Publicidade
11/12/2017
Login
Entrar

Opinião

18/11/2017

Editorial

Hora de acordar para reagir
Email
A-   A+
Faltando menos de um ano para as eleições gerais, ganham corpo os movimentos visando à indicação dos candidatos que concorrerão à Presidência da República. Algumas candidaturas, ainda que informais face às exigências da legislação eleitoral, já estão colocadas e suas chances avaliadas, com algum grau de precisão e muito de conveniência, pelos institutos de pesquisa. Tudo, como regra, movido por velhas e bem conhecidas ambições, das quais o real interesse público parece continuar distante.

O entorno, aí incluídos setores da imprensa, além de entidades com aparente poder de mobilização e influência, se movimenta em sintonia, parecendo ignorar uma verdade que deveria estar sendo escancarada. Na realidade e face às circunstâncias que se apresentam, importa muito pouco discutir entre os candidatos que se apresentam à corrida presidencial, qual deles seria o mais indicado. O debate e as possíveis escolhas, por enquanto, têm como foco exclusivo as chances de cada um dos eventuais competidores, ficando sua qualificação e, menos ainda, seus propósitos, como algo bem próximo de mero adorno. Mais uma vez, e tragicamente, os projetos são, todos eles, de poder e não de governo.

Fosse diferente, houvesse real preocupação com as dificuldades que o País enfrenta e a soma de incertezas com relação ao futuro próximo, e se estaria discutindo até antes de qualquer projeto de poder um projeto de Estado. Onde estamos e aonde pretendemos chegar deveriam ser a questão de maior interesse. Inclusive, e sobretudo, para ajudar a induzir a conclusão, diante das características do modelo político brasileiro, que importante mesmo será a escolha de parlamentares, em todos os níveis, capazes de oferecer suporte mais legítimo e consistente aos ocupantes de cargos no Executivo, em especial o presidente da República, sem o que não será dado nenhum passo adiante.

De outra forma, é evidente, estarão sendo repetidos os mesmos erros e permanecerão os mesmos riscos, pouco importando quem venha a ser, afinal, escolhido para ocupar a cadeira presidencial para logo se transformar numa espécie de refém de seus apoiadores. Tudo isso no mesmo mundo à parte em que Brasília se encontra, distante do Brasil real, de suas aflições e urgências, distante dos brasileiros e suas necessidades mais elementares. Pensar ou dizer o contrário, independentemente das candidaturas colocadas ou daquelas que ainda venham a se apresentar, é o mesmo que repetir o engodo que nos vem custando tão caro.

Cabe esperar que ainda haja tempo para que os brasileiros, aqueles que pedem votos e aqueles que votam, possam acordar, compreender e reagir.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

08/12/2017
Editorial
Pisando no acelerador
08/12/2017
Um poder limitado
Em 27 de novembro passado, os Procuradores da República que atuam na Operação Lava Jato, divulgaram um manifesto em que exaltam a atividade exercida desde 2014 no combate...
08/12/2017
As novas moedas digitais
Venho estudando o blockchain do bitcoin há algum tempo e confesso: é bastante complicado. Esse desconhecimento tem levado muitas pessoas a tratar o assunto como uma aventura digital,...
08/12/2017
Alternativas para os pequenos negócios
Um pequeno mercadinho de bairro, uma farmácia, um restaurante ou uma academia. Todos, antes de alimentarem uma pretensão global, são locais. Antes de romper a cerca de seu...
07/12/2017
Editorial
Sinais de uma nova realidade
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.