Publicidade
17/10/2017
Login
Entrar

Opinião

15/03/2017

Editorial

Acertar fica mais difícil
Email
A-   A+
A política, tal como se apresenta, continua mostrando aos brasileiros a sua pior face,  constatação que não se sustenta apenas com os desdobramentos das investigações sob patrocínio do Ministério Público, numa aparentemente inesgotável sucessão de malfeitos. É o caso da rebelião ensaiada no PMDB, semana passada, com um grupo de parlamentares cobrando as cabeças de alguns líderes partidários, todos eles muito próximos do presidente Michel Temer, e já citados nas investigações em andamento. Reclamam - o que a primeira vista parece elementarmente adequado - que nem o governo nem o partido ficam bem nessa situação, sendo recomendável que todos sejam afastados até que tudo se esclareça.

Aquele que, num juízo mais apreçado, enxergar virtude nessas manifestações terá novos motivos para se decepcionar. O ensaio de rebelião na realidade teria sido patrocinado por um grupo íntimo do deputado Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara e hoje preso em Curitiba, incrivelmente ainda capaz de jogar suas cartas.

Fazer política, nessas condições, deve ser realmente muito difícil e o governo do presidente Michel Temer tem bons motivos para acreditar que a turbulência está longe de passar. Os prognósticos de analistas bem situados apontam na direção contrária, reafirmando que importantes votações na Câmara e no Senado, muito em especial a reforma da Previdência, já não devem ser dadas como favas contadas ou, pelo menos, dependerão de novas e maiores concessões. O mérito da questão, que no ponto de vista do governo representa a pedra de toque do ajuste fiscal, passa ao largo das deliberações, o mesmo acontecendo com os argumentos de quem enxerga na reforma proposta grave ameaça aos trabalhadores. Só parece interessar mesmo aos políticos o que se pode ganhar ou não, numa troca que continua sendo feita às claras e sem qualquer pudor.

Por óbvio, não parecem ser menores as dificuldades que se colocam no campo da gestão, onde os mesmos malabarismos se repetem, sem espaços para a razão, para a qualificação ou para o mérito. Algo bem ilustrado em outro caso recente, envolvendo o Ministério das Relações Exteriores e os dois últimos titulares da pasta. Para valorizar o ex-ministro José Serra, o presidente da República passou para a órbita do Ministério a Camex, antes operada a partir do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Empresários não gostaram do arranjo que foi desfeito com o afastamento de Serra mas o bom senso durou pouco. O novo ministro, Aloysio Nunes, não aceitou perder uma fatia de seu bolo e mais uma vez o presidente da República teve que recuar. Esperar resultados nessas circunstâncias continua sendo algo bem próximo da fantasia.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/10/2017
Editorial
Com as mãos nas feridas
17/10/2017
Do mercado brasileiro
Há alguns anos, em uma palestra na Escola Técnica de Formação Gerencial - ETFG, do Sebrae Minas, a uma pergunta sobre quantos alunos estiveram em Miami e quantos no...
17/10/2017
Desfile de horrores
“... a Terra não é o inferno dos demais planetas?” (Aldoux Huxley) É de Aldous Huxley a fulminante indagação: “Como sabes que a terra...
17/10/2017
Vitória da Constituição
O Supremo Tribunal Federal decidiu no dia 11 de outubro, em uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), que o Poder Judiciário não pode afastar de suas...
14/10/2017
Editorial
Mineiros em segundo plano
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.