17/08/2018
Login
Entrar

Opinião

08/08/2018

EDITORIAL | A pergunta sem resposta

Email
A-   A+
Para alguns empresários mineiros, aproximadamente três centenas deles, representando as onze instituições que integram o Fórum das Entidades Empresariais de Minas Gerais, a semana passada começou com uma palestra do então pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alkmin. O político paulista, cujo nome foi confirmado na convenção partidária realizada no último sábado (4), foi saudado em rápidas palavras pelo presidente da Federação das Indústrias de Minas, Flávio Roscoe, que dispensou as mesuras próprias dessas ocasiões para ir direto ao que mais interessava.

Segundo ele, os empresários brasileiros estão cansados de servir a governos que na realidade deveriam lhes servir. Estão cansados de pagar a conta da ineficiência, de pagar impostos escorchantes e que não trazem retorno, estão cansados de conviver com juros que sufocam seus negócios e arruínam a competitividade. E pediu mudanças, cobrou reformas que devolvam racionalidade à economia e moralidade aos negócios públicos.
Geraldo Alkmin, que não tem parentesco com o mineiro José Maria Alkmin, ministro da Fazenda de Juscelino e vice-presidente de Castelo Branco, cuidou de lembrar que suas raízes também são mineiras, plantadas na divisa com São Paulo. E respondeu seu anfitrião afirmando que aproveitará os seis primeiros meses de um possível governo por ele chefiado para realizar as reformas que devolvam integridade ao Estado brasileiro, começando pela política e avançando na direção da Previdência Social, neste caso para podar as distorções alojadas na esfera pública, verdadeira origem do desequilíbrio existente. Na política, disse o ex-governador de São Paulo, a gente não faz o que quer, faz o que é preciso fazer, acrescentando que todos precisam ter consciência de que é necessário podar a árvore para que ela volte a crescer.

A receita apresentada pelo candidato, que aproveitou também para dizer que seu eventual governo terá com Minas Gerais a maior das parcerias, inclui também desburocratização e simplificação, estas no contexto de uma reforma tributária e do Estado. Em síntese, nada que não tenha sido dito antes, que não tenha feito parte das promessas de campanha do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também do PSDB e vitorioso nas eleições de 1994.

Quase 25 anos depois, nem a situação do País e nem as promessas de candidatos mudaram. E nos dois casos, não há como duvidar, por conta das costuras políticas que construíram alianças de mera conveniência. Não se deve estranhar, nessas condições, que Alkmin não tenha explicado como exatamente fará com que a sua constelação de aliados caminhe na direção que ele propõe. Esta, não temos dúvidas, é a questão central e ao mesmo tempo a mais difícil de ser respondida.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

17/08/2018
EDITORIAL
EDITORIAL | Números de uma guerra
17/08/2018
O PT, Lula e sua candidatura
Consta, já, no anedotário político, a afirmação que, nesta eleição, além das “fake news”, há a “candidatura...
17/08/2018
Consequências de uma guerra comercial
A crescente tensão comercial entre os Estados Unidos e a República Popular da China, cuja origem está nos permanentes ataques cometidos pelo governo Trump, é um fato que...
17/08/2018
Hipocrisia fiscal
O ano é 2018. A sala está cheia de profissionais de diferentes especialidades. Há investidores, consultores, contadores, advogados e analistas. O objetivo é entender a...
15/08/2018
EDITORIAL
EDITORIAL | Mais distante das soluções
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


17 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.