Publicidade
21/04/2018
Login
Entrar

Opinião

11/04/2018

Editorial

Advertência a considerar
Email
A-   A+
Reza a sabedoria popular que gato escaldado tem medo de água fria e este pode ser o caso das reações às declarações do comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, relativas ao momento político que o País atravessa. Quem tem memória, quem guarda na lembrança particularmente os acontecimentos de 1964, se assustou. Não faltou, inclusive, quem entendesse na mensagem publicada em rede social uma advertência, quase intimidação, ao Supremo Tribunal Federal (STF) que no dia seguinte julgaria o pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula.

Os precedentes, mesmo considerando que a atual geração de militares não tem porque carregar os pecados – e muito menos as culpas – dos generais de 64, autorizam a polêmica criada. Assim como não se pode perder de vista que os cânones militares não autorizam este tipo de manifestação que, inclusive, comportaria reprimenda a seu autor.

Os fatos objetivos, no entanto, não impedem que a realidade seja enxergada e, dessa forma, também as proporções da crise institucional que o País enfrenta, com suas estruturas políticas sob risco real de colapso, afetando severamente toda a esfera pública.

Lembra oportunamente o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que não existe, não pode existir, solução para o País à margem da Constituição e que os males da democracia são preferíveis aos erros do passado. Quando o general Villas Boas diz que “o Exército brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia”, ele está falando a mesma coisa. E deveria, por isso mesmo, gerar tranquilidade quando acrescenta que o Exército “se mantém atento às suas missões institucionais”. É o que se espera e é o que a sociedade exige, no pressuposto do bom funcionamento das instituições.

Nesse ponto, igualmente crucial, existe sim motivo para real preocupação, caso o processo de enfraquecimento e deformação das instituições políticas, cuja integridade e representatividade estão fortemente abaladas, não seja detido e revertido rapidamente.

Este virtual esgotamento produz, claramente, um vazio que abre espaços às aventuras e
aos aventureiros ou, antes, sustenta um salve-se quem puder do qual os cidadãos de bem, a ampla maioria da sociedade, está excluída.

Deixar de perceber a realidade qual como ela se apresenta será, portanto, mais um erro e é neste contexto, entendemos, que deve ser colocada e avaliada a fala do general, não como ameaça ou usurpação, mas como uma advertência que convém considerar.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/04/2018
Editorial
A receita que pode dar certo
21/04/2018
A escorchante e injusta carga tributária
O brasileiro trabalha mais de 5 meses por ano (153 dias) apenas para pagar impostos, taxas e contribuições aos governos federal, estadual e municipal. Existem cerca de 90 modalidades...
21/04/2018
As forças da desordem carioca
“Desde fevereiro, quando foi decretada a intervenção federal na segurança do Rio, coisas estranhas aconteceram.” (Jornalista Élio Gáspari) As...
21/04/2018
O Fóssil do Dia
É preocupante o recente anúncio da Organização Meteorológica Mundial (OMM) de que os níveis de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera estão...
20/04/2018
Editorial
Uma conta impagável
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.