Publicidade
22/05/2018
Login
Entrar

DMEP - Cegueira das Organizações

24/04/2018

Desvendando o BSC - parte final: Como organizar a empresa para finalmente conduzir o plano?

Marcelo Alvim Scianni*
Email
A-   A+
Nesta série já elucidamos a organização de objetivos estratégicos voltados para a geração de valor e estruturação de competências, bem como o desdobramento e o estabelecimento de pesos aos objetivos e a conversão destes pesos para as iniciativas. Concluídos esses passos, como organizar a empresa para o cumprimento dos objetivos e iniciativas?

Primeiramente ressaltamos que a categorização das matrizes em prioritárias, urgente e dependente auxilia os gestores no estabelecimento da ordem de execução do conjunto de inciativas estabelecidos no plano estratégico. Ou seja, esse é um processo fundamental para a gestão tática e operacional das iniciativas estratégicas. Outro ponto importante é reconhecer a natureza completamente distinta dessas matrizes, e por isso mesmo a necessidade de perfis distintos das equipes que conduzirão as inciativas correspondentes a cada uma das matrizes.

A figura a seguir apresenta o propósito e a natureza de cada uma das quatro matrizes indicadas com os números 07, 08, 10 e 11, a partir da combinação das tabelas indicadas com os números 01, 02, 03 e 04.

Como já apresentado no ensaio anterior, a combinação de objetivos e inciativas gera duas matrizes de prioridade e duas matrizes auxiliares que indicam urgência ou dependência. Equipes e indivíduos com visão voltada à estruturação de competências, que tenham evidenciado ao longo da carreira conhecimento e experiência na estruturação de processos, rotinas e procedimentos, bem como a construção e desenvolvimento de equipes, devem ser selecionados para conduzir a matriz prioridade competência (número 11). Já aqueles que possuem visão mais diretamente vinculada à geração de resultado como ações de venda, eficiência em processos, redução de custos e atividades similares, devem ser direcionados para conduzir a matriz prioridade valor (número 07).

As matrizes auxiliares devem ser compostas por equipes que mesclam tais perfis, uma vez que deverão trabalhar essencialmente com aspectos voltados à estruturação de competências, mas sob forte pressão pela implantação no caso da matriz de urgência (número 10), uma vez que há premência na estruturação de competências que restringem a geração de valor. Como exemplo, pode-se considerar a inciativa de “treinar uma equipe de vendas numa determinada linguagem” para cumprir o objetivo de “aumentar o market-share em um mercado específico”. Na matriz de dependência (número 08) a pressão se dá na consecução de objetivos estruturadores, uma vez que iniciativas geradoras de valor dependem dessa estruturação para serem conduzidas. Por exemplo, a inciativa de “desenvolver ações de promoção em um mercado” depende do “sistema de informação comercial da empresa plenamente instalado e em condição de operação”.

Cada uma dessas matrizes deve ser coordenada por um gestor tático nomeado pela organização, responsável pelo portfólio de inciativas e objetivos direcionados à matriz sob sua responsabilidade. Eventos de coordenação operacional deverão ser conduzidos pelos coordenadores de cada inciativa e os eventos táticos pelos coordenadores das matrizes.

Ao final, eventos estratégicos de coordenação de todo o sistema deverão ser conduzidos pela alta direção em conjunto com os coordenadores de matrizes. Seguindo este formato e respeitando as naturezas distintas de cada matriz e seus respectivos grupos, aumentam-se as chances dos objetivos estratégicos do BSC serem corretamente articulados, desdobrados e implantados em sua organização.

* Sócio-diretor da DMEP

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

22/05/2018
Adaptação e seleção organizacional: fatores que afetam a estrutura e o caminho do crescimento das empresas
O tema central desse ensaio diz respeito à análise de duas questões que afetam as organizações empresariais, em termos das decisões quanto ao seu...
15/05/2018
Curiosidade para tratamento de miopia
A miopia ou “dificuldade em ver o longe” ou “ver mal de longe”, como a maioria de nós diria, é um problema que se caracteriza por uma visão perfeita dos...
08/05/2018
Será que devo investir nesta startup? (Parte 2)
Em ensaio anterior falamos sobre o processo de tomada de decisão de investimento em uma startup. Destacamos que os investimentos neste tipo de negócio, em suas diferentes modalidades,...
18/04/2018
O custo do não planejamento de oportunidades de mercado, produto e negócio
Desenvolver a oportunidade nova é uma jornada fascinante. É, ao mesmo tempo, prazerosa e arriscada. Quem já participou de um processo de desenvolvimento de produto, mercado ou...
10/04/2018
Análise de dados auxilia transformação de negócios de Educação
Já não é nenhuma novidade falarmos que a Educação precisa e está se transformando. É comum lermos ou nos depararmos com algum exemplo de...
› últimas notícias
Preços inviabilizam transporte de cargas
Confiança do empresário avança 1,2 ponto
PIB tem aumento de 0,3% no 1º trimestre
Minas recorrerá à expertise chinesa para aproveitar rejeitos
Balança brasileira registra superávit de US$ 1,924 bi na terceira semana de maio
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.