Publicidade
24/05/2018
Login
Entrar

Internacional

25/04/2018

EUA e França buscam solução para impasse envolvendo o Irã

Em reunião com Macron, Trump não revelou se manterá país em pacto
Reuters/AE
Email
A-   A+
Para presidente francês, Trump é melhor chance de conter Teerã/Jonathan Ernest/Reuters
Washington/Nova York  - O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, e seu colega francês, Emmanuel Macron, prometeram ontem tentar resolver as diferenças entre a Europa e os EUA quanto ao Irã, mas Trump não esclareceu se cumprirá ou não a ameaça de abandonar o acordo nuclear internacional com Teerã.

Depois de longas conversas na Casa Branca, Macron disse, em uma coletiva de imprensa conjunta com o norte-americano, que os dois debateram “um novo acordo” que fortaleceria o pacto de 2015 seguindo as diretrizes que Trump deseja, como abordar a expansão iraniana no Oriente Médio e seu programa de mísseis balísticos.

Mas, tendo em vista a aproximação de um prazo para a adoção de sanções econômicas dos EUA contra o Irã no mês que vem, não ficou claro se os dois aliados fizeram um progresso substancial quanto ao futuro do acordo nuclear, que o Ocidente vê como vital para impedir o regime iraniano de construir uma bomba atômica.

Ameaça - Trump manteve sua retórica hostil contra o pacto, que chamou de terrível, ridículo e insano, e ameaçou a República Islâmica com repercussões, caso retome seu programa nuclear. “Se o Irã nos ameaçar de qualquer forma, pagará um preço que poucos países já pagaram”, disse Trump.

Trump tem até o dia 12 de maio para decidir se mantém seu país no pacto, e está sendo muito pressionado pela Europa a fazê-lo – Macron disse que, embora imperfeito, ele é a melhor chance de conter Teerã.

Síria - Os dois líderes também debateram a Síria, e Macron exortou Trump a manter as forças norte-americanas no país em guerra por ora como um anteparo contra o Irã e para garantir a derrota dos militantes do Estado Islâmico.

Trump não prometeu manter as tropas em solo sírio, mas deixou claro que elas não se retirarão de imediato. “Queremos voltar para casa. Voltaremos para casa. Mas queremos deixar uma impressão forte e duradoura”, afirmou.

O Irã disse que intensificará seu programa nuclear se o pacto fracassar, e uma autoridade iraniana de alto escalão alertou ontem que sua nação pode se retirar do Tratado de Não-Proliferação Nuclear se Trump descartar o acordo.

Trump disse que ele e Macron podem alcançar um entendimento a respeito do Irã em breve. “Podemos chegar ao menos a um acordo entre nós muito rapidamente. Acho que estamos bem perto de nos entendermos”.

Irã - O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que se os Estados Unidos deixarem o acordo nuclear, os iranianos “provavelmente” também o abandonarão. Segundo Zarif, o país não estaria mais preso às obrigações internacionais do pacto, o que permitiria ao Irã retomar as atividades de enriquecimento de urânio além dos limites impostos pelo acordo.

Em entrevista à Associated Press, Zarif assinalou que, caso o presidente Donald Trump decida sair do acordo nuclear, provaria que os EUA não são confiáveis. Segundo Zarif, isso poderia acabar com o diálogo recente entre os americanos e a Coreia do Norte.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

24/05/2018
Fed sinaliza alta dos juros em próxima reunião
Washington - A maioria dos membros do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos (EUA), avaliou que outro aumento dos juros seria justificado “em breve”, se a perspectiva...
24/05/2018
G-7 pressiona e pede novas eleições
Genebra - Os presidentes e primeiros-ministros das maiores economias do mundo estão pressionando a Venezuela e pedem que o presidente Nicolás Maduro convoque novas...
23/05/2018
Trump admite que cúpula pode não acontecer
Dúvida do presidente norte-americano ocorre por receio de que Kim não esteja comprometido com acordo
23/05/2018
Opep pode aumentar produção em junho
Khobar (Arábia Saudita)/Londres - A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode decidir aumentar a produção de petróleo em...
23/05/2018
Pela primeira vez em 226 anos, mulher irá presidir a Bolsa de Nova York
Brasília - Engenheira industrial por formação, Stacey Cunningham, de 43 anos, será a primeira mulher em 226 anos a presidir a Bolsa de Valores de Nova York –...
› últimas notícias
Preço do etanol acompanha alta da gasolina na Capital
Plano Diretor da Capital é questionado
Sem acordo, caminhoneiros decidem continuar greve
Biomm aciona Anvisa para liberar remédio
Quatro de cada cinco empresas do País planejam investimentos para este ano
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


23 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.