Publicidade
12/12/2017
Login
Entrar

Internacional

05/09/2017

Estados Unidos vão propor novas sanções contra Coreia do Norte

Proposta deve ser votada em 11 de setembro na ONU
ABr
Email
A-   A+
Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, endureceu o discurso contra o regime norte-coreano/Evan Schneider/Onu/Divulgação
Nova York - Os Estados Unidos anunciaram ontem que distribuirão um projeto de resolução com novas sanções da ONU contra a Coreia do Norte por ter realizado testes nucleares e anunciou a intenção de que o projeto seja votado na próxima segunda-feira (11). As informações são da agência de notícias espanhola EFE.

O anúncio foi feito pela embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, ao final de uma reunião de urgência do Conselho de Segurança após o teste nuclear realizado no domingo (3) pelo regime norte-coreano.

Os Estados Unidos alertaram ontem, na sede das Nações Unidas, que chegou o momento de esgotar todas as vias diplomáticas com a Coreia do Norte e defenderam uma rápida imposição de sanções as mais fortes possíveis contra o regime de Kim Jong-un. A informação é da EFE.

Durante a reunião de urgência realizada pelo Conselho de Segurança da ONU para avaliar o novo teste nuclear norte-coreano, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas  criticou os 24 anos de “negociações falidas” entre o órgão e Pyongyang.
“Essa crise vai além da ONU”, disse Haley, que indicou que os EUA considerarão os países que façam negócios com a Coreia do Norte como órgãos que “prestam ajuda às temerárias e perigosas intenções nucleares de Pyongyang”.

A atividade armamentística do regime de Kim Jong-un nas últimas semanas, na qual houve um “uso abusivo de mísseis e ameaças nucleares”, segundo Haley, mostra que o líder da Coreia do Norte está “pedindo guerra”.

A embaixadora disse que os EUA não querem uma guerra, mas ressaltou que a paciência do governo Trump não é ilimitada e que os Estados Unidos defenderão seus aliados e territórios das ameaças de Kim.

Resposta militar – No último domingo, após a confirmação de que Pyongyang tinha realizado seu sexto teste nuclear, supostamente com uma bomba de hidrogênio, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, indicou que as ações da Coreia do Norte teriam uma “grande resposta militar”.

Nesse sentido, Nikki Haley indicou que a ideia de que os EUA diminuam sua atividade militar na região em troca de que a Coreia do Norte não siga com sua escalada armamentista é “insultante”. Ela afirmou os que o seu país não ficará de “guarda baixa” se os coreanos tiverem uma arma nuclear e um míssil apontando para o território americano.

“Só as sanções mais fortes possíveis nos permitirão resolver esse problema através da diplomacia”, reforçou ela.

Haley não especificou que sanções o projeto prevê, mas ressaltou a necessidade de encerrar as negociações prévias durante esta semana para que o texto possa ser votado na próxima segunda-feira.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

08/12/2017
Juiz pede prisão de ex-presidente Cristina Kirchner
Congresso precisa aprovar remoção de sua imunidade
08/12/2017
Brasil mantém postura histórica
Brasília - Diante do anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o governo brasileiro manteve sua postura...
08/12/2017
Republicanos estão otimistas com elevação temporária do teto
Washington - Deputados do Partido Republicano afastaram qualquer dúvida na quinta-feira (7) de que a Câmara dos Representantes não vai aprovar a elevação...
07/12/2017
Trump anuncia embaixada em Jerusalém
Com a transferência da representação do país em Israel, presidente provoca a chamada "guerra santa"
07/12/2017
Líderes mundiais manifestam preocupação
Líderes do mundo inteiro se manifestaram ontem sobre a decisão do governo Trump de transferir a Embaixada dos Estados Unido de Tel-Aviv para Jerusalém. Mesmo antes do...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.