Publicidade
27/05/2018
Login
Entrar

Internacional

03/02/2018

Emprego avança e salários têm maior ganho em 8 anos

Quadro sinaliza para inflação acelerada, conforme previsão do Fed
Reuters
Email
A-   A+
Pacote tributário de Trump teria influenciado pouco/Reuters/Yuri Gripas
Washington - A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos avançou em janeiro e os salários cresceram ainda mais, registrando o maior ganho anual em mais de oito anos e meio e ampliando as expectativas de que a inflação vai acelerar neste ano com o mercado de trabalho atingindo o pleno emprego.

A economia norte-americana abriu 200 mil vagas de emprego fora do setor agrícola no mês passado, contra 160 mil vagas em dezembro, informou na sexta-feira (2) o Departamento do Trabalho.

A taxa de desemprego permaneceu na mínima de 17 anos, de 4,1%. A renda média por hora avançou em janeiro US$ 0, 9, ou 0,3%, para US$ 26,74, depois do sólido ganho de 0,4% em dezembro.

Isso levou o aumento da renda média por hora na comparação anual a 2,9%, a maior desde junho de 2009, de 2,7% em dezembro.

Os trabalhadores, entretanto, tiveram menos horas de trabalho no mês passado. A jornada semanal média de trabalho caiu para 34,3 horas, a mais curta em quatro meses, de 34,5 horas em dezembro.

O forte relatório de emprego destacou a força da economia no início do ano. Economistas dizem que os ganhos de emprego estão sendo provocados pela forte demanda doméstica e global.

Dado que o mercado de trabalho está quase em pleno emprego, economistas viram pouca influência sobre a criação de vagas do pacote de cortes tributários da administração Trump aprovado pelo Congresso dos EUA em dezembro, na maior reforma do código tributário em 30 anos.

Economistas consultados pela Reuters projetavam criação de 180 mil vagas de trabalho fora do setor agrícola no mês passado, com a taxa de desemprego permanecendo em 4,1%.

A economia precisa criar de 75 mil a 100 mil vagas por mês para acompanhar o crescimento da população em idade de trabalhar.

Leia também:
Trump inicia confronto inédito com o FBI

Pleno emprego
- A criação de vagas deve desacelerar este ano uma vez que o mercado de trabalho se aproxima do pleno emprego. As empresas citam cada vez mais dificuldades em encontrar trabalhadores qualificados, o que, segundo economistas, forçará algumas a aumentar de forma significativa os salários.

O crescimento do salário no mês passado deveu-se provavelmente a aumentos no salário mínimo, que entrou em vigor em 18 estados em janeiro. Também deve ter ganhado com o corte tributário.

Autoridades do Fed demonstraram na quarta-feira otimismo de que a inflação subirá para a sua meta este ano. As autoridades, que decidiram manter os juros, descreveram o mercado de trabalho como tendo “continuado a se fortalecer”, e a atividade econômica como “subindo a uma taxa sólida”.

Os mercados financeiros esperam uma alta dos juros em março. O banco central norte-americano prevê três altas dos juros neste ano.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

26/05/2018
Bloco inicia negociações por acordo comercial com a Coreia do Sul
Diálogo deve se intensificar no segundo semestre
26/05/2018
Trump volta atrás e admite possível cúpula
Washington/ Seul - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, aventou, na sexta-feira (25), a possibilidade de uma cúpula com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em...
25/05/2018
Trump cancela cúpula histórica e faz alerta
Presidente norte-americano não descartou risco de guerra contra país liderado por Kim Jong-un
24/05/2018
Fed sinaliza alta dos juros em próxima reunião
Washington - A maioria dos membros do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos (EUA), avaliou que outro aumento dos juros seria justificado “em breve”, se a perspectiva...
24/05/2018
G-7 pressiona e pede novas eleições
Genebra - Os presidentes e primeiros-ministros das maiores economias do mundo estão pressionando a Venezuela e pedem que o presidente Nicolás Maduro convoque novas...
› últimas notícias
Nível de atividade recua em Minas, mas há otimismo
Roscoe defende redução de tributos, juros e burocracia
FMI prevê expansão do PIB em 2%
Especialistas não veem desaceleração econômica
Níveis de atividade e emprego do setor caem
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


26 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.