25/06/2018
Login
Entrar

Opinião

10/03/2018

Editorial

Reagir ou sucumbir
Email
A-   A+
A falência do aparato de segurança pública no Rio de Janeiro ultrapassou, faz tempo, o limite do aceitável, impondo uma reação que tardou. A intervenção federal, decretada há pouco mais de quinze dias, era a um só tempo previsível e necessária, considerada a situação específica e, mais amplamente, a situação próxima do colapso enfrentada por toda a administração pública no estado vizinho.

Transformar o assunto em pauta política é algo que beira ao desatino, seja da parte da situação, em que o próprio presidente da República enxergou em sua determinação algo que definiu como “golpe de mestre”, seja da oposição, que prefere enxergar apenas mais um golpe, usando o artifício de apontá-lo também como uma forma de agressão aos pobres e desassistidos. Quem minimamente conhece a situação no Rio de Janeiro, quem concorda que nas áreas mais pobres a presença do Estado foi substituída por organizações criminosas e milícias que exercem seu poder sem qualquer disfarce, há de entender onde estão as vítimas. Assim como, por elementar, não podem ignorar ou minimizar os riscos a que toda a população está exposta.

Da mesma forma não se pode desconhecer que o próprio governador carioca reconhece a virtual falência do aparato policial local, submetido a mazelas que já foram suficientemente descritas e não precisam ser repetidas. A rigor, uma situação de guerra aberta ainda que não declarada, numa situação de desproporção de forças em que a convocação de tropas militares passou a ser impositiva, assim como a intervenção. É preciso reagir e faz todo sentido a observação de um dos generais envolvidos nessas operações, para quem um indivíduo armado com um fuzil de grande poder de fogo obrigatoriamente tem que ser tratado – e combatido - como inimigo.

Nessas condições, e independentemente de quem delas ainda pretende tirar proveito, era de se esperar convergência e mobilização da sociedade e dos setores públicos para que não se perca a oportunidade de vencer, ao mesmo tempo, a marginalidade, a desconfiança e o desanimo, numa atitude que evidentemente em primeiro lugar tem que ser de proteção – ou libertação na verdade – das comunidades que vivem sem qualquer disfarce sob o jugo da criminalidade. Trata-se de restaurar princípios sem os quais a vida em sociedade deixa de ser possível, trata-se de conter a criminalidade que no Rio de Janeiro é mais visível e, ao mesmo tempo, de impedir que a mesma situação se reproduza com igual violência e intensidade em outros pontos do país.

A compreensão dessa realidade é fundamental para que haja aglutinação e não dispersão, na compreensão mínima de que todos, em todos os lugares, são vítimas potenciais, da mesma forma que somos todos responsáveis pela restauração dos princípios que sustentam a vida em sociedade.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

23/06/2018
Editorial
Construtor do futuro
23/06/2018
As eleições e o futuro da Previdência
No próximo mês de outubro teremos eleições, que definirão o cenário político do País nos próximos anos. Serão eleitos pela...
23/06/2018
Ainda a tragédia dos intocáveis
“Nosso grande drama é a discriminação entre as castas superiores e os dalits e adivasis.” (Pe. Stanny Jebamalai, indiano) Reportando-me às grandes...
23/06/2018
Vocações e exigências do agronegócio
As vocações brasileiras na agrossilvipecuária, horticultura e fruticultura, num país continental com 8,51 milhões de km2, devem ser referências num mundo...
22/06/2018
Editorial
Mudar apenas nas aparências
› últimas notícias
Torcida não aquece as vendas no hipercentro
Prestadoras de serviços terrestres cogitam dispensa de pessoal com reoneração
Liminar contrária não abala Mendes Júnior
Primeiro leilão da Aneel prevê R$ 6 bi
BR Distribuidora aguarda decisão do TRT para mensurar os impactos
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.