Publicidade
21/05/2018
Login
Entrar

Internacional

09/05/2018

EUA anuncia saída de acordo com Irã

Apesar da decisão, presidente iraniano afirmou manutenção de seu país em pacto
ABr/Reuters
Email
A-   A+
Em seu discurso, Trump voltou a afirmar que acordo possui falhas ?desastrosas? e destacou a necessidade de corrigi-las/Jonathan Ernest/Reuters
Atlanta (EUA)/ Ancara - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, anunciou ontem sua decisão de retirar o país do acordo nuclear com o Irã.  O alívio das sanções não será retirado de maneira imediata, mas em até 90 dias, podendo demorar mais que esse período - no total de 180 dias, prazo em que o país poderá negociar um novo acordo. Com a medida, ele cumpre uma promessa de campanha e isola os Estados Unidos no posicionamento contrário à manutenção do compromisso.

O pacto em 2015 foi celebrado após um compromisso do Irã em limitar suas atividades nucleares em troca do alívio nas sanções internacionais. Ao anunciar a decisão, Trump chamou o acordo de desastroso e disse que o “pacto celebrado jamais deveria ter sido firmado”, porque não provê garantias que o Irã tenha abandonado mísseis balísticos.

Trump afirmou ter conversado com França, Alemanha e Reino Unido sobre a decisão. Para ele, os recursos liberados ao Irã em virtude do acordo - cerca de US$ 100 bilhões em ativos internacionais - teriam sido usados para produção de armas e opressão no Oriente Médio, na Síria e no Iêmen. Chamado de Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, sigla em inglês), o acordo foi firmado pelo então presidente Barack Obama e o chamado P5+1 - grupo formado pelos cinco países-membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, além da Alemanha com o Irã).

O texto final foi alcançado depois de muita negociação entre as partes e determinava um patamar máximo de urânio enriquecido do Irã - matéria usada para energia ou armas nucleares. Trump já havia dito que o pacto era “o pior negócio do mundo”.


Antes do anúncio, altos funcionários do governo Trump avisaram os principais líderes do Congresso dos Estados Unidos para explicar a decisão.

O Irã havia se comprometido a alterar sua matriz de produção nuclear para inviabilizar a produção de plutônio, produto que pode ser usado na fabricação de bombas nucleares, assim como o urânio.

Dentre os vários termos acordados à época, o pacto previa o limite de centrífugas para enriquecer o plutônio. Após a celebração do acordo, a Agência Internacional de Energia Atômica (Iaea) afirmou, em janeiro de 2016, que o Irã estava cumprindo sua parte.

“Desastroso” - Donald Trump disse que o acordo tinha falhas “desastrosas” que precisam ser corrigidas. Ele afirmou que o texto em vigor restringe as atividades nucleares do Irã somente de maneira limitada, por um período limitado, e afirma que o documento firmado não deteve o desenvolvimento de mísseis balísticos pelo Irã.

A proposta que Trump tinha como princípio era reativar as sanções, a menos que o Congresso aprovasse uma complementação para que o acordo em vigor seja ampliado. O presidente americano pedia ainda inspeções imediatas pela Agência Internacional de Energia Atômica e que o Irã não se aproxime da marca estipulada como “máxima capacidade” de material para produção de uma arma nuclear.

Na prática, segundo fontes ouvidas pela imprensa nos Estados Unidos, isso imporia ao Irã o break-out time, que representa uma pausa para impedir que uma bomba seja produzida, um valor estimado em um ano de produção.

Comprometimento continua - O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse ontem que o Irã continuará comprometido com um acordo nuclear multinacional, após a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar os Estados Unidos do acordo de 2015 que visa negar a Teerã a capacidade de construir armas nucleares.

“Se alcançarmos as metas do acordo em cooperação com outros integrantes do acordo, ele permanecerá em vigor. Ao sair do acordo, a América oficialmente minou seu compromisso com um tratado internacional”, disse Rouhani, em discurso televisionado.

Rouhani acrescentou ainda que o Irã está pronto para retomar suas atividades nucleares, após consultas com outras potências mundiais que fazem parte do acordo.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

19/05/2018
OMS alerta Brasil sobre surtos de doenças
Diretor-geral de entidade diz que País corre grande risco com alto fluxo de pessoas que circulam nas fronteiras
19/05/2018
Programa de resgate vai focar em redução da dívida pública da Argentina
Washington - A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou, na sexta-feira (18), que o objetivo do programa de resgate à Argentina...
18/05/2018
Tensões começam a afetar comércio
Segundo entidade internacional, protecionismo pode prejudicar avanço do setor no mundo
18/05/2018
Detalhes de apoio do FMI já estão em discussão
Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera fornecer à Argentina um programa de apoio de alto acesso, mas detalhes precisos sobre o que ele irá abranger ainda...
18/05/2018
Norte exige concessões do Sul para seguir conversas
Seul - A Coreia do Norte criticou ontem a Coreia do Sul, advertindo que encerraria definitivamente as conversas intercoreanas, a menos que Seul fizesse concessões em relação...
› últimas notícias
Minas Gerais cria 23.563 vagas em abril
Two-Flex Aviação transporta cargas entre Varginha e BH
Governo fala que estuda redução de impostos
Caminhoneiros anunciam greve contra preço do diesel
Sigma aporta R$ 230 mi na produção de lítio
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


19 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.