Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

DMEP - Cegueira das Organizações

09/01/2018

Desvendando o BSC - Parte 1: gerar valor ou estruturar competências?

Marcelo Alvim Scianni*
Email
A-   A+
O método BSC ou Balanced Scorecard é bastante difundido e utilizado pelas empresas para conduzir seu planejamento estratégico. Mas nossa experiência junto a diferentes parceiros nos mostra que o método deve ser desvendado para ser melhor aplicado. No primeiro ensaio dessa série vamos tratar dos objetivos estratégicos desdobrados com o auxílio do BSC: gerar valor ou estruturar competências?

Já tratamos em nossos ensaios da classificação de iniciativas em geradoras de valor e estruturadoras de competências. Da mesma forma, os objetivos estratégicos de uma organização podem e, em nossa opinião, devem ser desdobrados conforme essa lógica.

Utilizando a analogia de duas retas paralelas que se encontram no infinito, a geração de valor propicia a médio e longo prazo a estruturação de competências e essa estruturação, por sua vez, propicia a geração de valor também a médio e longo prazo. A estratégia passa então necessariamente por estes dois caminhos que refletem o momento vivido pela organização: construção inicial, consolidação e amadurecimento, ou mudança e reconstrução. Além disso, o próprio ambiente competitivo e econômico direciona a organização a priorizar a geração de valor ou a estruturação de competências.

Há nesse sentido uma exigência por balancear o esforço estratégico nessas duas direções, deixando claro tanto para o time interno e os stakeholders chave, quanto para o mercado externo qual será o foco da empresa em um determinado período. Essa clareza permite à empresa evitar o desperdício de energia em uma direção que vai contrária ao balanceamento proposto. A figura apresenta a forma proposta para analisarmos o BSC, sendo que neste ensaio trataremos apenas das tabelas indicadas com os números 1 e 2.

Analisando mais especificamente o BSC, observa-se que ele propõe o desdobramento da estratégia de uma organização em quatro grandes perspectivas de objetivos estratégicos: financeira; clientes; processos internos; aprendizado e crescimento. Se analisarmos atentamente, as duas primeiras perspectivas tratam da geração de valor. Como medidas genéricas dessas duas perspectivas apresentam-se: retorno sobre investimento, valor econômico agregado ao negócio, share de mercado, satisfação ou retenção de clientes, dentre outras. Já a estruturação de competências é tratada nas duas perspectivas finais, que podem apresentar as seguintes medidas genéricas: qualidade e eficiência de processos críticos, satisfação de funcionários, retenção de talentos e evolução ou atração de competências chave.

Independentemente do momento, essas quatro perspectivas e as dimensões de geração de valor e estruturação de competências deverão ser trabalhadas. A questão será o peso dado a cada uma dessas dimensões. Momentos cuja geração de valor se faz prioritária direcionam para objetivos sob a perspectiva financeira e de cliente com maior detalhamento na estruturação de indicadores bem como metas mais ousadas. Já as perspectivas de processos internos e de competências serão mais bem desdobradas direcionando metas desafiadoras em momentos aonde se faz necessária a estruturação de competências. Qual momento se apresenta para seu negócio? Reflita antes de aplicar o BSC ou qualquer outro método.

*Sócio-diretor da DMEP

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/01/2018
Matriz Ansoff: posicionamento estratégico guiado pelos vetores mercado e produto
Investigar o êxito de empreendimentos especiais e definir modelos que explicam seu sucesso são desafios enfrentados por empreendedores e cientistas organizacionais há anos....
29/12/2017
Criação de conselho alavanca o Pró-Município em Janaúba
Como resultado de oito meses de articulações e trabalho em torno da implantação do projeto Pró-Município, Janaúba celebrou a criação...
27/12/2017
Cadeia de suprimentos e posicionamento estratégico
A cadeia de suprimentos é um tema da administração e da gestão de organizações que visa reconhecer os diversos agentes e elos de um mercado, setor ou...
19/12/2017
O que é data driven e por que isso é importante?
Data Driven é uma metodologia de análise e tomada de decisões orientada por dados. Basicamente, são soluções baseadas em algoritmos que a partir de um...
12/12/2017
A razão do insight
Recentemente, relendo um interessante livro do psicólogo Daniel Kahneman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2002 por seu pioneirismo nos estudos sobre os processos de tomada de...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.