22/07/2018
Login
Entrar




Opinião

11/07/2018

EDITORIAL | O preço da insegurança

Email
A-   A+
Entre os anos de 2007 e 2016 os gastos públicos com segurança aumentaram, nos planos federal, estadual e municipal, em 27,5%, descontada a inflação do período. Por outro lado, e de acordo com dados reunidos pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o total de encarcerados no País cresceu 144% em doze anos. Eram 297 mil presidiários em 2005 e a população de encarcerados chega hoje a 700 mil indivíduos. Números que traduzem ação e não necessariamente resultados. Os roubos de carga no País aumentaram 31% em dez anos e no mesmo período os assaltos a instituições financeiras tiveram crescimento de 47%. Tudo isso sem contar que o registro de assassinatos passou de 60 mil no último ano.

Como já foi dito e repetido, são números que não se repetem nem mesmo em países em guerra, expondo aquela que é muito provavelmente a maior das tragédias de nosso tempo. E fazendo ver que a solução não está necessariamente na alocação de verbas ou no encarceramento de indivíduos que afrontam a lei, proposições repetidas quase que como um mantra. E dessa situação, demonstra a CNI, não resulta apenas dor e sofrimento. Contando por alto, os estudos demonstram também que a falta de segurança custa ao País, a cada ano, R$ 365 bilhões, o equivalente a 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Um bilhão de reais por dia ou R$ 1,8 mil na conta de cada cidadão brasileiro.

E trata-se apenas de uma estimativa, muito possivelmente conservadora, dizem os próprios autores do estudo, chamando atenção para um outro aspecto alarmante: o valor apurado equipara-se à participação do setor da construção (5,2%) no PIB nacional ou à agropecuária (5,3%) e supera a indústria extrativa mineral, petróleo e minérios, e serviços e água, esgotos e energia elétrica. Os dados reunidos também mostram que os gastos públicos anuais com segurança e sistema prisional chegam a R$ 101 bilhões e mais R$ 86 bilhões foram para as contas das secretarias estaduais de segurança. Em 2015 apenas a indústria gastou com segurança privada e seguros um total de R$ 112 bilhões.

São custos diretos, mas que ainda não representam o total. A falta de segurança implica também em perdas de horas trabalhadas, em redução da produtividade e elevação dos custos de fretes. Também entra na conta as despesas com internações hospitalares das vítimas de violência, que chegaram a 56 mil no ano de 2015 a um custo direto, bancado pelo sistema público de saúde, de R$ 85 milhões, faltando ainda acrescentar o valor das concessões de auxílio-doença e aposentadorias que tem origem nas mesmas causas. Eis o tamanho da conta que todos estamos pagando e, pior, sem que se possa enxergar à frente qualquer sinal de alívio.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
EDITORIAL | Muito além da imaginação
Descer mais fundo a estas alturas parece quase impossível. No último final de semana, duas salas do Ministério do Trabalho, num daqueles prédios projetados por Oscar...
21/07/2018
Estabilização da Jurisprudência
Fala-se que, no Japão, marcado por cultura resistente à litigiosidade, as carreiras jurídicas deixaram de ser promissoras. As pessoas lá tendem a resolver seus...
21/07/2018
Vez do leitor
“Comungar de seu desabafo, é também uma forma de alento.” (Jair Barbosa da Costa, escritor) O espaço do comentário é ocupado hoje por...
21/07/2018
O que a greve dos caminhoneiros ensinou
A greve mexeu com a cabeça dos brasileiros mais uma vez. E independentemente de sua opinião acerca do assunto, é notório como o poder da população, quando...
20/07/2018
EDITORIAL | Contas que não fecham
As proporções do desequilíbrio das contas públicas no Estado, assunto de recente comentário neste espaço, parece não ter sido percebida em toda a...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.