Publicidade
20/08/2017
Login
Entrar

Opinião

16/03/2017

Editorial

Sem espaços para inocentes
Email
A-   A+
A promiscuidade entre o público e o privado no Brasil – e não apenas no Brasil, é claro – não é coisa nova, assim como não são originais movimentos que fazem da moralidade e da ética na esfera pública apenas uma escada. Não faltam relatos a respeito, ainda que no presente, patrocinados pelas delações premiadas, chamem mais atenção, colocando a prêmio cabeças que nunca se imaginaram nessa situação. É nesse contexto e por razões que não escapam ao observador mediano que ganham intensidade as discussões sobre a natureza de doações em campanhas políticas que, no entendimento de um magistrado, poderiam ser classificadas em pelo menos quatro categorias.

Haveriam as doações plenamente legais, as que ele classifica como “legais entre aspas” porque oriundas de propinas, as irregulares ou informais, e as definitivamente ilegais, porque combinadas com a corrupção. Uma ginástica para forçar a ideia de que existiriam gradações que, se de fato consideradas nas circunstâncias que se apresentam, salvaria a pele de dezenas, mais provavelmente centenas, de políticos.

Nada disso evidentemente considera a promiscuidade apontada no início desse comentário. Dia desses, em depoimento, ex-diretor de um dos maiores grupos empresariais do País disse que sua organização financiava campanhas políticas de maneira “democrática”, alcançando os principais partidos políticos, independentemente de ideologias e, quase singelamente, admitindo que o objetivo era ficar bem com todo mundo. Por “ficar bem”, entenda-se, ter acesso e simpatias em qualquer governo, assegurando portas abertas sobretudo na hora de discutir contratos e verbas. É assim que funciona, este é o princípio a partir do qual as portas da corrupção são escancaradas. A rigor, sem nenhum ingrediente que seja verdadeiramente novo ou original.

Eis porque não faz o menor sentido que se pretenda, a sério, discutir anistia, estabelecendo distinção entre políticos que receberam doações “informais” e aqueles financiados pela corrupção. É evidente que, em qualquer situação, tanto o doador quanto o destinatário estavam envolvidos numa transação, num jogo de interesses bastante explícito, com os políticos assinando promissórias que inexoravelmente seriam cobradas – e pagas – no futuro. De um lado o lucro farto e fácil, de outro a certeza da impunidade. Tudo isso sem que também tenham vindo à luz, a qualquer tempo, casos de doações pautadas por razões de natureza ideológica.

As relações, de um lado e de outro, sempre foram absolutamente pragmáticas e ao que se pode deduzir continuam produzindo bons resultados para os envolvidos, independentemente dos danos colaterais causados ao País e sua população. Esta é, sem ilusões ou deturpações, a verdadeira natureza do problema que ainda não foi superado.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/08/2017
Editorial
Expectativas e frustração
19/08/2017
O combate ao poder invisível
Parcela considerável do contencioso que cerca a crise que afunda o País gira em torno das relações promíscuas entre a gestão pública, os...
19/08/2017
Uma orquestração quase silente
“...grande ardil internacional.” (Jair Barbosa da Costa, escritor, referindo-se às ameaças externas pela internacionalização da Amazônia) Como...
19/08/2017
Recuperação judicial requer cautela
De acordo com o Serasa Experience, o número de pedidos de recuperação judicial já bateu um recorde histórico no ano passado, com cerca de 62%. Isso ocorre devido...
18/08/2017
Editorial
Um jogo de acomodação
› últimas notícias
Cemig oferece R$ 11 bilhões para evitar leilão
Diminui o pessimismo entre os empresários em Minas, aponta Fiemg
Comércio quer negociar com o governo mineiro a redução da carga tributária
BC registra avanço de 0,2% no Sudeste
Federaminas difunde projeto de educação financeira em MG
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Desoneração da folha afeta a Previdência
BNDES aprova R$ 122,8 milhões para Instituto Senai
Rombo na Funcef é alvo de protesto
Cinco municípios geram empregos em Minas
Rio das Velhas atinge nível crítico de vazão
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de August de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.