Publicidade
23/04/2018
Login
Entrar

Opinião

15/11/2017

Editorial

Da vitória à derrota
Email
A-   A+
A história do século XX pode perfeitamente ser contada através da história do petróleo que, literalmente, moveu o mundo, seus conflitos e a própria economia. Na virada do século a situação não se alterou, embora as perspectivas indiquem que o petróleo seja menos utilizado como fonte de energia, queimado para movimentar motores de baixa eficiência, ganhando relevância na indústria química. O fato objetivo, que não pode deixar de ser levado em conta, é que o petróleo, tudo leva a crer, continuará ditando ainda por muito tempo o poder global.

É de se indagar, nesse contexto, qual o destino e qual o papel reservado ao Brasil que, segundo relatórios recentemente divulgados, tende a ganhar expressão global no setor, com um volume de produção que só será superado pela Arábia Saudita. Diante dessa perspectiva, na realidade quase certeza, cabe indagar se a sociedade brasileira tem plena consciência da relevância da questão e consequente obrigação de se impedir que o controle dessa riqueza e dessa fonte de poder seja transferida a terceiros. O Brasil claramente corre este risco e pode perder sua grande chance de inserção no mundo desenvolvido.

Os problemas que a Petrobras enfrentou e ainda enfrenta, por conta de um aparelhamento político que levou a um processo endêmico de corrupção, reclamam ações contundentes e o completo saneamento da empresa. Não pode significar, contudo, que a empresa deva ser desmontada e, em nome de um conceito absolutamente falso de eficiência, seus recursos e reservas sejam desnacionalizados. Um processo que parece estar em curso, que encontra defensores desavisados, e precisa ser detido, até porque suas consequências desastrosas já produzem efeitos.

Será bastante acompanhar o que está acontecendo com os preços internos dos derivados de petróleo. Desde que foi decidido, em instância superior de governo, que estes preços deveriam estar alinhados às cotações internacionais, o preço do gás de cozinha subiu mais de 60% e apenas nos dois últimos meses a gasolina subiu 19,6% e o diesel 11,3%. Estamos, na realidade, sendo atrelados à especulação internacional, ditada por interesses e forças das quais deveríamos tentar escapar a todo custo.

Esta é a questão central que nos remete à crise do petróleo nos anos 70 do século passado e, a partir de então, nos enormes esforços e investimentos realizados para expandir a produção interna. Tivemos sucesso, já alcançamos uma produção que chega próximo dos 3 milhões de barris/dia e podemos estar jogando tudo isso fora. Definitivamente não faz o menor sentido.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/04/2018
Editorial
A receita que pode dar certo
21/04/2018
A escorchante e injusta carga tributária
O brasileiro trabalha mais de 5 meses por ano (153 dias) apenas para pagar impostos, taxas e contribuições aos governos federal, estadual e municipal. Existem cerca de 90 modalidades...
21/04/2018
As forças da desordem carioca
“Desde fevereiro, quando foi decretada a intervenção federal na segurança do Rio, coisas estranhas aconteceram.” (Jornalista Élio Gáspari) As...
21/04/2018
O Fóssil do Dia
É preocupante o recente anúncio da Organização Meteorológica Mundial (OMM) de que os níveis de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera estão...
20/04/2018
Editorial
Uma conta impagável
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.