Publicidade
12/12/2017
Login
Entrar

Economia

13/09/2017

Deflação deve afetar o faturamento do setor de alimentos

Com recuo nos preços de produtos básicos, a Abras mantém projeção de crescimento em 1,5% no País
Ana Amélia Hamdan
Email
A-   A+
A queda nos preços de alimentos leva a Abras a rever projeção para 2017/Alisson J. Silva
Uma revisão para o alto do crescimento do setor supermercadista para este ano – de 1,5% para 1,8% – ficou comprometida pela deflação acentuada de alguns alimentos. A informação é do presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, que abriu ontem a 51ª Convenção Abras, em Atibaia (SP). De acordo com levantamento apresentado no encontro, o valor do chamado PF caseiro, que é o prato feito com arroz, feijão, carne e batata, preparado em casa com produtos comprados em supermercados, teve a maior queda no acumulado de 12 meses desde 2001, com redução de 7%. Assim, mesmo que ocorra aumento nas vendas, pode ser que não seja registrado crescimento no faturamento.

De acordo com o presidente da Abras, fatores macroeconômicos como queda nos juros, inflação sob controle e melhorias nos índices do emprego chegaram a fazer com que a área econômica da associação ampliasse a projeção de aumento do faturamento do setor em 2017 para 1,8%. Mas, com cautela, devido à queda acentuada nos preços, o índice de incremento deste ano em relação a 2016 foi mantido em 1,5%, sendo que pode nem chegar a este percentual.

O dado que indica queda acentuada nos preços consta do levantamento Gfk-Abrasmercado realizado pela empresa de pesquisa de comportamento de consumo Gfk em parceria com a Abras. O levantamento apontou queda, nos últimos meses, de 21,5% no feijão, de 16,2% no arroz, de 22,7% na batata e também em quase todos os tipos de carne. Só este ano, o PF ficou, em média, 18% mais barato.

Diretor executivo da Gfk, Marco Aurélio Lima ressalta que os supermercados vivenciam o efeito gangorra: em 2016 houve uma alta muito intensa dos preços e agora há queda acentuada. A projeção é de que, até o final do ano, os preços da cesta básica fiquem estáveis. Mas, segundo Lima, alguns produtos que estão com valores muito baixos, como óleo de soja e leite, podem ter uma elevação a partir de agora.

O faturamento do setor chegou a R$ 338,7 bilhões no País em 2016. Este ano, no acumulado até julho, as vendas apresentaram crescimento de 0,73%, na comparação com o mesmo período do ano anterior (acumulado de janeiro a julho de 2016).
Em Minas, o setor deve fechar o ano com aumento de 1,7% no faturamento, chegando a R$ 34,59 bilhões, segundo  projeção da Associação Mineira de Supermercados (Amis).

Leia também:
Perdas chegaram a R$ 7,11 bilhões em 2016


Perspectivas - A mesma pesquisa aponta perspectivas positivas dos empresários do autosserviço. Quando perguntados sobre as expectativas para os próximos seis meses, considerando as condições econômica e de negócios no País e no mundo, o Índice de Confiança do Supermercadista registrou 64 pontos em agosto, indicando otimismo. Em julho, o indicador era de 46 pontos, mostrando pessimismo. A perspectiva é de que o otimismo continue aumentando, impulsionando investimentos no varejo.

Os fatores apontados para tal resultado também são os da conjuntura econômica. Mas Sanzovo ressalta que a elevação do faturamento dos supermercados está atrelada à retomada sustentável nos níveis de emprego, o que aumenta a renda das famílias e, consequentemente, impulsiona o consumo.

Ainda de acordo com o estudo, os consumidores estão mudando de comportamento e ficando cada vez mais exigentes. Uma das preocupações de quem vai às compras é em relação ao impacto ambiental.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/12/2017
Samarco dá passo para retomar operações
Pedidos de licença prévia e de licença de instalação para uso da cava Alegria do Sul são aprovados
12/12/2017
Lojistas dos shoppings de BH apostam em bons resultados
Otimista, setor adota estratégias para atender incremento da demanda
12/12/2017
Quantidade de devedores se mantém estável no País
O número de devedores no Brasil ficou estável em novembro em relação a outubro, com uma variação de 0,15%. Em comparação com o mesmo...
12/12/2017
Entidades vão à Justiça contra grandes voos no Aeroporto da Pampulha
Associações de moradores da região e a AV Norte contestam portaria do Ministério dos Transportes
12/12/2017
Audiência pública aborda abertura de capital da Codemig nesta terça-feira
Deputados querem entender a meta real da proposta
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.