Publicidade
19/02/2018
Login
Entrar

Opinião

21/10/2017

Editorial

A miséria gera lucros
Email
A-   A+
O mais recente relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a situação da economia global registra alguns avanços, tendo como base de comparação a crise financeira desencadeada em 2008. E chama atenção para o aumento da concentração da renda global, que aponta como um dos entraves a consolidação do processo de recuperação, num contexto de mais rápida expansão dos negócios em todo o mundo e a partir dos países periféricos. Trata-se, essencialmente, de dar concretude à ideia de que a prosperidade planetária só poderá ser construída através de melhorias nos países mais pobres, potencialmente os mercados através do qual a economia poderá se expandir.

Tais conceitos, discutidos com alguma intensidade nos momentos mais agudos da crise de 2008/2009, a rigor foram postos de lado e a constatação de que aumentou a concentração da renda comprova este fato. Existem, no entanto, outras medidas, mais trágicas e mais dolorosas e de uma delas nos fala a jornalista Adriana Carranca, em recente artigo publicado no jornal “O Globo”. Segundo ela, a indústria têxtil e de confecções na África entrou em colapso. Literalmente. No Quênia, a indústria têxtil ocupava meio milhão de pessoas há duas décadas, hoje ocupa apenas 20 mil.

Uma sentença de morte decretada pelo comércio de vestuário usado, um negócio de centenas de milhões de dólares ao ano, alimentado principalmente pelos Estados Unidos, mas com participação também de países europeus, Índia e Paquistão. Segundo dados das Nações Unidas, no ano de 2015 pelo menos 800 mil toneladas de roupas usadas foram doadas nos Estados Unidos e 80% desse total foram exportados para a África, através de intermediários nas duas pontas e gerando lucros significativos. Muito provavelmente um dos mais perversos sinais da desigualdade e da exploração.

Países africanos tentam reagir, buscando recuperar a indústria local, modernizando-a e tornando-a mais competitiva, inclusive com planos para banir a importação de roupas de segunda mão a partir de 2019. E já esbaram com quem lucra com sua miséria. Nos Estados Unidos, por exemplo, já surgiu um lobby para pressionar os países africanos e impedir restrições às importações. Argumentam que o setor gera pelo menos 40 mil empregos para americanos, entre coletores, separadores e empacotadores. E acrescentam que se não forem exportadas as roupas jogadas fora causariam um novo problema ambiental.

São dados verdadeiramente impressionantes e para além das imagens convencionais, largamente divulgadas, da miséria africana. Algo para fazer refletir, para induzir mudanças que hoje o próprio Fundo Monetário Internacional (FMI) aponta como cruciais para o equilíbrio global.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/02/2018
Editorial
Sem tempo para esperar
17/02/2018
Crimes organizados e direitos humanos
Combater a inflação sempre foi usado como propaganda política, principalmente, nos dias atuais quando as eleições gerais se aproximam. A inflação...
17/02/2018
Êta mundo velho de guerra!
“Poucas coisas são tão previsíveis quanto a imprevisibilidade dos seres humanos com suas sempre desconcertantes atitudes.” (Domingos Justino Pinto, educador)...
17/02/2018
Brasil já vive sua narcopolítica
Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática com um tipo de sociedade condenada ao fracasso...
16/02/2018
Editorial
Um jogo de faz de conta
› últimas notícias
Sondagem revela retomada do otimismo
Valor liberado para médios e grandes produtores na safra 2017/18 é de R$ 85 bilhões
Justiça decide que elétricas não poderão ter cobrança retroativa de débitos de R$ 6 bilhões
Sebrae pretende atender 69,6 mil MPEs
Nível de atividade do varejo no Brasil aumenta 1,3% em janeiro, aponta a Cielo
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Começam as obras do Aeródromo Inhotim
Folia supera expectativas em Belo Horizonte
Mobiliata une empreendedorismo e impacto social
Carnaval aqueceu setor de brindes na Capital
Fiat Argo Drive tem bom desempenho
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de fevereiro de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.