20/08/2018
Login
Entrar

Economia

07/12/2017

Desembolsos podem subir para R$ 150 bi

AE
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, afirmou ontem que o planejamento da instituição de fomento prevê a possibilidade de os desembolsos anuais chagarem de R$ 150 bilhões a R$ 175 bilhões em 2022.

Em palestra durante almoço após o Encontro Brasil-França, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e pelo Movimento de Empresas da França (Medef), Rabello mostrou gráficos para mostrar que os desembolsos do BNDES poderão subir nos próximos anos, com a recuperação da economia.

“Chegaremos em 2022, talvez, desembolsando, sobre os R$ 75 bilhões atuais, outros R$ 75 bilhões ou talvez R$ 100 bilhões. Esse é o nosso planejamento”, afirmou Rabello.
Mais cedo, Rabello disse que o crescimento econômico de 2018 poderá chegar perto de 4%, diferentemente do que aponta a maioria das projeções, na casa de 3%.

Leia também:
Para Rabello, TLP chega em boa hora


Política operacional - Rabello de Castro afirmou que R$ 150 bilhões é um bom número para os desembolsos da instituição de fomento em 2022, conforme planejamento que está em construção e será divulgado por volta de fevereiro de 2018. Rabello disse que é possível atingir tal valor apesar das devoluções antecipadas ao Tesouro.

Segundo Rabello, o banco de fomento deve divulgar no início do ano novos parâmetros para se desfazer dos ativos, além do planejamento estratégico e uma revisão da política de crédito.

Os desembolsos do BNDES deverão encerrar 2017 na casa de R$ 75 bilhões, retomando o nível de 2007. Questionado sobre de onde viria o funding para tamanha elevação até 2022, Rabello citou a possibilidade de captar recursos no exterior, no mercado de capitais local e com a venda da carteira de ações.

“O mundo está repleto de recursos precisando de bons intermediadores. Aliás, os recursos existem inclusive no mercado de capitais brasileiro. Pode haver securitização da carteira de crédito, venda da nossa carteira de ações”, afirmou Rabello.

O BNDES, por meio da BNDESPar, é o maior investidor institucional do mercado brasileiro, com carteira avaliada em torno de R$ 70 bilhões. Questionado se vender esses ativos está nos planos, Rabello disse: “Está completamente nos planos”.

Metas - Questionado se a meta de elevar os desembolsos a R$ 150 bilhões não iria na contramão de um novo papel do BNDES na economia, Rabello disse que o banco é casado com o desenvolvimento nacional. “O banco não vai ficar esperando ninguém nem nada, nem nenhum livro texto escrito por algum liberal perdido numa rua em São Paulo, que diga que a gente tem que se desenvolver esperando que o mercado apareça”, afirmou o executivo.

Rabello evitou detalhar como poderia ser a venda da carteira de ações. Disse apenas que parâmetros para se desfazer dos ativos serão anunciados junto com o planejamento estratégico e uma revisão da política de crédito, no início do ano. Pelo menos até o fim de outubro, o BNDES já havia vendido R$ 3,5 bilhões de sua carteira neste ano.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

18/08/2018
ABC da Construção planeja ganhar mercados
Associação com a ConstruBrasil pode gerar desenvolvimento de produtos, redução de custos e preços
18/08/2018
Petrobras alerta para risco de desabastecimento de diesel
Rio de Janeiro - A Petrobras avalia que a nova fórmula proposta pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para calcular o...
18/08/2018
Avanço do e-commerce não incomoda shoppings
Evento internacional reúne executivos e acionistas em São Paulo
18/08/2018
Cenário da economia é visto como ruim por 83,9% dos consumidores
São Paulo - O pessimismo dos consumidores sobre o momento da economia brasileira chegou no mês passado ao maior nível do ano, segundo sondagem feita pela...
18/08/2018
País tem vários fatores detendo produtividade, acredita secretário
Brasília - O secretário de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência do Ministério da Fazenda, João Manoel Pinho de Mello, avaliou na...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


18 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.