16/08/2018
Login
Entrar

DC Inovação

21/02/2018

Empresas tradicionais se rendem à cultura das startups

Desejo de mudança acontece quando elas se sentem ameaçadas
Daniela Maciel
Email
A-   A+
Elas sentem que estão ficando para trás, diz Mendes/Walter Craveiro/Divulgação
A “cultura startup” originária das empresas que nasceram sob os signos da inovação, tecnologia e crescimento rápido - como parte da chamada “nova economia” - tem atingido também as empresas tradicionais e ajudado a mudar a cultura gestora de companhias e segmentos bastante enraizados.

No vácuo deixado por empresas que não conseguem atender todas as demandas e anseios de seus públicos, as startups surgem trazendo soluções com modelos de negócios inovadores e disruptivos. O sucesso dessa nova maneira de fazer negócios tem atraído a atenção de empresas tradicionais de diferentes setores e portes que buscam uma maneira de se tornarem mais eficientes agradando um consumidor cada vez mais informado e exigente.

Para o sócio da Organica - empresa focada na aceleração de negócios e pessoas -, Renato Mendes, o desejo de mudança nas empresas da economia tradicional normalmente acontece quando elas se sentem ameaçadas por um mercado emergente que não entendem bem. “Elas sentem que o mundo está mudando e que estão ficando para trás.

Esse é o momento que a decisão deve ser encampada por todos. Uma mudança de cultura só acontece quando é um desejo genuíno e, ainda sim, não é um processo fácil. Essas empresas devem compreender que elas não vão se tornar startups, não se transformarão no Google ou no Facebook, mas que podem ter a mentalidade de startup”, explica Mendes.

A cultura startup prega, entre outros pontos, a escuta ativa dos clientes; a execução assim que tiver uma proposta mínima de valor; e o erro como oportunidade de aprendizado. Todos esses itens exigem que o foco da transformação esteja nas pessoas. Mais do que investimento em tecnologia - que é, obviamente, necessário - é preciso que as pessoas estejam determinadas a fazer a mudança de cultura.

A fundadora da AbeLLha - incubadora de negócios de impacto -, Ana Julia Ghirello, acompanha processos de empresas muito tradicionais que resolveram aceitar o desafio. “As empresas precisam pensar em formas próprias de incorporar pontos da cultura startup que podem trazer agilidade e inovação para o seu negócio em um mundo cada vez mais volátil. Ter uma estrutura maleável e ágil é imprescindível para lidar com um mercado de extrema incerteza como o que já temos e teremos daqui pra frente”, analisa Ana Julia Ghirello.

Um dos setores mais atentos a esse movimento é o financeiro. Pressionados pelo surgimento das fintechs - startups focadas no setor bancário e financeiro -, os bancos têm encontrado novos modelos de produtos e serviços. Até aqui acostumados a serem os “senhores” na relação com os clientes, eles, que no passado lideraram a informatização dos serviços, voltam a investir em inovação de maneira pioneira.

Leia também:
Cresce confiança de líderes em inovação


“Temos o exemplo do Olé Consignados (fruto de uma joint venture entre o Banco Bonsucesso e o Santander, em 2015), que atua em um segmento muito controlado e extremamente tradicional, focado em um público mais maduro. Eles perceberam, porém, que esse público também está mudando e que o modelo de vendas com um profissional com um portfólio debaixo do braço está acabando. Fomos chamados e criamos um produto on-line, um e-commerce para o banco. Em nove meses, o projeto foi desenhado e já está gerando receita. O importante desse exemplo é que não nos aventuramos a mudar tudo de uma vez. A mudança acontece aos poucos, começa por um setor ou um produto, como foi o caso”, pontua o sócio da Organica.

Outra opção é “quebrar a empresa” em várias startups, como aconteceu com o site de OLX, quando ainda tinha o nome “Bom Negócio”. A estratégia foi acompanhada pela fundadora da AbeLLha. O importante, segundo ela, é que garantir que a autonomia dada às pessoas mantenha o alinhamento com os valores e objetivos da empresa. O resultado desse tipo de mudança é um sistema mais complexo que exige método, detalhamento e transparência.

“É preciso um propósito muito claro. Todo esse processo leva tempo e precisa ser planejado. Não existe receita pronta. O empresário deve fugir da tentação de pegar algo que deu certo em outro lugar e implantar de cima pra baixo na sua empresa. O processo sempre requer ajustes. O ideal é começar por processos mais simples e ir ganhando escala”, alerta a empresária.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/03/2018
Americana Airfox investe US$11,5 mi na expansão para o País
Negócio promete crédito sem burocracia às classes D e E
16/03/2018
Anjos do Brasil fecha acordo com o WBAF
Receber investimento anjo no Brasil é a aspiração de quase todas as startups. Mas receber aporte de um investidor no exterior, que traz consigo know how para a...
16/03/2018
BeeCâmbio negocia 22 moedas on-line
Comprar moeda estrangeira em Belo Horizonte ficou mais fácil com a chegada da startup paulista BeeTech à Capital. Por meio do seu produto BeeCâmbio, a empresa oferece a compra e...
21/02/2018
Seed impacta economia gerando emprego e negócios
Considerado um dos maiores projetos públicos de aceleração de startups da América Latina, o Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed) deve abrir, nas...
21/02/2018
Cresce confiança de líderes em inovação
São Paulo - A GE divulgou os resultados do Barômetro de Inovação Global de 2018. Intitulado de “Do caos à confiança: players, tecnologias e desafios...
› últimas notícias
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


15 de agosto de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.