Publicidade
13/12/2017
Login
Entrar

Economia

07/12/2017

Desembolsos podem subir para R$ 150 bi

AE
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, afirmou ontem que o planejamento da instituição de fomento prevê a possibilidade de os desembolsos anuais chagarem de R$ 150 bilhões a R$ 175 bilhões em 2022.

Em palestra durante almoço após o Encontro Brasil-França, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e pelo Movimento de Empresas da França (Medef), Rabello mostrou gráficos para mostrar que os desembolsos do BNDES poderão subir nos próximos anos, com a recuperação da economia.

“Chegaremos em 2022, talvez, desembolsando, sobre os R$ 75 bilhões atuais, outros R$ 75 bilhões ou talvez R$ 100 bilhões. Esse é o nosso planejamento”, afirmou Rabello.
Mais cedo, Rabello disse que o crescimento econômico de 2018 poderá chegar perto de 4%, diferentemente do que aponta a maioria das projeções, na casa de 3%.

Leia também:
Para Rabello, TLP chega em boa hora


Política operacional - Rabello de Castro afirmou que R$ 150 bilhões é um bom número para os desembolsos da instituição de fomento em 2022, conforme planejamento que está em construção e será divulgado por volta de fevereiro de 2018. Rabello disse que é possível atingir tal valor apesar das devoluções antecipadas ao Tesouro.

Segundo Rabello, o banco de fomento deve divulgar no início do ano novos parâmetros para se desfazer dos ativos, além do planejamento estratégico e uma revisão da política de crédito.

Os desembolsos do BNDES deverão encerrar 2017 na casa de R$ 75 bilhões, retomando o nível de 2007. Questionado sobre de onde viria o funding para tamanha elevação até 2022, Rabello citou a possibilidade de captar recursos no exterior, no mercado de capitais local e com a venda da carteira de ações.

“O mundo está repleto de recursos precisando de bons intermediadores. Aliás, os recursos existem inclusive no mercado de capitais brasileiro. Pode haver securitização da carteira de crédito, venda da nossa carteira de ações”, afirmou Rabello.

O BNDES, por meio da BNDESPar, é o maior investidor institucional do mercado brasileiro, com carteira avaliada em torno de R$ 70 bilhões. Questionado se vender esses ativos está nos planos, Rabello disse: “Está completamente nos planos”.

Metas - Questionado se a meta de elevar os desembolsos a R$ 150 bilhões não iria na contramão de um novo papel do BNDES na economia, Rabello disse que o banco é casado com o desenvolvimento nacional. “O banco não vai ficar esperando ninguém nem nada, nem nenhum livro texto escrito por algum liberal perdido numa rua em São Paulo, que diga que a gente tem que se desenvolver esperando que o mercado apareça”, afirmou o executivo.

Rabello evitou detalhar como poderia ser a venda da carteira de ações. Disse apenas que parâmetros para se desfazer dos ativos serão anunciados junto com o planejamento estratégico e uma revisão da política de crédito, no início do ano. Pelo menos até o fim de outubro, o BNDES já havia vendido R$ 3,5 bilhões de sua carteira neste ano.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

13/12/2017
Melhora na economia global favoreceu negócios na Bolsa
São Paulo - Além de investidores apontarem sinais de melhora na economia brasileira, com a queda dos juros e da inflação no País, a maior disponibilidade global...
13/12/2017
Conselho da concessionária de Guarulhos aprova aumento de capital de R$ 850 milhões
São Paulo - O conselho fiscal da concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos aprovou aumento de capital de R$ 850 milhões, mediante a emissão de 1,104...
13/12/2017
Cade libera compra de complexo na Costa do Sauípe pela Termas do Rio Quente
Brasília - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a compra do complexo turístico Costa do Sauípe, na Bahia, para...
13/12/2017
BR Distribuidora deverá ser a maior abertura de capital no Brasil desde o ano de 2013
São Paulo - A abertura de capital da distribuidora de combustíveis BR , da Petrobras, deverá marcar a maior oferta inicial de ações (IPO, na sigla em...
13/12/2017
Senado aprova socorro bilionário à Caixa Federal
Brasília - O socorro bilionário à Caixa Econômica Federal, com dinheiro dos trabalhadores depositados no FGTS, precisará passar novamente pelo crivo da...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.