Publicidade
25/07/2017
Login
Entrar

Finanças

17/06/2017

Dólar avança 0,20% e fecha em R$ 3,28

Feriado na quinta-feira esvaziou o volume de negócios na última sessão
Reuters/AE
Email
A-   A+
O Banco Central vendeu integralmente 8,2 mil swaps cambiais para a rolagem de contratos que vencem em julho/Fernanda Carvalho/Fotos Públicas
São Paulo - Após recuar nas duas sessões anteriores, o dólar acabou terminando a sexta-feira com leve alta ante o real, numa sessão de volume reduzido devido à ponte entre o feriado de Corpus Christi e o final de semana, com os investidores de olho no cenário exterior e também no noticiário político doméstico.

O dólar avançou 0,20%, a R$ 3,2871 na venda, depois de oscilar ante a mínima de R$ 3,2784 e a máxima de R$ 3,2975. Na semana, a moeda acumulou leve baixa de 0,15 %. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,45 %.

“Ficamos na contramão do exterior, ainda com cautela com o político, pregão esvaziado e final de semana à frente”, resumiu um profissional da mesa de câmbio de uma corretora.
O mercado segue monitorando eventuais novas delações que possam comprometer o governo e trabalha na expectativa da esperada denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, de olho nos impactos sobre o andamento das reformas no Congresso.

“A percepção de que a situação de Temer segue frágil e de que o ambiente político é ainda de completa incerteza tendem a limitar o apetite do investidor”, disse mais cedo o analista de câmbio da Correparti Corretora Guilherme Esquelbek.

O dólar trabalhou predominantemente em alta desde o início da sessão, mas chegou a registrar leves baixas principalmente após dados mais fracos sobre a economia norte-americana.

Mais cedo, foi divulgado que o início das construções de novas moradias caiu 5,5% em maio e, no final da manhã, que o índice de confiança do consumidor dos EUA ficou em 94,5 em junho, abaixo da previsão de 97,1.

Na quarta-feira, o Federal Reserve, banco central norte-americano, elevou a taxa de juros do país pela segunda vez em três meses e, embora tenha sinalizado que pode repetir o movimento, os dados de atividade recentes têm mostrado fraqueza.

No exterior, o dólar recuava contra uma cesta de moedas e também ante algumas moedas de emergentes, como os pesos chileno e mexicano.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente a oferta de até 8,2 mil swaps cambiais tradicionais - equivalente à venda futura de dólares - para rolagem dos contratos que vencem julho. Com isso, já rolou US$ 3,280 bilhões do total de US$ 6,939 bilhões que vence no mês que vem.

Leia também:
BR Properties realizará oferta pública de ações
Bolsa de valores tem queda de 0,48% e movimenta R$ 11,5 bi


Juros - O mercado futuro de juros ajustou toda a curva a termo para baixo nesta sexta-feira, pós-feriado de Corpus Christi, na contramão do dólar, que voltou a se fortalecer ante o real. Mesmo com o noticiário bastante escasso, a queda das taxas ainda ganhou fôlego extra à tarde, com alguns contratos renovando mínimas em relação ao período da manhã. O movimento de baixa foi considerado forte para um dia de alta do dólar e liquidez reduzida e surpreendeu alguns profissionais do mercado.

No fechamento do horário regular de negociação, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2019 terminou com taxa de 9,105%, ante 9,165% do ajuste de quarta-feira e com 221.530 negócios. O vencimento de janeiro de 2019 projetou 9,09%, ante 9,20% (172.040 contratos). Na ponta mais longa, o DI para janeiro de 2021 terminou o dia em 10,10%, de 10,26% do ajuste anterior (147.715 contratos negociados).

Dois fatores foram apontados como cruciais para o fechamento das taxas. Um deles foi o anúncio da redução de preços dos combustíveis, cujo potencial desinflacionário é bastante significativo. Outro fator apontado pelos analistas foi a entrevista exclusiva do Broadcast (serviço de notícias fechado em tempo real do Grupo Estado) com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. Ele afirmou que o caminho de desinflação e de redução da Selic está dado e que a discussão hoje é sobre o ritmo de cortes e sobre a extensão do ciclo de flexibilização. “O que eu quero passar é que isso vai depender do desenvolvimento, tanto das reformas e dos ajustes quanto da inflação e da atividade”, disse.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

25/07/2017
Dívida pública: Estoque passou para R$ 3,357 trilhões em junho, alta de 3,22%
Emissões somaram R$ 74,1 bilhões e os resgates, R$ 3,84 bilhões
25/07/2017
Bolsa tem alta de 0,64%, mas volume financeiro é reduzido: R$ 4,8 bilhões
São Paulo - O Índice Bovespa retomou ontem a trajetória de alta - depois de três quedas seguidas na semana passada - mais uma vez apoiado no bom desempenho das...
25/07/2017
Após tributação sobre combustível, mercado eleva projeções para o IPCA
Brasília - Após o aumento da tributação sobre combustíveis, os economistas do mercado financeiro elevaram suas projeções para o IPCA, o...
22/07/2017
Transções correntes: Resultado foi o melhor no 1º semestre em dez anos
Indicador do BC registrou superávit de US$ 715 milhões no período
22/07/2017
Dívida externa: Estimativa do Banco Central em junho é de US$ 307,293 bilhões
Brasília - A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em junho é de US$ 307,293 bilhões. Segundo o BC, o ano de 2016 terminou com uma...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.