17/08/2018
Login
Entrar

Internacional

10/02/2018

Donald Trump assina lei para estender o teto da dívida

Presidente comemora mais investimentos nas Forças Armadas
AE
Email
A-   A+
Trump celebrou o fato de a regularização de jovens imigrantes sem documentos não ter sido incluída no acordo/Reuters/Yuri Gripas
São Paulo - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na sexta-feira (9), em sua conta no Twitter, que assinou a lei fruto do acordo para estender o teto da dívida do governo. Com isso, interrompe-se a paralisação parcial (“shutdown”) das atividades da administração, iniciada à zero hora do mesmo dia (hora local). Ele lamentou, porém, que os republicanos tenham tido de ceder em alguns gastos que não queriam, mas argumentou que isso foi necessário para ampliar o investimento nos militares.

“Acabei de assinar a lei. Nossos militares estarão agora mais fortes que nunca”, afirmou Trump. “Nós amamos e precisamos de nossos militares e damos tudo a eles - e mais. Isso aconteceu pela primeira vez em muito tempo. Isso significa empregos, empregos, empregos!”, escreveu o presidente americano.

Ainda segundo ele, sem o apoio de “muitos republicanos no Congresso”, a liderança governista foi forçada a ceder em gastos “em coisas que não gostamos nem queremos”, para conseguir aumentar a verba das Forças Armadas. “Infelizmente, nós precisamos de alguns votos democratas para passar. Precisamos eleger mais republicanos na eleição de 2018!”, disse.

Leia também:
Sondas de petróleo em operação sobem a 791
Aprovada no Senado, proposta vai à Câmara

Paralisação -
Mais cedo, o Senado e a Câmara aprovaram o acordo orçamentário de dois anos e um projeto de gastos de curto prazo, que garante o funcionamento do governo até 23 de março. Com isso, a paralisação do governo durou poucas horas, no segundo episódio do tipo em três semanas.

Trump apontou que os gastos não militares nunca diminuirão nos EUA, caso não sejam eleitos mais republicanos a partir deste ano Ele qualificou a lei como uma “grande vitória” para os militares, mas também falou que houve “muito desperdício” para garantir votos da oposição democrata. O presidente ainda comemorou o fato de que o programa de regularização de jovens imigrantes sem documentos (Daca, na sigla em inglês) não foi incluído na versão final do projeto. Ele afirmou que as negociações desse tema “começam agora!”.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2018
China e EUA acertam rodada de negociações para o fim deste mês
Reunião pode significar progresso na solução de conflito
17/08/2018
Itália e UE trocam acusações por queda de ponte
Roma - A atribuição de culpa alheia pelo colapso fatal da ponte Morandi, na Itália, se intensificou ontem com autoridades italianas e da União Europeia (UE) buscando...
15/08/2018
EUA ameaça com novas sanções e Turquia promete retaliar
Pressão americana é para que turcos libertem pastor
15/08/2018
Militares são presos suspeitos de ataque
Caracas - O procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, revelou, na terça-feira (14), que dois militares de alta patente foram presos por suposto envolvimento em explosões de drones...
14/08/2018
Argentina eleva taxa de juros para 45% para conter o dólar
Decisão ocorre após a crise na Turquia movimentar os mercados globais
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.