22/07/2018
Login
Entrar




Economia

12/07/2018

Estudo da EPE aponta que capacidade de oferta de etanol do País pode dobrar até 2030

Reuters
Email
A-   A+
Rio de Janeiro - A capacidade de oferta de etanol no Brasil pode dobrar até 2030, impulsionada pela ampliação de investimentos no setor e pela entrada em vigor do RenovaBio, um programa do governo para descarbonizar o mercado nacional de combustíveis, mostra um estudo da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) repassado à Reuters.

Na pesquisa, a EPE analisou três cenários para a oferta de etanol no Brasil, nos próximos 12 anos: baixa, média e alta. O horizonte mais otimista prevê uma elevação na capacidade de oferta para 54 bilhões de litros de etanol em 2030, de cerca de 27 bilhões atualmente.
No cenário de oferta média, o volume seria de 49 bilhões de litros, enquanto na perspectiva mais conservadora, de 43 bilhões de litros. “A evolução do RenovaBio vai ser determinante para definir qual cenário se concretizará para o setor sucroenergético brasileiro”, disse à Reuters o diretor da área de petróleo, gás e biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho.

Para fazer as projeções, a EPE considerou um cenário de crescimento econômico de 2,5% a 3% ao ano até 2030. “Se o RenovaBio for mais exitoso, o País vai atender à demanda carburante com mais etanol; se for menos exitoso, teremos uma oferta sucroenergética menor, atendendo ao mercado com mais gasolina e menos etanol”, acrescentou.

O levantamento da EPE leva em consideração a manutenção da política de paridade de preços para os derivados do petróleo, em especial para a gasolina, concorrente direto do etanol. Em anos anteriores, com o “congelamento” de preços do combustível fóssil, o álcool tornou-se menos competitivo e sua expansão no mercado doméstico foi comprometida.

Se o cenário mais otimista se confirmar, aponta o estudo da EPE, o consumo de gasolina no País poderá ser ligeiramente menor frente o atual. As projeções de demanda para o produto oscilam entre 31 bilhões e 38 bilhões de litros em 2030, ante aproximadamente 32,5 bilhões no ano passado.

Recentemente, a consultoria especializada Datagro disse que, até 2028, o mercado de etanol combustível do Brasil deve passar de 26,7 bilhões de litros para 47,1 bilhões de litros, graças ao estímulo do RenovaBio.

Factível - O diretor da EPE considera a previsão de dobrar a capacidade de oferta de etanol no País “viável e factível”, tendo em vista que o crescimento médio anual até 2030 seria de 4,8%, ao passo que, no último ciclo de expansão da produção, de 2003, com o advento dos veículos flex, até 2015, a alta ao ano foi de 11%.

“É um cenário desafiador, mas perfeitamente possível. Crescer cerca de 5% para quem já cresceu 11%, mostra que é factível”.

O aumento na oferta para os próximos anos previsto pela EPE leva em conta a produção de etanol de primeira e segunda gerações e álcool feito a partir do milho. O estudo aponta que o etanol feito de milho pode alcançar uma produção de até 3,4 bilhões de litros em 2030, ao passo que a oferta de etanol de segunda geração, produzido a partir da biomassa de cana, pode chegar a 2 bilhões de litros.

“O etanol de milho veio para ficar, especialmente no Centro-Oeste do País. As usinas flex, usando milho e cana, devem se expandir no Brasil. É uma vantagem para o produtor, porque as safras de milho e cana são em períodos diferentes, o que dá um ganho de produtividade”, destacou Coelho.

Segundo a EPE, para o País conseguir dobrar a oferta de etanol até 2030, devem entrar em operação 26 novas usinas de produção de etanol de cana. “Isso tudo vai estimular investimentos na cadeia, com infraestrutura, escoamento, logística e outros fatores que levam a um ciclo virtuoso que dinamiza a economia”, afirmou Coelho.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/07/2018
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Estados de Minas e ES discordam do investimento da ferrovia fora da área de atuação
21/07/2018
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Em julho, índice que mede a confiança do setor no Estado voltou a recuar e fechou em 47,1 pontos
21/07/2018
Minas mantém sequência de superávit
Em junho, saldo foi positivo em 12.143 postos de trabalho, somando 91.506 no semestre e 45.995 em 12 meses
21/07/2018
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Brasília - O Brasil encerrou o mês de junho com o fechamento de 661 vagas de emprego com carteira assinada, de acordo com o saldo entre contratações e...
21/07/2018
Governo quer leilão da Eletrobras até agosto
Perspectiva de encerrar processo até o fim do próximo mês tentará evitar liquidação de distribuidoras
› últimas notícias
Exportações de soja devem ser recorde no próximo ano
Renovação da concessão da EFVM pode ser resolvida na Justiça
Pessimismo aumenta na indústria mineira
Minas mantém sequência de superávit
Brasil fecha 661 vagas com carteira assinada
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.