Publicidade
26/04/2018
Login
Entrar

Opinião

13/04/2018

EDITORIAL | Missão para os bancos públicos

Email
A-   A+
As condições de sustentação e, mais, de expansão de qualquer economia passa necessariamente pelas facilidades de acesso ao crédito, situação que está ainda distante da realidade brasileira. Em primeiro lugar, porque os juros praticados na ponta do mercado prosseguem excessivamente elevados, apesar dos cortes havidos nas taxas oficiais que na prática são apenas referência. Segundo, porque a oferta de crédito continua restritiva, especialmente para investimentos nas linhas de fomento a médio e longo prazos.

Empresários têm batido nessa tecla de forma sistemática, chegando a afirmar que os cortes anunciados pelo Banco Central estão mais próximos da ficção que da realidade.
Enquanto isso os bancos, inclusive os públicos, continuam operando em conições sem paralelo no mundo, alcançando índices de lucratividade que não fazem sentido, especialmente para uma economia que atravessou quase três anos de recessão e só agora dá início a um ciclo de, por enquanto, lenta recuperação.

E não são apenas empresários que reclamam e apontam na direção do bom senso. Esta semana, ao tomar posse na presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o até então ministro do Planejamento Dyogo Oliveira apontou no mesmo rumo, dizendo que o banco precisa ser reinventado, para que seja de fato um promotor do desenvolvimento. Não há outra forma de se alcançar este objetivo que não através de projetos de qualidade e confiabilidade, sustentados por linhas de crédito adequadas no custo e no tempo. Também o presidente Michel Temer, que se encontrava presente, seguiu a mesma linha de raciocínio, defendendo que os bancos públicos não se afastem de sua função social.

Se para o bom entendedor meia palavra basta, o presidente da República, talvez sensibilizado pela aproximação das eleições, fez bem mais que isso. Não perder a função social pode ser entendido como não perder o papel regulador, condição que, somados, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal têm as melhores condições para exercer, fazendo muito mais que garantir recursos para programas habitacionais. Na realidade e ao contrário do que seria desejável, os bancos públicos operam nas mesmas condições que os bancos privados, alcançando patamares de lucratividade que estão bem distantes de sua suposta função social e só não são maiores por conta de problemas de gestão.

Não temos dúvidas que para que se possa devolver ao sistema bancário o seu verdadeiro papel, para que eles operem dentro de padrões equivalentes ao que acontece no restante do mundo, o papel e a atuação dos bancos públicos no Brasil pode ser decisivo. Desde que haja vontade política, conforme sugere o presidente Temer.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/04/2018
Editorial
Um horizonte ainda nebuloso
26/04/2018
Fraudes corporativas
Há 13 anos, a Justiça alemã constatou que a Siemens, gigante de tecnologia, era parte de uma rede internacional de distribuição de subornos que incluía...
26/04/2018
Um livro-reportagem sobre Ovnis
“As histórias que meu avô me contava eram incríveis e foi com ele que vi  o meu primeiro pontinho brilhante no céu, que ele dizia ser um disco voador.”...
26/04/2018
Equilíbrio fiscal com investimento público
Os objetivos da política fiscal devem ser a suavização das flutuações no nível de atividade e dos preços; o estímulo ao desenvolvimento...
25/04/2018
Editorial
Prevenir para não remediar
› últimas notícias
Taxa de juros do cheque especial sobe para 324,7% ao ano
Incertezas do Brasil e juros dos EUA levam o dólar a subir
Porto de Santos atinge nível recorde no movimento de cargas em março
Confiança do consumidor sobe só 0,3%
Caixa retoma 1.089 imóveis em Minas
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


27 de abril de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.