Publicidade
26/04/2018
Login
Entrar

Opinião

14/04/2018

Editorial

Intervenção perde para a burocracia
Email
A-   A+
A intervenção federal no Rio de Janeiro tem data para terminar e o ministro da Defesa voltou a afirmar, esta semana, que o prazo final continua sendo o último dia do mês de dezembro. Sendo assim e diante das proporções dos problemas a enfrentar é fundamental que o processo ganhe velocidade, sem o que parece impossível cumprir os objetivos traçados no prazo estimado, frustrando-se as expectativas da população carioca e dos demais brasileiros, de todas as latitudes, igualmente atingidos pelo avanço da criminalidade e pela incapacidade do Estado de conter este processo.

São preocupações reforçadas pelo anúncio feito pelo interventor Braga Neto de que passado pouco mais de um mês desde a decretação da intervenção, as forças sob seu comando tiveram que adiar pelo menos seis dezenas de ações por falta de recursos. Segundo ele, e apesar das promessas de que todas as condições para o sucesso da missão seriam garantidas, até o início da semana os R$ 1,2 bilhão liberados quinze dias antes por ordem direta do presidente da República ainda não haviam chegado. E, simplesmente, por conta de questões burocráticas, como a nomeação de integrantes da equipe de intervenção.

Quando as tropas federais desembarcaram, simbolicamente, no Rio de Janeiro, o general interventor alertou que a população não sentiria, imediatamente, os efeitos da intervenção, mas garantiu que melhorias no que chamou de “sensação de segurança” seriam mais imediatas. Resultados concretos, adiantou, serão percebidos em quatro meses aproximadamente. Não foi o que aconteceu. Ao contrário, a percepção é de que a violência até aumentou, como se estivesse havendo uma reação, ou enfrentamento, de proporções inesperadas, numa relação de forças ainda desequilibrada.

Foi atribuída ao presidente Temer a afirmação de que o movimento por ele ordenado teria sido um “golpe de mestre”, capaz de desviar as atenções do público e até reverter os baixos índices de aprovação com que ele tem convivido, com impacto direto nas eleições de outubro e podendo alimentar o sonho de entrar no jogo, apresentando-se como candidato à reeleição. São conjecturas que parecem fazer algum sentido, mas que derreterão caso resultados não possam ser percebidos mais rapidamente.

Tudo isso significa dizer que também nesta dimensão não existem chances para erros e tampouco tempo a perder. A população do Rio de Janeiro, aterrorizada, não tem como continuar esperando, as forças militares não têm porque abraçar uma causa perdida e não parece ser razoável imaginar que o “golpe de mestre” imaginado pelo presidente tenha sido apenas retórica. Muito menos acreditar que a missão, em que se espelhariam novas políticas de segurança pública para todo o País, possa mesmo ser dada por concluída no último dia do ano.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2018
Editorial
Um horizonte ainda nebuloso
26/04/2018
Fraudes corporativas
Há 13 anos, a Justiça alemã constatou que a Siemens, gigante de tecnologia, era parte de uma rede internacional de distribuição de subornos que incluía...
26/04/2018
Um livro-reportagem sobre Ovnis
“As histórias que meu avô me contava eram incríveis e foi com ele que vi  o meu primeiro pontinho brilhante no céu, que ele dizia ser um disco voador.”...
26/04/2018
Equilíbrio fiscal com investimento público
Os objetivos da política fiscal devem ser a suavização das flutuações no nível de atividade e dos preços; o estímulo ao desenvolvimento...
25/04/2018
Editorial
Prevenir para não remediar
› últimas notícias
Taxa de juros do cheque especial sobe para 324,7% ao ano
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


27 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.