Publicidade
21/09/2017
Login
Entrar

Economia

13/09/2017

Deflação deve afetar o faturamento do setor de alimentos

Com recuo nos preços de produtos básicos, a Abras mantém projeção de crescimento em 1,5% no País
Ana Amélia Hamdan
Email
A-   A+
A queda nos preços de alimentos leva a Abras a rever projeção para 2017/Alisson J. Silva
Uma revisão para o alto do crescimento do setor supermercadista para este ano – de 1,5% para 1,8% – ficou comprometida pela deflação acentuada de alguns alimentos. A informação é do presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, que abriu ontem a 51ª Convenção Abras, em Atibaia (SP). De acordo com levantamento apresentado no encontro, o valor do chamado PF caseiro, que é o prato feito com arroz, feijão, carne e batata, preparado em casa com produtos comprados em supermercados, teve a maior queda no acumulado de 12 meses desde 2001, com redução de 7%. Assim, mesmo que ocorra aumento nas vendas, pode ser que não seja registrado crescimento no faturamento.

De acordo com o presidente da Abras, fatores macroeconômicos como queda nos juros, inflação sob controle e melhorias nos índices do emprego chegaram a fazer com que a área econômica da associação ampliasse a projeção de aumento do faturamento do setor em 2017 para 1,8%. Mas, com cautela, devido à queda acentuada nos preços, o índice de incremento deste ano em relação a 2016 foi mantido em 1,5%, sendo que pode nem chegar a este percentual.

O dado que indica queda acentuada nos preços consta do levantamento Gfk-Abrasmercado realizado pela empresa de pesquisa de comportamento de consumo Gfk em parceria com a Abras. O levantamento apontou queda, nos últimos meses, de 21,5% no feijão, de 16,2% no arroz, de 22,7% na batata e também em quase todos os tipos de carne. Só este ano, o PF ficou, em média, 18% mais barato.

Diretor executivo da Gfk, Marco Aurélio Lima ressalta que os supermercados vivenciam o efeito gangorra: em 2016 houve uma alta muito intensa dos preços e agora há queda acentuada. A projeção é de que, até o final do ano, os preços da cesta básica fiquem estáveis. Mas, segundo Lima, alguns produtos que estão com valores muito baixos, como óleo de soja e leite, podem ter uma elevação a partir de agora.

O faturamento do setor chegou a R$ 338,7 bilhões no País em 2016. Este ano, no acumulado até julho, as vendas apresentaram crescimento de 0,73%, na comparação com o mesmo período do ano anterior (acumulado de janeiro a julho de 2016).
Em Minas, o setor deve fechar o ano com aumento de 1,7% no faturamento, chegando a R$ 34,59 bilhões, segundo  projeção da Associação Mineira de Supermercados (Amis).

Leia também:
Perdas chegaram a R$ 7,11 bilhões em 2016


Perspectivas - A mesma pesquisa aponta perspectivas positivas dos empresários do autosserviço. Quando perguntados sobre as expectativas para os próximos seis meses, considerando as condições econômica e de negócios no País e no mundo, o Índice de Confiança do Supermercadista registrou 64 pontos em agosto, indicando otimismo. Em julho, o indicador era de 46 pontos, mostrando pessimismo. A perspectiva é de que o otimismo continue aumentando, impulsionando investimentos no varejo.

Os fatores apontados para tal resultado também são os da conjuntura econômica. Mas Sanzovo ressalta que a elevação do faturamento dos supermercados está atrelada à retomada sustentável nos níveis de emprego, o que aumenta a renda das famílias e, consequentemente, impulsiona o consumo.

Ainda de acordo com o estudo, os consumidores estão mudando de comportamento e ficando cada vez mais exigentes. Uma das preocupações de quem vai às compras é em relação ao impacto ambiental.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/09/2017
Integração deve gerar US$ 600 milhões ao ano à Vale
Centro de Operações fica na RMBH
21/09/2017
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
Para as ações essenciais apresentadas no projeto são necessários investimentos de R$ 420 milhões
21/09/2017
3Corações e Toko: sem ato de concentração
São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não reconheceu ato de concentração na compra pelo grupo 3Corações das marcas...
21/09/2017
Thyssenkrupp e Tata anunciam a criação de joint venture europeia
Essen - A alemã Thyssenkrupp e a Tata Steel uniram ontem suas operações siderúrgicas europeias em um acordo preliminar que deve criar a segunda maior...
21/09/2017
Venda de fatia da Alpargatas é concluída
São Paulo - A Alpargatas informou, por meio de fato relevante, que a Itaúsa (holding de investimentos do Itaú), Cambuhy Investimentos (fundo da família Moreira Salles)...
› últimas notícias
Integração deve gerar US$ 600 milhões ao ano à Vale
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
3Corações e Toko: sem ato de concentração
Thyssenkrupp e Tata anunciam a criação de joint venture europeia
Venda de fatia da Alpargatas é concluída
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Usiminas reajustará preços em 10,2%
Setor de mineração deve mudar o foco dos investimentos
BR Food cogita reduzir produção em fábricas de Uberlândia
Crise econômica impacta o financiamento estudantil
Fiemg apresenta plano para o Alto Paranaíba
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


22 de September de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.