Publicidade

Internacional

11/01/2017

Donald Trump diz que filhos vão administrar seus negócios

ABr
Email
A-   A+
O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump disse, em sua primeira entrevista à imprensa nessa quarta-feira (11), que enquanto estiver governando o país seus filhos Eric e Donald Jr vão administrar seus negócios particulares. Com isso, o magnata respondeu a um dos maiores questionamentos da mídia, que seria a existência de um possível conflito entre os seus interesses particulares e o interesse do país.

Trump destacou, porém, que seria capaz, se quisesse, de administrar o país e as suas empresas simultaneamente. "Eu poderia, realmente, comandar o meu negócio e o governo ao mesmo tempo", disse, dando a entender que, se optasse por continuar também no comando das empresas, não haveria conflito de interesses.

Rússia e Putin

Alguns jornalistas insistiram para que Trump comentasse sobre as alegações de que a Rússia teria informações comprometedoras sobre seus negócios ou sobre seus planos para o futuro. “Alguém realmente acredita nessa história?" questionou o presidente eleito. "Eu [já] postei no Twitter que não tenho nenhum negócio com a Rússia", disse.

Um jornalista perguntou ao bilionário sobre uma declaração do presidente russo, Vladimir Putin, o elogiando como um incentivador das relações entre o seu país e os EUA. "Se Putin gosta de Donald Trump eu considero [isso] um ativo, não um passivo, porque temos um relacionamento horrível com a Rússia. Agora, eu não sei se vou me dar bem com Vladimir Putin. Eu espero que sim, mas... você honestamente acredita que Hillary [Clinton] seria mais dura com Putin do que eu?", perguntou Trump.

Agências de inteligência

Ao responder a perguntas sobre a conclusão de agências de inteligência de que a Rússia trabalhou ativamente para influenciar as eleições americanas de 2016, Trump disse acreditar que os russos possam ter alguma responsabilidade sobre o hackeamento (invasão de computadores) durante a campanha eleitoral, como outros países também tiveram. Ele porém deixou claro que não acredita na influência russa. Segundo ele, o sucesso de sua eleição foi decorrência da boa campanha eleitoral.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/02/2017
Custo do comércio no Brasil cairá até 14%
Previsão da OMC, com tratado ratificado por 112 países, é que a economia mundial ganhe US$ 1 trilhão
23/02/2017
Protecionismo de Trump não deve interferir
Genebra, Suíça - Classificando o acordo de “histórico”, Azevedo ainda mandou um recado sobre o fato de que governos estão mostrando seu “compromisso...
22/02/2017
Era Trump: acordos com o Brasil também serão revistos
Secretário de Imprensa dos EUA afirma que nova administração vai reavaliar cada contrato comercial
22/02/2017
Presidente faz críticas legítimas, aponta FMI
Berlim - As críticas feitas pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à política comercial de alguns países têm certo grau de legitimidade e...
22/02/2017
País amplia a lista dos 'deportáveis'
Brasília - O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (United States Department of Homeland Security – DHS, na sigla em inglês) ampliou ontem o número...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.