeiros no Brasil de US$ 290 milhões.

Baldini informou ainda que, na conta de juros, houve saída de US$ 511 milhões do País em agosto, até o dia 21. Na rubrica de lucros, houve remessas de US$ 696 milhões no mesmo período.

Já o investimento em ações em agosto, até o dia 21, está positivo em US$ 1,5 bilhão. No caso da renda fixa, está negativo em US$ 424 milhões.

O chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC também informou que até o dia 21 a taxa de rolagem total está em 37%. Este percentual é resultado de 41% de rolagem no caso de empréstimos diretos e de 18% de rolagem em títulos de longo prazo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/11/2017
IBC-Br atinge o maior nível desde 2015
Indicador do Banco Central avançou 0,40% em setembro e acumula uma alta de 0,43% neste ano
21/11/2017
Mercado europeu tem sessão de ganhos
São Paulo - As principais bolsas da Europa fecharam em alta ontem, mesmo com a instabilidade política observada na Alemanha após a chanceler Angela Merkel não...
21/11/2017
Cotação do bitcoin bate recorde e chega a US$ 8,263 mil
São Paulo - O bitcoin voltou a quebrar mais um recorde ontem e ultrapassou os US$ 8 mil, chegando à cotação máxima de US$ 8.263,01, de acordo com a CoinDesk,...
18/11/2017
Índice Bovespa volta a subir e fecha a semana em alta
Bolsa paulista valorizou 1,28% na sexta-feira
18/11/2017
Grupo vai discutir crédito para o varejo
São Paulo - O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, se comprometeu a montar um grupo de trabalho com o objetivo de buscar soluções ao alto custo de crédito...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.