22/07/2018
Login
Entrar




Negócios

11/07/2018

Escape Time ganha nova sala em BH

Empreendimento está na capital mineira há dois anos e vem conquistando espaço
Juliana Baeta
Email
A-   A+
Nova sala do Escape Time na capital mineira é um laboratório que teve investimento de R$ 7 mil/Divulgação
Conquistar o público mineiro é o novo desafio da Escape Time, proposta de jogos imersivos na qual o participante tem como objetivo escapar de uma sala resolvendo enigmas no período de uma hora. Já há dois anos em Belo Horizonte, a unidade localizada na Savassi ganhou sua quarta sala no mês passado, um laboratório que teve o investimento em torno de R$ 7 mil.

Cada franquia exige o investimento médio de R$ 250 mil e comporta pelo menos três salas. Mas assim como a unidade em Belo Horizonte, que ainda tem espaço para receber mais duas salas, o investimento para se expandir o ambiente é de R$ 5 mil a R$ 40 mil por sala, dependendo do tamanho e da proposta.

“O público de BH é diferente dos demais. Não digo que é um público difícil, mas ele prefere pagar R$ 80 para comer e beber no bar, do que para conhecer uma proposta diferente como a Escape. Para se ter uma ideia, estamos há dois anos na cidade e tem muita gente que ainda não conhece”, explica a responsável pela unidade mineira, Laíze Prado. A Escape conta ainda com uma unidade em São Paulo e outra no Rio.

A nova sala ainda passou por um processo de teste. A ideia era exaurir a sala para encontrar erros, fazer os ajustes necessários. Para isso foi usado um formato no qual o jogador podia pagar R$ 20 para usar uma sala de nível fácil por 20 minutos, ao invés de pagar R$ 80 por uma hora. É também uma forma de atrair o público mineiro. Além disso,  no mês passado, as unidades brasileiras dos jogos estavam na chamada “Escape Week”, na qual as salas tiveram o valor único de R$ 39.

Para não deixar a Escape Time de BH fechar, já que os dois sócios tinham outros planos fora do País, Prado, que era assessora de imprensa, coordenadora de marketing e supervisora da rede em São Paulo, decidiu vir para a capital mineira há cerca de três meses e assumir o negócio. Neste período na cidade, ela percebeu que o público de Belo Horizonte é muito fiel. “Se a pessoa gosta, ela sempre vai voltar, aqui é a maior taxa de fidelização. Por isso investimos na nova sala para trazer novidades a este público”, conta. O faturamento da unidade em BH é em torno de R$ 50 mil, mas até o fim deste ano, este número deve aumentar em cerca de 20% por conta do investimento.

A casa recebe de 300 a 400 pessoas por dia, especialmente no fim de semana. Durante a semana à tarde o maior público é o corporativo, empresas que utilizam a Escape para interagir ou analisar o perfil dos funcionários, por exemplo. Já durante a noite e no fim de semana, o público maior é formado por pessoas físicas. “O ticket maior é do público corporativo, porque as empresas que têm bons resultados, bons lucros, vão querer agregar mais coisas ao jogo, por exemplo, uma couch para analisar o desempenho da equipe”, comenta Prado.

Outros produtos - Além dos jogos para o público em geral, a Escape conta com diversos formatos para atender a todas as faixas etárias e objetivos. Além das salas fixas, por exemplo, a unidade pode levar para ambientes corporativos determinado modelo de jogo para a empresa fazer uma análise de competência da equipe, para dinâmicas em grupo ou simplesmente para entreter.

Outra possibilidade é levar a Escape para festas e eventos e proporcionar uma experiência diferente ao público. São criados games específicos para estes formatos, como para festas de Halloween ou festas juninas.

Para avaliar competências individuais ou de grupo, a equipe dispõe de um psicólogo ou couch para analisar o desempenho dos jogadores, de acordo com as características exigidas pelo gestor, e elaborar um relatório sobre cada um ou sobre o trabalho em grupo no jogo. Isso pode ser feito tanto nas salas físicas quanto nas próprias empresas. “Ou por exemplo, tem uma equipe que não está trabalhando bem junta, então a empresa leva a Escape para os funcionários jogarem e entenderem que no jogo cada um vai depender do outro, exaltando a importância do trabalho em equipe”, comenta Prado.

A casa também atende ao público infantil, modificando os enigmas de acordo com a faixa etária. “A partir de 12 anos a criança já tem função neurológica, já distingue o botão de liga e desliga, por exemplo. Para crianças menores, utilizamos enigmas de fácil associação, com figuras geométricas, cores”, complementa.

Jogos - Em BH, as quatro salas simulam cenários onde os jogadores precisam escapar em tempo limite. São eles: a Prisão de Alcatraz de São Francisco, nos Estados Unidos, onde o participante precisa escapar em uma hora para não ser executado; um vagão do Expresso Oriente, que faz o trajeto Londres-Istambul, no qual os jogadores precisam parar o trem onde um terrorista colocou uma bomba e o maquinista desapareceu; um quarto antigo de hotel, onde há um tesouro escondido mas o prédio será demolido em uma hora; e o recente laboratório onde um cientista acaba de desenvolver um vírus letal que se espalha pelo ar e transforma as pessoas em zumbis. Neste caso, o participante também tem o prazo de uma hora para desvendar o desaparecimento do cientista e encontrar o antídoto.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
CasaCor Minas começa em agosto
Edição deve atrair cerca de 50 mil pessoas até setembro e gerar 550 novos negócios
21/07/2018
Empresas usam redes como ferramenta de gestão
Nos últimos três anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de novas ferramentas digitais, em especial nas...
21/07/2018
Profissionais precisam reagir com ânimo à crise
O cenário político e econômico atual faz com que instabilidade tome conta nas empresas. O resultado disso são as várias demissões que ocorrem, deixando um...
21/07/2018
IDEIAS | A melhor forma para se tornar uma empresa inovadora
O mundo está cada vez mais dinâmico e os consumidores mais empoderados. Por isso, inovar é o caminho natural das empresas, que precisam estar em constante...
21/07/2018
Funcionários não conseguem se desligar do trabalho durante as férias
Manter completa distância do trabalho durante o período de férias talvez seja coisa do passado. De acordo com uma pesquisa da Robert Half realizada em maio de 2018, com base...
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.